Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Hoje a conversa é um pouco diferente, porque quem costuma falar sobre reflexões por aqui é a Thais. Mas já faz algum tempo que tem uma coisinha me incomodando, tanto nas redes sociais, como no nosso mundo “real” e hoje quero falar um pouquinho sobre isso. Por isso, te convido a assistir o vídeo abaixo, onde a conversa é “olho no olho”. Mas caso você não possa assistir um vídeo nesse momento, logo abaixo tem uma versão de tudo que eu disse em texto. Vem comigo!

Se inscreva no nosso canal para ver os 6 vídeos que publicamos toda semana!

Autoestima, inseguranças e as cobranças que a gente impõe aos outros

Quero propor um desafio para você. Mas antes de tudo, me diz ai, o que você não gosta no seu corpo e o que você já deixou de fazer por causa disso? Anota ai num papel que, enquanto isso, vou dar um exemplo de algo meu por aqui.

Eu nunca gostei do tamanho do meu quadril, dos culotes e das minhas celulites e já deixei de ir para a praia e para a piscina com vergonha do que as pessoas iriam pensar de mim. Triste isso, né? Deixei de aproveitar um baita dia lindo de verão me esbaldando na piscina por vergonha do meu corpo. Agora que você também fez o mesmo, me conta, você sabe me dizer porque se sente assim?

Eu acho que tenho vergonha do meu quadril e das celulites porque me comparo com as outras mulheres. Acho que todo mundo é mais preocupada com a balança que eu, vai na academia todo dia, come salada em todas as refeições e gasta horrores em tratamentos estéticos para ficar com o “corpo de verão”. Como não sou assim, me acho desleixada e fora desse padrão do que é bonito. Em algumas situações preferia ficar em casa, do que exibir as celulites na frente de todo mundo e ser julgada pelo meu corpo.

Isso também é bem triste, e aposto aqui com meus botões que você tem uma justificativa parecida com a minha, ou pelo menos algo próximo disso, acertei?

Contando essa minha história, garanto que você pensou ai com seus botões “mas nossa, a Sabrina é tão legal, tão gente boa, tem um olhos tão lindos e fica ai deixando de aproveitar dias quentes por vergonha de usar biquini, que besteira!”

Pois eu certamente pensaria o mesmo de você se me contasse uma história parecida. Eu te diria tudo de mais legal que enxergo em você e te diria que é uma bobagem deixar de fazer algo x por causa de Y.

Mas porque será que eu, você e aposto que todas as mulheres que estão lendo este texto agora temos histórias tão parecidas? Porque será que todas nós nos sentimos mais ou menos da mesma forma?

Porque o mundo, nossa história, nossos relacionamentos, a televisão, a internet, a sociedade e tudo mais esperam que a gente seja perfeita. Que a gente se encaixe num padrão de beleza formatadinho por padrões europeus e que, se a gente não é de tal jeito, não está bom. E vou te dizer que até nos mesmas impomos isso pra gente. Que droga, né?

Somos um exército de mulheres infelizes com isso ou aquilo nos nossos corpos. E como já falei por aqui uma vez, a gente já tem tanta carga pra carregar, é aluguel pra pagar, condomínio que tá vencendo, as crianças que estão com febre, o carro que está vazando óleo, a sogra que tá doente e foi pro hospital, o emprego que tá capengando, a vaga no concurso que está difícil de conseguir e por ai vai. É uma porcaria a gente ter que ainda carregar o peso de ser linda, alta, magra, sarada, saudável, fitness, marombada, trincada, de cabelos sedosos, pele de pêssego, cheirosa, sem estria, sem celulites e a coisa toda. Canso só de pensar.

Mas como faz para mudar isso? Como faz para tirar um pouco desse peso das nossas costas? Nem que seja um pouquinho só? Minha resposta é MUDANDO O MUNDO E O JEITO QUE A GENTE PENSA! Mas opa, um pouquinho difícil né? Por isso, queria propor o desafio que comentei lá em cima.

No canal do Coisas de Diva somos um pouco mais de 70 mil pessoas, nas outras redes, chegamos a uns 130 mil pessoas. Não é o mundo todo, mas rapaz, já é uma fatia boa de gente, né não? Eu acho, pelo menos.

Por isso, queria propor o desafio pra essa bolha linda cor de rosa que é a comunidade de leitoras do Coisas de Diva. Vamos nos ajudar? Vamos tentar tirar um tiquinho do peso que é essa cobrança da beleza e do corpo ideal? Bora?

Tenho dois pedidos. O primeiro de todos é: escolha uma insegurança que você tem com seu corpo para abrir mão. Desencanar mesmo e tacar o foda-se. Por exemplo, eu vou tacar o foda-se e parar de deixar de fazer coisas por vergonha das minhas celulites. Deixo aqui meu compromisso lavrado, assinado e carimbado no cartório. Nunca mais vou deixar de aproveitar algo bacana por vergonha de usar biquini ou shorts curto. Agora você precisa fazer seu compromisso ai, tem que abrir mão de algo. Pode ser uma coisinha só, fechado?

Agora vem a parte mais difícil, quero propor a você que não critique outra mulher pelo corpo, aparência ou escolha de roupa dela. Se a gente não quer que julguem a gente por nosso corpo, precisamos deixar de fazer isso com as outras, não é?

É difícil, mas gostaria de pedir do fundo do meu coração para que você segure a língua e os dedinhos na hora de comentar onde a fulana pensa que vai com um shorts daquele. Eu posso te dizer que é difícil de fazer isso pois estou nesse exercício faz muito tempo. Estou a alguns anos enfiando dentro da minha cabeça que cada pessoa tem o direito de ser, fazer e usar o que quiser e ainda me pego na rua julgando a menina da saia curta. Dá até uma baita vergonha quando me vejo tendo esse tipo de pensamento.

Portanto, não peço que você pare de pensar dessa forma, porque esse é um exercício complicado. Mas peço, de coração, para que a vida de todas nós seja melhor, não fale e não escreva críticas à aparência de outra mulher. E se for possível, troque a crítica por elogios.

A gente não tem o costume de elogiar, mas sempre que você achar algo bonito em alguém ou curtir algo que ela estiver usando, fale. Mas só quando sentir isso de verdade. Vamos nós, as leitoras do blog, tentar fazer do mundo um lugar melhor pra gente viver? É só um pedacinho, um passinho pequeno, mas sinto que a gente pode sim, tenho certeza, fazer essa pecinha pequena da engrenagem começar a girar.

Vamo? Então vamo.

Ah, vale dizer que não estou dizendo tudo isso para ganhar elogios. Até ficarei chateada se tudo isso for entendido dessa forma. Estou aqui porque vejo comentários muito maldosos em outros canais, para outras pessoas e no Instagram de mulheres incríveis e me dói no coração que a gente faça isso, tanto com os outros, como com nós mesmas. Acho que a gente pode sim fazer dessa nossa comunidade um lugar melhor.

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
42 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

A gente sempre tenta falar por aqui sobre autoestima e como precisamos nos sentir bem dentro da nossa própria pele. Mas eu mesma acho bem difícil seguir isso as vezes. Parece até uma bronca, né? “Você tem que se amar!”, mas de vez em quando bate aquela dúvida de como faz isso? Como começar esse processo? Como mudar tudo aquilo que a gente tem dentro da cabeça desde sempre?

Tenho a fórmula secreta? Não tenho, não. Mas ler algumas coisas de quem pensa como a gente, ou que tem um entendimento melhor sobre esse processo, é uma boa forma de ganhar um empurrãozinho extra. Vem comigo que te indico alguns textos para você ler.

Sobre defeitos e autoestima

Começo as indicações de um post escrito por mim mesma, lá em 2011, num lapso de lucidez e que até hoje diz tudo o que eu sinto sobre “defeitinhos” e  que isso acarreta na nossa imagem.

“E quer saber? Sou mais que isso. Tenho cicatriz no rosto, tenho celulite nas pernas, estou acima do peso, meu cabelo é muito fino. Mas por outro lado sou educada, inteligente, responsável, confiável, divertida, ótima amiga, boa profissional. Quando alguém falar de mim pode até citar o fato de ter o rosto marcado, mas além disso vai lembrar de quem eu sou e do sorriso que tenho.”

Namore você mesma

Um texto da equipe do Modices falando um pouco sobre o amor próprio, ressaltando como é difícil conseguir isso e dando algumas dicas para começar esse novo passo em relação a se gostar mais.

“Mas não, não é fácil. O amor próprio é importante, mas não é fácil. Não é fácil amar cada canto do nosso corpo ou cada aspecto torto da nossa personalidade. Não é fácil amar o cabelo em dias de frizz ou a opinião mal colocada na reunião de trabalho. Não é fácil amar a cara inchada ao acordar ou o inglês mal falado.”

Sou gorda e não me amo

Nesse texto Alexandra Gurgel dá 9 dicas legais para começar o processo de autoamor. Também vale muito a pena ver a séries de vídeos que ele fez chamado Maratona do Amor Próprio.

Amor próprio não acontece à primeira vista

Continuando, um texto da jornalista Paula Maria que fala um pouquinho sobre amor próprio e estar sozinha. Bem poderia ter sido escrito por mim mesma.

“Não existe uma fórmula mágica pra aprender a se amar. Amor próprio não acontece à primeira vista, não se concretiza de um dia pro outro. Trata-se de um processo meio árduo e, por vezes, demorado, mas, ainda assim, inegavelmente necessário.”

É só um cropped e eu posso usar!

Um post da Ana Luiza escrito no Futi e que dá aquele exemplo pra gente parar de ficar colocando caraminholas na cabeça e começar a ser mais livre.

Bom final de semana e TAMO JUNTO!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
16 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

A gente vive falando por aqui que é para você usar o que bem quiser e se amar do jeito que é, não é verdade? Na teoria nós sabemos de tudo isso ai, mas na prática, a coisa complica.

Quando era criança, era bem desencanada com essas coisas de beleza, queria mais era brincar e pouco me importava com vestidos e maquiagens. Só comecei a me interessar por isso já maiorzinha, adolescente, que foi quando me interessei mais por batons, máscaras e shampoos e também pela minha própria imagem. Te contar que nesse época, eu era bem feliz comigo mesma, não enxergava defeitos físicos e me aceitava muito bem.

Só fiquei mais encanada comigo mesma lá por volta dos 20 anos, quando comecei a me comparar com as outras meninas, com as modelos de revista, e achar que estava lotada de defeitos e que nunca seria boa o suficiente. Cheguei a ter vergonha de me olhar no espelho se tivesse mais alguma menina do meu lado, acredita nisso? Eu tinha vergonha de quem eu era.

Foto: Rodolfo Corradin

Aposto que lendo tudo isso você pensa “meu Deus, mas que bobagem, você não tinha porque se sentir assim!”. Tenho praticamente 100% de certeza que não tinha mesmo, e vendo minhas fotos, rapaz, eu era um piteuzão. Mas naquela época, não tinha Cristo que me fizesse pensar de forma diferente, podia acontecer o que fosse, e quem quer que falasse, minha ideia de inadequação não saia da cabeça e foi assim por muito anos. Te contar que era triste e difícil, por mais que me arrumasse e me esforçasse para parecer bem, sempre via alguém cheia de defeitos no espelho.

Hoje mais adulta e mais madura, estou superando essa visão torta de mim mesma, mas é um processo longo e díficil. Hoje consigo entender um pouco mais dessa visão de mim mesma, entendo porque me sentia daquela forma e já consigo fazer um esforço para ver as coisas de um jeito diferente. Mas minha lista de coisas físicas que gosto em mim é bem menor do que a lista das coisas que não gosto. Da onde que a gente tira isso, né?

Se pudesse, gostaria de voltar no tempo e abraçar a Sabrina de 20 anos e dizer “menina, você não tem noção de como é maravilhosa!”.Queria eu mesma poder dizer isso e me lembrar de todas as coisas sensacionais que a vida me reservou. Teria vivido tão melhor, tão mais desencanada e tão mais feliz. 🙂 Não digo que aquilo tudo foi bobagem, porque me marcou muito, mas eu tentaria fazer a jovem se ver de outo jeito.

Contei toda essa história porque tenho certeza que tem gente que se identifica com a Sabrina de 20 anos, que não consegue ver coisas positivas em si mesma. E para essas pessoas, digo de coração, você é sensacional, você é maravilhosa, você é uma lutadora! Se abrace menina e seja tão carinhosa com você como você seria com uma amiga. Tenha compaixão por você como você tem por qualquer pessoa próxima a você.

Se uma amiga te falasse tudo isso, tenho certeza que você tentaria animá-la mostrando todos os pontos positivos dela, não é? Pois então, seja essa amiga para você mesma. E se tudo isso for muito difícil, recomendo até um tratamento com psicólogo. Eu queria que tivesse essa ajuda de um profissional naquele momento que tinha vergonha de mim, acho que as coisas teriam sido melhores.

Para não ficar só no blábláblá, fazer uma lista com todas as suas qualidades, não só as físicas, é uma boa forma de começar a se ver de um jeito diferente. Valorize o que você tem! <3

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
39 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários