Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Dia desses vi um comentário assim: “tomara que isso continue na moda pra eu continuar usando sempre”. Fiquei pensando sobre o assunto.

Acho que o bacana da moda é que ela possibilite que a gente encontre nosso estilo. Uma forma de nos vestirmos, de nos sentirmos bem e bonita e que “comunique” quem somos. Penso que mais interessante do que estar na moda, é encontrar este estilo próprio. E não precisa ser um estilo super fashionista ou mega antenado, não! Apenas o nosso estilo.

Estilo próprio: não precisa estar na moda

Ana do Hoje vou Assim Off

Eu não sou uma pessoa fashion, mas hoje já sei o que gosto e o que não gosto. O que funciona no meu corpo e também o que faz eu me sentir estranha.

Demorei para me encontrar. Já passei pela fase gótica, pela patricinha, pirigueti,  e pelo “não sei o que comprar então vai camiseta e calça jeans mesmo”. Hoje percebo que gosto de roupas coloridas, mas que não chamem atenção demais. Não gosto de coisas justas, ultra decotadas ou que mostram muito uma parte do corpo. Não me sinto bem.

Audrey do Big or Not Big

Recentemente estou percebendo que já não gosto de coisas muito “menininha”. As marcas que costumava comprar já não andam me interessando mais. Notei que estou passando por uma transição na vida e meu estilo está mudando um pouquinho. Mesmo ainda sendo fãzona de vestidos e saias rodadas, tem algumas estampas e modelos que já não me identifico mais. Isso é ruim porque quando preciso de roupa, fico meio perdida. As lojas que costumava fazer a festa já não se encaixam mais com meu perfil e fico sem saber onde procurar coisas para mim. Da mesma forma, ainda não me identifico com roupas mais sérias ou mais ~~adequadas~~ a minha idade. Estou num momento perdida modisticamente.

 
Carla do Modices

 

Enfim, tudo isso é para dizer que acho que, mesmo perdida agora, tenho meu estilo e nem sempre me identifico com o que está na moda. Isso faz de mim uma pessoa mal vestida? Acho que não! Estou bem louca por um sutiã de tirinhas e acho que usarei o modelo eternamente com roupas com as costas decotadas. Mas passei reto pela moda das calças com listras verticais, lembra delas?

O bom da moda é poder pinçar o que o mercado nos oferece no momento. O bacana é escolher o que está em alta e se encaixa com nosso estilo e usar o item a nosso favor. A moda passou? Não faz mal, porque aquele item é nossa cara, se encaixa no que gostamos de usar. Qual o problema de continuar vestindo felizona algo que não está mais nas prateleiras mas que tem tudo a ver com a gente? Vamos nos permitir, amiga!

http://umanosemzara.blogspot.com.br/

Joanna do Um Ano Sem Zara

Leia também:  Reflexão – A beleza e o medo. Vale a pena!

E né, dinheiro ainda não está dando em árvore, então vamos fazer a grana investida render mais do que uma estação.

Para este post selecionei fotos de meninas que tem estilo próprio, que usam, sim, coisas que estão na moda no momento, mas que também tem estilo próprio, usando os itens de forma atemporal. Vale a pena ficar de olho nelas para servir de inspiração.

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
38 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários
Nos conte o que tem a dizer

Para usar avatar, cadastre-se com seu email em gravatar.com
O que nossas divas já nos disseram
  1. Juliana

    Ótima reflexão, Sá! Vamos usar o que nos faz feliz! 😉

  2. Márcia Daniella

    Penso exatamente como vc. Acho que estar na moda é algo tão subjetivo. Tenho peças com mais de cinco anos no meu guarda-roupa. São bonitas, versáteis, clássicas e ainda totalmente utilizáveis! Claro que compro peças novas e muitos itens da prateleira, mas só quando agradam em cheio ao meu senso estético. Estar sempre de acordo com seu próprio estilo é uma postura muito mais feliz do que simplesmente estar na moda. Roupas não podem ser descartáveis porque isso não é sustentável e, principalmente, porque não se pode desperdiçar dinheiro na conjuntura atual.

  3. Fernanda Martins

    Concordo em tudo o que disse. A moda não é uma obrigação, o mais importante é você se sentir bem com a roupa que está vestindo e aproveitar as peças que valorizam seu corpo. Não adianta usar algo que é super tendência mas que não tem nada a ver com sua personalidade. O seu estilo é muito mais importante 😉
    Beijos!!

    http://www.eaivaidosa.com/transformeseulook

  4. Fernanda

    Ótima reflexão, Sá! O importante é estarmos felizes com o que vemos no espelho, independente de ser o que a sociedade dita como padrão ou não. Conforme a gente se conhece melhor, acho que acaba sendo um exercício mais fácil, não ficamos tão preocupadas em vestir só o que está nas vitrines. Eu gosto de coisas coloridas, vestidos, acessórios diferentes, mas não curto blusa cropped, nem calça de cintura baixa assim como animal print só se for beeeem discreto… Não acho que me encaixo num estilo pré determinado, mas tenho um estilo próprio que me deixa até orgulhosa, por mais que não seja unânime (mas nunca a gente vai agradar a todo mundo mesmo, então o importante é usar o que nos faz feliz). 🙂

  5. Sandrinha

    Estou nessa fase também,às vezes gosto de usar roupas bem simples ou então uma produção mais elaborada, depende do humor. Tenho que adaptar estatura e valor das roupas, convenhamos ser mignon e achar peças que caibam em mim não é tarefa fácil. Além de ser um pouca chata para pagar valores, sempre garimpo peças em promoção antes de ter aquele estalo e dizer “roupa perfeita em mim”.
    Aprendi que usar looks que tenham cores parecidas ou até mesmo da mesma cor, me beneficiam, mas gosto também de ousar. Uma moda que não entrou para mim foi o tal do animal print, essa realmente não dá.

  6. muito interessante…
    acho que o conceito de moda está mudando.
    cada vez mais vemos as marcas e os ícones da moda mais conscientes.
    Infelizmente ainda é um longo percurso, ainda estamos afundados na “ditadura” da moda rsrsrs
    mas ja fico feliz em ver que isso está mudando.

  7. Priscila

    Eu não tenho uma moda…acho que nunca tive, nunca realmente me encaixei em nenhum perfil, e consequentemente nunca encontrei uma loja que combine comigo. Acabo sempre comprando uma coisa em cada lugar, mas confesso que ultimamente meu coração não tem batido forte por nenhum estilo.

  8. patricia

    Concordo. Fico especialmente irritada quando leio um texto tentando ditar o que pode ser usado e o que já virou “last season”. Acho que esse “poder” que algumas pessoas e revistas tinham no passado vem diminuindo cada vez mais. Mas ainda detesto quando leio alguma matéria dizendo “tal coisa já era” (por exemplo, as revistas gostam de querer impor apenas uma cor de esmalte por vez, tipo “a estação dos nudes, dos vermelhos”, etc; poxa, eu tenho uma mega coleção de esmaltes e vou usar a cor que me der na telha, dá licença?), ou “tal coisa está de volta” (um dia desses li um post de um site de revista dizendo que os brincos de argolas estavam de volta e morri de rir com os comentários: todas as meninas disseram que jamais deixaram de usar argolas, haha).

  9. Mirian Blézins

    Oi Sá, amei o post e concordo total. Também não me sinto bem com roupas muito justas, curtas e decotadas. De resto uso o que eu quero, de acordo com meu humor no dia (e de acordo com a ocasião também). Beijo Sá.

  10. Roberta Martins

    Olá Sabrina!Tudo bem??
    Gostei do texto.
    Beijos,
    Roberta.

  11. Renata

    Eu uso o que me faz bem e gosto! moda e algo muito particular 🙂

  12. Bárbara

    Ótimo post, Sá! Sempre sigo meu estilo, mas algumas vezes quando tentei uma moda que não era o que eu estava acostumada, o resultado foi que fiquei super desconfortável. Acho que se você segue o seu estilo isso já te dá mais segurança e consequentemente a beleza reluz.

    http://vidadecompras.blogspot.com.br/

  13. Daniele Rosa

    Me identifiquei muito com o seu texto, ultimamente entro nas lojas e não encontro roupas que me agradem, fico frustrada achando que não sei escolher e tals mas depois do seu texto fiquei pensando “devo estar numa fase de transição” a maturidade nos deixa mais exigentes (acabei de fazer 36 anos), não é qualquer modinha que nos chama atenção.

  14. Fernanda Gabriela

    Aprendo mto com a Jojo (Joana) do um ano sem zara. Um fonte de inspiração absuuurda de moda e de como reinventar o armário. Já passei e vivo passando por mutações de estilo, mas tento reaproveitar tudo que dá e ter sempre novas ideias para usar minhas peças. Acho que estou saindo da fase “quero tudo da loja para ter todas as opçoes” para a fase de “quero menos coisas e aindaaa mais opções”. Adoro essa coisa do amadurecimento do estilo… É sofrido, mas tão gostoso!
    Lindo o texto, Sá!!

  15. Adriana RP

    Adorei… Super me identifiquei!!! Sempre tive um gosto peculiar, desde adolescente, mas acabei sendo “engolida” pela ideologia teenager da época que o legal era ser igual a todo mundo. Agora, nos trinta eu faço o que quero, visto o que quero e não estou nem aí! rsrsrs… Gosto de dar uma olhada nas tendências, mas não me vendo mais por elas, só compro o que vou realmente usar, e isso incluí usar a peça no próximo ano sendo ou não modinha!

  16. Veronica F.

    Eu luto contra todo e qualquer preconceito, mas confesso que tenho preconceito com gente que anda sempre na moda, que só usa cores e modelos do momento. Me parece alguém sem personalidade nem criatividade… Só conto aqui pela ironia: a pessoa gasta tempo e dinheiro para estar in, e tem gente \o que acha que é falta de personalidade kkkk.
    Tem origens profundas essa ideia, desde muito pequena acho o fim da picada todo mundo se vestindo do mesmo jeito.
    E tb tenho o hábito de abastecer o guarda-roupa qdo finalmente alguma coisa que gosto entra na moda (pq senão, não se acha, que saco). Este ano vou à falência com as espadrilhas, não via tanta coisa linda desde meus 10 anos!

  17. Marina G.

    Ainda estou aprendendo meu estilo, mas já percebi que prefiro peças que durem muito tempo no meu guarda-roupa do que peças que são modinha e vou usar apenas uma estação. Até gosto de comprar uma ou outra peça da moda, mas meu foco são roupas que durem bastante tempo.

  18. É engraçado isso, meu estilo também está passando por uma fase de mudança. Também usava peças muito delicadinhas, menininhas demais, e agora essas peças não tem muito mais a ver comigo. Quero menos coisas mas com mais significado, que falem mais sobre mim, sabe? Tem muita coisa que comprei e que hoje já não se encaixa mais na minha personalidade, mas o importante é tentarmos nos reinventar com o que temos, e sempre sem medo de errar, a moda funciona na base da tentativa e erro. Apesar de tudo, a moda hoje nos dá muito mais liberdade do que há 40, 50 anos atrás e isso é muito bom, dá pra usar basicamente tudo que a gente quiser, não precisamos ficar fechadas em uma coisa só, por isso gosto tanto de moda!

    http://www.simpleness.com.br

  19. Oi Sá! Que bom ver um post desse aqui no Coisas de Diva! Eu concordo demais com esse pensamento. Acho que com o amadurecimento é natural mudarmos de estilo, e apurar nosso olhar para saber o que usamos por puro modismo ou porque gostamos de fato é fundamental. Este ano também passei por uma “reformulação” no meu estilo e acabei deixando de lado as coisas mais “menininha”. Também reparei que odeio usar decotes, saias ou vestidos curtos demais, não me sinto bem. Assim, doei e/ou vendi tudo que não se encaixava mais com o meu momento. Investi em calças estampadas, de linho, blusinhas de boa qualidade e vestidos mais “sérios”. Agora sinto que minhas roupas combinam comigo, sem me deixar “envelhecida”. Elas passam a mensagem que quero passar.
    Beijos!

    http://gabivasconcellos.com.br

  20. Heloisa Carvalho

    Eu tive uma revolução de estilos na adolescência, até que fiquei mais gótica/rocker por muuuuitos anos. Ainda gosto muito dessa pegada, mas às vezes sinto como se não fosse “apropriado” pra minha idade. Noto que acabo gostando de peças mais clássicas, só que elas me deixam com cara de tia, hahaha, e não combinam com minha rotina. Ainda estou me descobrindo, esses dias comprei uma calça rasgada (tem 1 rasguinho só) e me achei ~a rebelde~.
    Costumo usar só o que gosto, não ligo pra tendências. Aliás, sempre digo que sou uma visionária da moda, kkkk, acontece muito de eu comprar uma peça, começar a usar e algum tempo depois ela estar nas prateleiras de todas as lojas (aconteceu isso com roupa xadrez, bota tipo Timberland, cardigã comprido… Podia citar uma lista enorme aqui).
    Olha Sá, mesmo você se sentindo um pouco perdida no momento, adoro as suas produções! Acho que é normal a gente ter esses momentos, trocar de gostos e não saber muito bem o que fazer.

  21. Também penso assim, uso as roupas que gosto por várias estações, mesmo que nada daquele modelo esteja sendo vendido nas lojas. http://www.alemdolookdodia.com

  22. Se a coisa estiver ou não na moda, eu gostando, uso até desintegrar HAHAHAHAHA! http://simsemfrescura.blogspot.com.br/

  23. Ariane

    Como sempre, seus posts sobre reflexões são muito interessantes. Sobre moda, eu adoro o tema (apesar de não atuar na área), mas sou muito fiel ao meu estilo, que é simples e delicado, me interesso por algumas coisas que estão na moda (sapatos, acessórios e roupas) e tento incorporar ao meu estilo (se combinar, senão nem tento, como é o caso de animal print, roupas decotadas e curtas, coloridos demais e néons). Já as sandálias gladiadoras, que eu não dei bola há uns tempos atrás, voltou agora e estou pensando em aderir e comprar um modelo que tenha mais a ver comigo. Não sou escrava da ditadura da moda, mas tento aproveitar o que é tendencia e tenha a ver comigo.

  24. Quando vejo pessoas perguntando se ainda está usando tal coisa ou o que está usando agora sempre fico meio chocada. Eu não sou super estilosa nem nada, mas uso o que eu gosto. Acho a moda legal por te permitir várias coisas e te mostrar opções, não pra definir o que você deve seguir.
    http://www.issoaquiloetal.wordpress.com

  25. Ótimo texto Sá!
    Acho que o que demora mais, é a gente se achar na moda..
    e a gente fazer nossa própria moda!

  26. Ninna

    Muito bom seu texto e penso assim também. Mas entendo o autor do comentário inicial do seu texto. Porque quando algo “sai de moda” você não acha mais em cada esquina. Por exemplo, eu sempre curti jeans de cintura alta e era muito difícil lá no ano 2000 encontrar. Só encontrava calça com cintura baixíssima. Agora que está na moda, eu encontro com facilidade. Então, às vezes me pego fazendo o mesmo comentário (tomara que a cintura alta não saia de moda pra eu usar sempre rsrsrs ). 😉

  27. Miriã Andrade

    Adorei sua reflexão, Sá! O ideal e essencial é colocarmos a nossa personalidade em nosso estilo e se sentir super bem assim! 😉

  28. Vanessa

    Concordo com tudo! É tão estranho esse “estar na moda” (quando é sempre), e a personalidade e gosto ficam onde, afinal?

  29. […] Será que precisamos estar na moda para estarmos bem vestidas? Leia minha reflexão sobre o assunto. […]

  30. É bem isso!
    Eu uso o que acho bonito, o que fica bem em mim e o que eu gosto, independente se está “na moda” ou não! Vestir o que nos faz sentir bem! ?
    Adoro o blog, principalmente pelas publicações úteis e conteúdo inteligente.
    Parabéns!

  31. Gabriela Ronchi Salomon

    Concordo com isso. Hoje invisto em roupas que sei que utilizarei não só no momento, mas também futuramente. Hoje está voltando algumas roupas que nunca fizeram meu estilo, assim como roupas apertadas ou decotadas. Como você disse, não me sinto confortável. Opto pelo simples que muitas vezes acaba por deixar o visual mais legal.

  32. caroline viana

    Excelente post! Usar o que gostamos e ainda nos deixe bem é tudo. Passei por uma faze de moda bem duvidosas um tempo atrás kkk, mas graças a Deus entendi o que realmente eu gosto e valoriza o meu corpitcho. Já me peguei fazendo uma geral no armário e pensando: como usei isso(algo nada a ver comigo, mas que era moda, aff)?!
    Adorei as fotos das meninas, lindas bem vestidas e cheias de estilo com certeza

  33. […] Leia também: precisamos mesmo sempre “estar na moda”. Uma reflexão sobre roupas e o que usar. […]