Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Fiz todos os meus arquinhos, tem tutorial deste roxinho aqui.

Nunca fui muito foliona e aproveitava o carnaval para não fazer nada. Não me animava com o calorão, muita gente junta e aquele negócio sem noção de homem puxando cabelo de menina, tô fora!

Mas neste ano tive a oportunidade de ir para São Paulo aproveitar os bloquinhos da capital e achei que estava na hora de ver qual era do negócio. E adorei! Pega essa curitibana carnavalesca.

Curti demais porque os bloquinhos são ecléticos e dá para escolher desde os que tocam axé e músicas tradicionais carnavalescas até aqueles com música do Metallica em ritmo de samba. Mais democrático que isso é impossível! Se você for da loucura, dá para se enfiar no meio da multidão e aproveitar todo o calor humano, mas se for para ficar de boinha, é só se instalar uns metros para trás e curtir a música sem precisar ficar na confusão. Os blocos começavam por volta das 15h e iam até as 20h, depois disso a música acabava. Achei o horário bem bom porque dava tempo de se recuperar, tomar muita água, e voltar no dia seguinte inteirona.

Vou te falar que me diverti mais nos bloquinhos LGBT, viu! A música era mais animada e o pessoal parecia ser mais respeitoso, sabe? Vi menina de hot pants, biquini, maiô e o peladismo que quisesse e ninguém enchia o saco. Também não vi nenhum cara puxando mulher e pegando a força, mas né, a gente não era bem o público alvo. RISOS Mas mesmo no bloco não LGBT que fui, não notei nada nesse sentido. Outra coisa que achei muito legal é que o pessoal se fantasia mesmo e se enche de glitter. Tinha desde as fantasias básicas até um pessoal super criativo e seguindo o “dress code” temático dos blocos. Já prometi pra mim mesma que ano que vem vou me empenhar mais no visual.

Durante os dias que participei do bloquinho não vi e nem fiquei sabendo de casos de assalto, mas todos os amigos só levavam o essencial para o bloco, preferencialmente naquelas doleiras que ficam escondidas na roupa. Eu mesma tentei usar o celular o mínimo possível, por mais que não tivesse visto nada, é melhor se previnir. Outra coisa meio ruim é a questão dos banheiros, que não tem jeito e tem que usar os químicos mesmo. Mas né, faz parte da bagunça.

Marcelo, Giovani e eu no meio da bagunça. A máscara do Marcelo é desse site aqui.

Também dei sorte porque o hotel que fiquei – mostrei ele no post de ontem – ficava bem no centro, então quando estava cansada demais, dava tchau pro pessoal e voltava a pé. Tudo bem pertinho e sem precisar ficar atrás de taxi ou de uber. A localização foi ideal para os bloquinhos.

Resumindo, adorei! Ano que vem eu volto, me aguarda São Paulo!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
8 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários
Nos conte o que tem a dizer

Para usar avatar, cadastre-se com seu email em gravatar.com
O que nossas divas já nos disseram
  1. Márcia Daniella

    Lindos seus arcos, Sabrina! E a maquiagem também tava ótima

  2. Rachel

    Que legal Sabrina!
    Adorei os arcos. Poderia ter ensinados todos no canal. Ficaram lindoooooos
    Bjos

  3. Sá, que legal! Sou de Ctba também e todo ano fico por aqui pq viajar no carnaval pra lugares “badalados” é muito caro.. mas acho que pra SP cabe no meu bolso, hein! Eu só acho que deveria ter bloquinhos aqui em Curitiba tb.
    Beijoss

  4. Eu gosto muito de carnaval de rua aqui do rio, claro que tem blocos mega cheios e lotado de cara que pega menina pelo braço/ cabelo, mas tem muito bloco legal, o bom é conhecer pra conseguir ir nuns blocos mais vazios que dê pra dançar e se divertir sem muita muvuca… É bom tbm aceitar de boa que se o bloco tá ruim é melhor sair e procurar outro ou ir pra casa mesmo do que insistir e sair mega frustrada… Aqui tem bloco pra tdos os gostos e tdos os horários, eu costumo ir nos de manhã e não voltar muito tarde pra aguentar o dia seguinte. Amo também fazer as fantasias e usar muita purpurina hahahha

  5. Tamires Felipe

    Sei o que você quis dizer quando usou a palavra “normal” pra descrever um bloco que não é LGBT, inclusive você colocou entre aspas. Mas “normal” não é a palavra a ser usada, no caso. Bloco hétero ou bloco não LGBT explicariam o que você quis dizer. Blocos LGBT também são normais. Desculpe criticá-la assim, mas devemos ter cuidado com o uso das palavras, principalmente em um blog como este que tem muita visibilidade.

  6. Miriã Andrade

    AMO São Paulo, mas o carnaval não me anima nem um pouco, hehe, sou dessas que só ama o feriado mesmo. Você estava linda e arrasou nos arquinhos, Sá! 😉