Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Esses dias aí fui fazer um post e precisei colocar um dos primeiros vídeos que fiz para o blog. Assisti de novo, quase com aqueles olhos de primeira vez, e pensei: “caramba, como eu tava gata naquela época!”. Desse jeito mesmo, sem falsa modéstia, mas também cheia de saudosismo por um tempo que passou e eu não soube aproveitar (calma, logo vou explicar por quê esse sentimento não vale a pena).

E aí, refletindo sobre isso, fiquei pensando que a vida parece acontecer sempre nesse looping maluco. Não sei como é para você, mas me pego constantemente olhando fotos antigas e pensando: “nossa, eu tava ótima nesse dia, por que é que me criticava tanto?”. E vejo que isso não acontece só comigo – quantas amigas eu vi fazendo exatamente a mesma coisa? Tantas que nem cabem nos dedos.

A grande questão, ao que me parece, é que a gente simplesmente não está se enxergando. Nem ontem, nem hoje e, infelizmente, talvez nem amanhã. E esse ciclo precisa parar. A vida não é feita pra ninguém se achar uma porcaria num dia (ou todo dia) e, anos depois, pensar – “que besteira, não é que tava linda?”. A vida é feita pra gente se amar hoje. Pra gente não pegar pesado consigo mesma nesse minuto. Pra gente ver o que tem de bom agora.

autoimagem

Parece um discurso poético e idealista, mas é uma batalha que eu e você precisamos travar. A autoimagem é uma coisa super séria e que muda muito a forma como a gente se relaciona com o mundo. Melhorá-la é um esforço diário e, como eu sempre digo, acontece em looping também: de dentro para fora e – por que não? – de fora para dentro.

E quando digo de fora não é a aceitação que a gente pensa que o mundo precisa dar. Todas nós sabemos que esse blog é sobre beleza, mas não aquela “ideal” (se pudesse, colocaria um milhão de aspas nessa palavra) que a sociedade, a mídia e sei lá mais quem inventou. Essa palavra, no nosso dicionário, não existe: falamos da beleza que podemos ter com mais respeito ao nosso momento de vida, corpo, estilo, possibilidades…

Dá trabalho se olhar todo dia no espelho e se gostar. Eu sei como é isso faz 29 anos. Quantas fases de ódio a mim mesma já passei e depois me arrependi de ter tido porque na real estava muito bem? Muitas mesmo. É um desafio e tanto isso aí. Mas, quer saber? Tenho tentado de coração parar com essa besteira. Afinal de contas, até que parte da minha vida vou ficar olhando com saudade do que fui (e achava que não era) sem perceber que hoje também pode ser um dia que será visto daqui a muitos anos com aquela nostalgia triste?

Então, o que desejo pra mim e pra você nessa segunda-feira é: vamos nos olhar com mais carinho? <3

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
58 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários
Nos conte o que tem a dizer

Para usar avatar, cadastre-se com seu email em gravatar.com
O que nossas divas já nos disseram
  1. Veronica F.

    Exato! Eu tive essa revelação lá pelos 30, olhando fotos de qdo tinha uns 25 anos e me achava muito gorda e muito magra (gorda na barriga, magra em todo o resto) e detestava meu corpo. Aí tive 2 filhas, minha barriga embarangou e eu vi o que é de fato uma ‘barriga questionável’ hahaha. Agora fiz plástica pq parecia eternamente com umas 24 semanas de gravidez e cansei de responder à pergunta ‘é pra quando o nenê?’ com um ‘ih, já nasceu há 6 anos’. Agora eu me acho A GATA! Fico me olhando nos espelhos do pilates, toda alongada e forte, e fico ba-ba-ndo! Não tenho nem perto da ‘beleza padrão’ de qdo tinha 25 e me achava feia haha, guria, beleza é como dinheiro: psicológica!

  2. Izabela

    Me vi no seu texto. Dia desses fui marcada numa publicação antiga de facebook de uma amiga, na beira da praia. Me vi na foto e me achei tão bonita, me vi até magra demais, coisa que na época achava um abuso, me achava gorda, com barriga fora do padrão revista, me escondia na canga! Depois disso comecei a tentar me olhar com mais gentileza e carinho, afinal, daqui 5 anos quero ver as novas fotos sem pensar como eu era boba, mas pensando como eu me aproveitei e aproveitei mais cada momento sem preocupações bobas. Adorei muito seu texto Taís, que forma linda de começar a semana!

  3. Raiane

    TUDO, exatamente tudo que eu precisava ler hoje!!!

  4. Fran

    Me identifiquei demais! Vi uma foto minha de 5 anos atrás e pensei: “Nossa, olha a minha pele limpa e minha sobrancelha bem desenhada…E eu me achava já me achava feia nessa época!”
    Estou passando por uma fase muito ruim na minha vida, infelizmente: nada dá certo, parece que eu não me encaixo em lugar nenhum, estou extremamente desconfortável na minha própria pele…E isso inclui (e muito) minha aparência.
    Sempre tive baixa estima, desde que me conheço por gente.Sempre me achei feia, burra, chata, etc…Sempre me preocupei com o que os outros achavam de mim e sempre me senti julgada o tempo todo, por todo mundo.E hoje, com 28 anos, eu vejo o estrago que isso fez na minha vida.Essa questão da auto estima não é de jeito nenhum bobagem, é importantíssima.Se você não se ama e não “cabe” direto na sua própria pele, não chega á lugar nenhum.Não constrói bons relacionamentos, não tem estímulo pra batalhar pelo que quer, nem se divertir direito você consegue.Eu bem sei de tudo isso.
    Acho ótimo toda essa campanha que vocês fazem aqui no blog pela auto aceitação.Eu tô tentando, mas olha, tá difícil.Espero não perder muito tempo me sentindo desse jeito ainda, porque já perdi demais até agora.Boa sorte pra todas nós nessa batalha! 😉

  5. Larissa Gutierres

    Thais, é oficial: te amo! hahahaha
    Era tudo que eu precisava ler e trabalhar dentro de mim.

  6. Juliana Gama

    Ótimo texto, Thaís! Temos que nos amar todo dia!

  7. Nicolle

    Respondendo o post com ctrl c + ctrl v:
    – me achava gorda 2;
    – me vejo bem melhor nos espelhos do pilates 2 (falando nisso, oh exercício abençoado, gente! Amo e achei algo que não enjoa, é desafiador a cada aula);
    – me vi no seu texto 2;
    – foto antiga na praia e ver que sim, eu era bonita e não estava gorda cono imaginava 2;
    – adorei seu texto, Thaís 2.
    Resumindo, mulher: eita bichinho complicado! Kkkkkkkk
    Beijos

  8. ROSANE

    IDENTIFICAÇAO TOTAL!BJS

  9. Vick

    Ai, Thais! VEMK! S’erio, nao ‘e a primeira vez que vou falar que voce ‘e a melhor pessoa hahaha na real voces tres! <3

  10. Me identifiquei muuuuito kkkkk Também senti isso esses dias “Nossa, como eu estava bonita nesse dia!” e naquele dia eu não tava me achando legal. Que bobeira né!! Temos que aproveitar o melhor que somos em cada dia, sem julgamentos!

    http://www.simpleness.com.br

  11. Carol Rossetto

    Amei esse texto… e é isso que adoro em vcs… A sinceridade de mostrar que são mulheres reais, com os problemas e neuras que todas nós temos… por favor, não mudem nunca!!
    Bjos

  12. Jéssica Hüttener

    Thaís!! Você escreveu a história da minha vida! Hahahaha

  13. Priscilla Caetano

    Tudo o que precisava ler pra começar a minha semana!
    Texto que traduz exatamento o que venho sentindo ultimamente…

    Beijos.

  14. Liv

    Eu constatei isso esses dias… que peguei uma foto minha de 5 anos atrás e me achei linda, radiante e magra! (Coisa essa que, naquela época, nunca diria a minha mesma!)
    E fiz essa mesma reflexão.
    Não digo que já me amo todos os dias… mas o peso dos quilinhos que ganhei nos ultimos 5 anos, definitivamente tá mais leve!
    Engordei? Engordei! fazer o que? Comer direito, fazer exercício… mas os quilinhos não tem me impedido de sair pra balada, paquerar, ir pra praia, etc… acho que tô aprendendo a conviver comigo mesma. E te agradeço, pq esse post só reforçou que tô no caminho certo!
    Obrigada Thais! <3

  15. Priscila

    É tão difícil mudar isso, não é?
    Eu sou cheia de me criticar, e aí penso: ah, já estou feia mesmo, não vou para a academia, não vou fazer a unha, etc…quando na verdade estamos ótimas, às vezes só precisamos enxergar isso e valorizar cada vez mais o que temos.

  16. Nayama Ferreira

    Quando li o título do post não acreditei rsrsrss…. Estava aqui no pc excluindo umas pastas antigas quando me deparei com umas fotos antigas e pensei a mesma coisa: “Nossa eu tava tão bem” e me perguntei porque eu não achava isso na época. São tempos que não voltam, mas o que dá é pra aproveitar o agora e parar de se cobrar tanto pq provavelmente daqui uns anos pensaremos da mesma forma. Mas Thais, olho e olho nas fotos e vídeos seus e fico pensando: “Onde será que ela vê defeito???”. Vc é linda moça!!!!!!

  17. Maíra S.

    Boa a definição de looping, Thaís… Para mim é o contrário. Me sinto bem hoje, mas passei a adolescência e boa parte da vida adulta me achando feia, gorda e desinteressante. Hoje olho as fotos e vejo que não era nada disso, só tentava desesperadamente atingir um “padrão de beleza” que simplesmente é inatingível. E na verdade nem mudei tanto! Tenho aprendido muito com o feminismo moderno, que se esforça para defender a sororidade entre as mulheres. Quando deixamos de julgar a moça do lado, fica muito mais fácil ter carinho pela moça no espelho. E claro que se cuidar também ajuda, sem neuras, sem objetivos estratosféricos. E nesse quesito, o Coisas de Diva é muito empoderador! Me sinto livre para escolher quais “dicas” sigo porque aqui não há doutrinação e nem “tem que”. Vamos, aos poucos, achando nosso caminho!

  18. Sacha

    Super me identifico. Do começo ao fim do texto pensei: eu, eu, já fiz isso, sou assim.
    Que coisa complicada isso hein!
    Esse é um exercício que tenho que fazer todos os dias, parar e não me colocar para baixo

  19. Entendo esse sentimento mas devo confessar que me pego pensando sempre que esse momento que estou vivendo é que é o meu melhor momento. Além, é claro, de ser o momento em que as possibilidades e opções estão fresquinhas aqui na minha frente. Não gostei? posso ir lá e fazer diferente, agora, sem esperar. Demorei a entender, mas não fico mais saudosa dos quilos e anos a menos que eu tinha aos 16… Vai por mim: depois de muito sofrer e tentar, a gente consegue entender melhor essa maravilha que é ser o que somos.
    Um beijo e obrigada por trazer essa reflexão pra gente <3

  20. Márcia Daniella

    Já me senti assim tantas vezes. E realmente a gente percebe anos depois que era só caraminhola da nossa cabeça. É muito difícil a gente se enxergar sem olhos críticos. Eu ainda estou tentando aprender a ser mais condescendente comigo mesma.

  21. Francielle Kistner

    E daí entramos naquela famosa frase: “Mulher nunca tá satisfeita com nada…” huahuah.. Verdade, sempre dá pra melhorar, ou fomos melhores, ou isso, ou aquilo. Se achar 100% é algo que não existe. Sempre sobra ou falta algo, agora, antes ou daqui pra frente.
    Bom texto Thaís. Realmente, aceitar-se mais e parar de viver preocupações é algo bem complicado.

  22. Renata

    Precisamos sempre parar pra refletir e principalmente nos amar…do jeito que somos! viver a vida sem muita preocupação com a opinião dos outros!

  23. Polyana

    Lindo post, Thais. 🙂
    A maioria das mulheres não estão satisfeitas com a própria imagem. Sempre arrumando o que mudar, no que mexer… se o cabelo ta assim, preferia assado, se ta magra quer engordar, se está gorda, quer emagrecer e assim vai. Quando paramos pra pensar, é que percebemos, como perdemos tempo com coisas, que nem têm tanta importância 🙂

    • Polyana

      Ahh e não é bajulando você, não. Mas você é linda 🙂 Aliás, as três divas são: você, a Sá e a Marina 🙂

  24. Vira e mexe quando olho fotos antigas eu sinto a mesma coisa! Ótima reflexão, adorei o post 😉

  25. Adorei seu post e super me identifiquei!

  26. Ana

    Adorei! Ótimo texto! E bem por ai mesmo

  27. Linda reflexao, Thais!

  28. Marília

    Vocês, como sempre, ~ownando~ os textos de reflexão voltado pro amor próprio e “aceitação”. Obrigada por isso. É como se fosse um lembrete vez ou outra de que “Ei, você é linda do seu jeito!”. Beijos

  29. Fernanda Gabriela

    Thais, parabéns pelo texto mais uma vez. Eu acho que uma das grandes graças da vida (nem sempre engraçadas) são as mudanças. Sim! É estar magra, gordinha, loira, morena, bronzeada, descabelada, princesa e etc. Tudo é passageiro… Nenhum corpo, nenhum cabelo, nada é eterno, mas, enquanto estivermos aqui nessa Terra uma coisa é para sempre: seremos sempre nós mesmos e é bom gostar de ser essa pessoa. E melhor ainda buscando melhorar sempre. Todos os dias… Daí, eu acho que vamos sempre olhar para trás e dizer: credo como eu era feiaaa. Rsrsrs Brincadeira, gente!
    Sem piração, apenas aceitação. Quem disse que engordar não pode nos fazer ainda mais lindas e interessantes? Conheço mulheres que a vida deu uma BELA guinada em fases em que elas estavam beeeem cheinhas e isso as fez muitooo poderosas. Logo, físico é só um plus, um mero detalhe nessa vida de tanta magia.
    Bjs a todas!

  30. Ana Carolina Santos

    Thaís, cê tá demais nesses textos. Vou me juntar ao coro e falar: Tudo que eu precisava ler. Com o tempo a gente percebe, mas nem sempre toma iniciativa pra sair desse lugar que nos colocamos, de avaliar o que passou e não o agora. Mas a gente vai aprendendo, claro, que com ajuda é bem melhor. Vamos nos enxergar como as lindas que nós já somos! E não como fomos ou seremos.

    Beijoos p. vc e p. as meninas 🙂

  31. Que legal Thaís, essa reflexão!!! Eu passei por um processo de emagrecimento, perdi muito peso mesmo, e me criticava TANTO quando eu era mais gordinha!!! Mas hoje vejo de uma forma tão diferente, apesar de preferir meu corpo agora, com mais saúde, mais ágil, eu vejo que era uma gordinha muito da simpática, lindinha, fiz fotos de modelo Plus Size e estava tão, mas tão bonitinha!!! Não precisava ter sido tão dura e ter sofrido tanto comigo mesma.

    Tenho um blog sobre emagrecimento, perdi 25 quilos depois de um pé na bunda e de perder o emprego, uma mudança radical na minha vida, sem remédio, sem dietas radicais, quem quiser visitar é http://www.marilianaopodeparar.wordpress.com

  32. Ana Matias

    Thais sua linda! É bem isso aí mesmo 🙂 e vale não só pra imagem, mas pra tudo! A gente sempre fica naquele de “como eu era feliz em tal tempo” e “como serei feliz quando x acontecer” e não é por aí. Muitas das coisas ruins ou não boas a gente apaga da memória e é daí essa sensação de que tudo era perfeito. Por essas e outras aprendi a admirar vc e a Marina (quando comecei a ler o blog láááá no início, eu só gostava da Sá! Hoje amo as três do mesmo jeito hahahaha). Confesso que fico mega empolgada quando assisto teus vídeos e percebo o jeitinho curitibano de ser e falar, me identifico com ele e acho lindo!

    • Ahhh, que fofinha! Fico bem feliz de ler isso. 🙂

  33. Bárbara

    Thais, mil vezes obrigada por escrever esse tipo de coisa. É disso que precisamos, de gente real que também não se vê “perfeita”. Quantas e quantas vezes não nos julgamos olhando no espelho ou na foto antiga, as com aceitação tudo mudo. Passamos a ver o nosso melhor!
    http://vidadecompras.blogspot.com.br/

  34. Vanessa

    É bem por aí mesmo…mas eu confesso que qdo olho as fotos antigas, penso a mesma coisa que agora “Sempre fui feia, normal” kkkkkkkkk

  35. Inês Ferreira

    Cada fase tem sua beleza, sua realidade. Aos 20… 30… Hoje com 48 (também me identifiquei com o texto) vi como já pensei tanta besteira sobre minha aparência. Mas, o que posso dizer dessa minha experiência é que a vida é muito curta pra gente ficar só pensando nisso. Se eu trocaria meus 4.8 pelos meus 18? Não! Minha vivência vale mais . Beijos a todas . Parabéns pelo texto e Fran, força.

    • Ah, que lindo ler isso! Quero ser assim também quando chegar aos 4.8, hahahaha! 🙂

  36. Ludja Silva

    Concordo, apoio, curti e estou nessa mesma vibração. Exageramos na auto crítica desnecessária e a vida passa nesta eterna insatisfação. A vida é preciosa. Bjs e parabéns pelo texto.

  37. Já tive uma grande parte da minha vida com auto estima muito ruim, me achava feia todos os dias, eram raríssimas as fotos que eu gostava, mas consegui trabalhar tudo isso e hoje em dia me acho linda e me admiro muito. Acho que a gente se admirar pelo que é também ajuda muito nesse processo. Várias pessoas que eu conheci na vida nem achava nada demais, conheci, vi que eram pessoas incríveis e hoje em dia as acho lindas. Isso vale com a gente também, embora a autocobrança seja bem maior que com os outros. Vc é linda Thais, sempre.
    http://www.issoaquiloetal.wordpress.com

  38. Heloisa Carvalho

    Nessa parte eu tenho que agradecer muito a minha mãe, pois ela sempre me ensinou a ter uma autoestima gigantesca! Rsrsr. Sempre que olho fotos antigas, consigo me apreciar, gosto do que vejo, mesmo que estivesse com uma roupa esquisita (mas que eu amava), um cabelo bagunçado (mas com um brilho divino), não consigo me ver pior. Tô sempre ótima! Hahaha. Me lembro bem quando pintei meu cabelo pela primeira vez e estava olhando umas fotos antigas com a minha mãe, daí (justo ela, que sempre me ensinou a me amar, sempre foi a que falou as coisas mais sem noção sobre minha aparência) solta:
    – Nossa, você tinha um cabelo tão lindo, tava tão linda, fica bem mais bonita natural.
    Eu respondi na lata:
    – Eu tava linda antes e tô linda agora! (Beijinho no ombro =*)
    Lembro de ver minha cunhada segurando o riso, ela sabe bem como sou…

    • hahahahaha, quem manda criar uma filha com a autoestima lá em cima, não é? 🙂

  39. Natália Mussato

    A proposta era começar a segunda de forma mais positiva, mas posso fazer isso na terça? haha xD

    Por isso eu amo esse blog! Isso, gente, beleza e sem frescura! *O* Quantas fotos eu excluí, quantas imagens bacanas eu não quis postar por medo do que diriam ou se ririam em suas casas. Uma que eu não poderia ver ninguém caçoando, outra que, TANTO FAZ SE RIU OU NÃO! Porque, o que realmente interessa, é amarmos a nós mesmos e sermos felizes com o que quisermos ser, seja com maquiagem diferente, uma roupa mais ousada, um corte de cabelo, quilinhos a mais ou a menos; vamos nos dar felicidade, porque ninguém será feliz por nós! E eu fico muito feliz em ver que o CDD trata o assunto beleza como complemento, uma extensão de ideias e gostos, não um comportamento. Vocês devem se orgulhar, meninas, pois estão ajudando a construir a autoestima de quem acessa. Faz isso comigo, certeza que faz com mais pessoas. Eu mesma não iria postar uma foto por ter me achado muito feia nela, mas estou vendo como isso é besteira: eu estou tão feliz na imagem, eu estava tão feliz na hora! Por que não eternizar esses momentos felizes? Eles com certeza são maiores do que a validade de uma maquiagem 😉

    Obrigada pelo texto, Thais! E obrigada, meninas, por serem profissionais tão incríveis! <3

    • Lagriminhas aqui, guria! Obrigada pelo carinho, é isso que move a gente sempre. <3

  40. Marina G.

    Me identifiquei muito com o post! Também já aconteceu comigo várias vezes de ver uma foto de uns anos atrás e pensar “como eu estava linda!”, sendo que na época me achava feia… Hoje, tenho tentado lidar melhor com a minha imagem, me olho no espelho e acho linda, mas ainda acontece de no dia seguinte me olhar e achar horrorosa…

    • E vamos parar que, só pela fotinho aqui do lado, dá pra ver que você é linda, menina! <3

  41. Denise Gouveia

    Falou tudo que sempre precisamos ouvir.
    Bjokas

  42. Roberta Martins

    Thais,como vai?
    Que texto é esse,menina?Tudo!!
    Beijos,
    Roberta.

  43. Miriã Andrade

    Realmente estou precisando me olhar com mais carinho mesmo, estou em uma fase que parecem que as coisas não estão legais e isso com certeza afeta a minha auto estima. Pode ser o stress, cansaço e tal, mas ando meio desanimada ultimamente. Amei o texto e é bem isso mesmo, inspiração total! 😉

    • Acho que é o cansaço de fim de ano… Espero que em 2016 suas energias sejam renovadas! 🙂

  44. Gabriela Ronchi Salomon

    Belo post, Thais! Também já aconteceu de eu ver fotos de alguns anos atrás e me achar bonita. Mas sabe que hoje eu estou me achando bonita também heheheheh. Se eu me achar feia, quem vai me achar bonita? Claro que há dias que nem ousamos nos olhar no espelho por conta da auto-estima, mas é muito satisfatório nós mesmas nos olharmos e nos sentirmos bem 😀

  45. Que lindo texto, Thais! <3

  46. Rafaela Guarnier

    Nossa, Thais! Parece telepatia: esses dias mesmo ainda estava pensando EXATAMENTE sobre isso!Comecei a me dar conta que sempre que eu olho alguma foto minha de alguns anos atrás eu penso: nossa, como eu tava bem de corpo, tava magra.
    E me lembro que na época da foto eu sempre me achava gorda, sempre tinha vergonha de botar um biquini ou ouvia comentários dos meus pais sobre ter engordado. E não, eu não estava gorda, assim como não estou hoje, apesar de estar beeem acima do peso. É uma cobrança que não tem fim! A gente precisa quebrar esse ciclo e romper com esse mito que de mulher é assim mesmo, ‘está sempre insatisfeita’. Não precisa ser assim.
    Beijo pra vocês três que são umas lindas!

  47. […] Sobre auto imagem e amor próprio – por Thais Marques […]