Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Ontem estava bem procrastinadora rolando minha timeline do Facebook quando me deparo com o seguinte vídeo, postado no canal da Jout Jout Prazer:

Não sabe de quem estou falando? Não tem problema, eu contextualizo. A Jout Jout criou um canal no Youtube em 2014 para falar de coisas da vida (sempre muito pertinentes, aliás). O Caio era namorado dela e SEMPRE estava ajudando nos vídeos, comentando uma coisa ou outra, criando junto. A parceria dos dois era uma coisa linda de se ver!

Minha primeira reação foi, claro, de puro choque. “QUE ANINHO, HEIN”, pensei. Mas aí, passado o sentimento repentino, assisti novamente ao vídeo e me pus a pensar. A verdade é que esse fato pode ensinar muita coisa para mim, para você, para todas nós.

Vamos começar pelo fato de que, diferentemente de 99,9% da população, Jout Jout e Caio estavam expostos na internet. Não porque queriam mostrar ao mundo que tinham um relacionamento perfeito, que eram os companheiros ideais ou que o amor deles era o mais sensacional já visto. Mas porque um dava a mão pro outro e fazia acontecer – e isso acabava sendo registrado.

Os limites sobre eles “deverem” uma explicação ao público são muito tênues. Afinal, até que ponto as pessoas têm direito de cobrar um parecer sobre algo que aconteceu, em maior parte de tempo, no ambiente particular? Mas os dois trouxeram algo imbatível: a verdade.

O anúncio do término foi encarado com tamanha maturidade e clareza que é impossível não tirar uma boa lição para nossos relacionamentos privados, longe das câmeras e dos olhos de milhões de pessoas.

jout jout e caio terminaram

Quando a Jout Jout diz que temos que parar de sempre associar término a fracasso, ela está nos lembrando de algo muito importante. O fim de um relacionamento não significa que tudo o que aconteceu foi em vão, mas que participamos de algo que transformou duas pessoas.

Quanto do outro carregamos vida afora? Eu acredito que aquilo que de mais importante ele nos ensinou – na alegria e na tristeza, inclusive. Sublimar o término com o sentimento de vivência é uma coisa linda, que pessoalmente já experimentei nos meus relacionamentos anteriores. O caminho para esse entendimento não foi fácil, mas hoje vejo tudo com outros olhos, parecidos com os de Jout Jout e Caio.

Lidar com a impermanência da vida é um grande sinal de evolução. É preciso saber – e aceitar – que ela nos dá e ela nos tira, mas sempre com um propósito maior: o de aprender. Que a gente possa olhar para nossos ex (namorados, namoradas, amigos, amigas, chefes, vizinhos, vizinhas…) com a certeza de que eles permaneceram conosco pelo tempo exato que deveriam ficar. <3

Nesse fim de ano, estou com a cabeça meio virada. Bateu o cansaço. Por isso, diminuí o ritmo de resenhas e resolvi fazer mais reflexões, coisas que passam pela minha mente e sinto que preciso dividir. Em 2017, as análises de cosméticos voltam com tudo, eu prometo!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
27 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários
Nos conte o que tem a dizer

Para usar avatar, cadastre-se com seu email em gravatar.com
O que nossas divas já nos disseram
  1. Luciana

    Quando o relacionamento termina com respeito, acredito que dá pra olhar com carinho pra história que se viveu. Mas quando acontece o oposto, por mais que tenhamos aprendido alguma lição, é inevitável, pra mim, sentir arrependimento ou desprezo. Meu último namoro terminou com traições e humilhações e isso anulou completamente tudo de bom que foi vivido.

    • Marcia

      Puxa Luciana, eu sinto muito. Concordo com você, infelizmente, há relacionamentos que não se pode dizer que foram felizes por existir. Vivi um relacionamento abusivo e olha… felicidade mesmo, foi depois do término, quando percebi que não precisava me diminuir para ser amada por ninguém. Achei dois amores bonitos depois disso, um por mim mesma, que sempre é uma batalha, e um por um companheiro que está comigo nas horas mais impossíveis e também nos momentos de planos futuros. Espero que você também encontre grandes amores e seja muito feliz, ninguém, especialmente você, merece menos. E que venha um 2017 melhor para todas nós.

  2. Simone

    Não tem problema Thais, esta época é otima para reflexões mesmo!!!! =)
    Compartilha com a gente os pensamentos!!!

    • Danubia

      Ultimamente até gosto mais de reflexoes do que de resenhas, quando tiver algum pensamento compartilha com a gente 🙂

    • Obrigada, meninas <3

  3. Arashi

    Quando apenas li a notícia (e minha amiga ainda me chama no whats: “viu isso???”), também pensei que 2016 está sendo um aninho pra lá de difícil. Mas depois, ao ver o vídeo dela, deu aquele aperto… Ao mesmo tempo: “meu deus, essa mulher é incrível mesmo com um assunto tão delicado?”, soprou o meu ceticismo.
    Enfim, como em muitos dos seus vídeos, ela nos passa umas sacadas que, apesar de estarem bem lá na nossa cara, deixamos passar batido.
    Não deve ter sido e não deve ser fácil toda a atenção repentina, a mudança de carreira e de cidade. Se é real ou não, só sei que Jout Jout mostra como fazer dos limões limonada, mousse, raspadinha e por aí vai…

  4. Quando vi também fiquei chocada… mas depois num segundo momento vi que tudo é aprendizado e que se eles (que são os envolvidos) estão bem, então todo mundo fica bem…

    Como diz a Jout Jout: Tá bem? Então tá bem!

  5. Luna

    Esse post foi a gota d’água que faltava para a minha resolução da não seguir mais blogs. Desejo felicidades e um bom ano às três. Não se ofendam, mas qual é a relevância disso?

    • Se não vê relevância em refletir sobre assuntos pelos quais todo mundo passa e se considera pronta para a vida, fico imensamente feliz por não precisar desse tipo de conteúdo. Um bom ano para você também!

  6. Marina Fuess

    Thaís sua linda! <3

    Tem relacionamento que termina muito mal, mas acho que é grande sinal de amadurecimento e crescimento pessoal quando conseguimos perdoar quem nos machucou e crescer.
    Espero que cada vez mais as pessoas vejam relacionamentos (e seus términos) como você

  7. Eu nao acompanho o trabalho dela, e fui conhecer agora com o termino do namoro acredita?
    Mais super valido seu texto
    beijos

  8. Lívia Bonilha Bonassi

    Ótima reflexão, Thais.
    É igual quando a gente justifica o fim de um relacionamento de anos dizendo: “ah, não deu certo”. Mas, meu amigo, e o tempo que passaram juntos? Deu muito certo, sim, senhor. Como você disse, deu certo pelo tempo que tinha que dar.
    Um beijo!

  9. Mariana Penna

    Só de ver o título, eu já sabia que era post seu.
    Hj consigo ver o término dessa forma. Acabei de tomar um pé na bunda (bunda ainda ta quente), e tô descrente de conhecer alguém novamente. Eu estava muito bem (muito bem messsssmooo) antes de conhece-lo. Me permitir arriscar e ficar agora chorando, me fez crer que vou embebedar um amigo gay e criar o filho sozinha. Prefiro mil vezes ficar só do que arriscar passar por essa dor novamente. Bjuss e boas festas.

    • Tatiana

      poxa, Mariana, mas essa dor vai passar. força!
      lembro de um dia específico (31 de dezembro de 2011, p’ra ser precisa) no qual achei que, literalmente, morreria de dor de amor. e senti pena dos meus pais encontrando apenas o corpo e nenhuma explicação p’r’o falecimento. ‘tou digitando e rindo pois drama queen, mas foi exatamente o que senti – o coração sendo arrancado do peito. e agora ‘tou aqui te contando isso. o amor tem dessas, mas ainda penso que vale a pena.
      que seu novo ano seja bem bonito!

    • Vanessa

      Nossa, Mariana… sei exatamente como é essa sensação de “não quero conhecer mais niguém”. Esse ano de 2016 foi extremamente complicado e dificil pra mim mas finalmente estou melhorando a cada dia. Tenho dias de recaídas, que passo o dia lembrando e chorando mas no geral eu to indo bem. A questao é viver um da de cada vez, ter gratidão pelo que se tem no momento e deixar que o universo e a vida façam a sua parte!!

    • Mariana Penna

      Obrigada Meninas. Honestamente eu não to descrente do amor. Eu ainda acredito. Mas não quero mais me arriscar entende? Tinha esse pensamento antes dele e achei que valia a pena. Foi lindo o que tivemos, mas nada vale a minha paz. A paz que eu tinha antes de conhece-lo não tem preço. Mas um dia de cada vez. Sei que o luto faz parte e logo fico bem! Um beijo e boas festas!

    • Meninas, é natural a gente querer se fechar para novas possibilidades e viver a dor do luto de um término. Mas lembrem-se de que nada dura para sempre! Desejo que essas feridinhas se curem com um tempo que será precioso para vocês e que, se assim desejarem em seus corações, tenham muita luz para partir para outra! <3

  10. Ma SP

    Nem sei quem são esses dois, na verdade nunca ouvi falar. Que bom que explicou! rs

  11. Marcia Daniella

    O vídeo foi muito bonito e cheio de vibe positiva. Foi bom, mas se não dá mais tem que ser “vida que segue”

  12. Maíra S.

    Impermanência é a palavra! Quero aprender mais sobre ela em 2017. Entender que as situações (boas e ruins) são transitórias e que esse é o fluxo natural da vida. Não se apegar a pessoas, coisas e planos e ao mesmo tempo absorver a importância de cada uma das vivências que tivermos. E entender que somos fortes e capazes para lidar com o que vier. Vamos pensar mais sobre isso no que começa, Thaís? Adoro suas reflexões!

    • Belíssimas palavras, Maíra! Essa é uma meta de vida minha também. <3

  13. Miriã Andrade

    Adoro os pensamentos e emoções compartilhadas, muitas vezes cabem certinho para nós e com o que estamos lidando e sentindo! <3

  14. Mara

    Perfeito o vídeo! Todo mundo tem mania de comentar quando alguém termina um relacionamento “ah que pena que não deu certo!”. Mas como assim, deu certo sim, deu certo por x tempo, só não durou a vida toda ué, mas isso não quer dizer que não tenha dado certo! 😉