Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

fatale agent provocateur

Olha, minha gente, vou dizer: amo fazer post de perfume! <3 Mesmo que sejam alguns dos produtos mais difíceis sobre os quais falar, já que não é fácil passar a impressão de um cheio por meio de texto, haha, eu amo, não tem jeito. E meu assunto de hoje é o Fatale, um perfume da marca inglesa Agent Provocateur.

Fatale, Agent Provocateur

O Fatale é um eau de parfum (para quem tem dúvidas aí no francês, a pronúncia é ‘ô de parfãm’ haha), o que significa que a concentração de óleos essenciais presente nele é alta e, consequentemente, ele é feito para ter boa duração/fixacão na pele.

Ele faz parte da família dos florais e tem notas de topo de pimenta rosa de Madagascar, suculento de néctar de manga e groselha; notas de coração de gardênia aveludada, absoluto de lírio real e patchouli da Indonésia; e notas de fundo de almíscar quente, orquídea de baunilha afrodisíaca, chocolate e ládano espanhol.

O perfumista responsável por ele é o Jean-Marc Chaillan, que também fez o Burberry London, o Euphoria da Calvin Klein e o Wonderstruck Enchanted, da Taylor Swift (adorava esse!), entre outros.

Resenha: o que achei dele?

fatale agent provocateur

Bom, vamos juntar os pontos: o estilo do frasco, as notas mais intensas e o fato de a Agent Provocateur ser uma marca de lingerie – logo, é claro que esse é um perfume mais marcante, intenso. Tanto que ele é descrito pela marca como um “floral voluptuoso, sexy e viciante, inspirado em Hollywood dos anos 40” (haha). E olha, que delícia!

Sério, quem gosta de fragrâncias um pouco mais marcantes, como eu, vai adorar – ele é um pouco mais docinho no início, mas depois se suaviza bastante e o floral aparece mais, sem nunca ser enjoativo. Pelo contrário, achei um perfume misterioso e bem gostoso, tem tudo a ver com a noite e com o clima mais frio que tem feito aqui em Curitiba. Na minha pele a duração foi ótima também.

Composição e onde comprar

fatale agent provocateur

O frasco de 30 ml do Fatale custa R$ 269 e dá para encontrar aqui – além dele, existem também algumas variações, como o Fatale Pink e Fatale Intense.

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
0 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Um das coisas que mais me incomoda no frio é o ressecamento da pele, principalmente das mãos e cutículas. Por isso me abraço com os melhores hidratantes para as mãos como precisasse deles para viver. #exageros Gosto daqueles que hidratam de verdade, porque né, e que também não deixam a mão melecada ou escorregadia. Se tiver um cheiro gostoso, ganha pontos extras.

melhores-hidratantes

Meus hidratantes preferidos para as mãos

#1 Caudalie
Não tem comparação, este é o melhor de todos. Apesar do cheiro beme s qisito, ele hidratada muito a pele e as cutículas e é absorvido em segundos. Se não fosse tão caro em terras brasileiras, só usaria ele.
Custa R$ 79 e está a venda nas lojas da marca e na Sephora.

#2 Q10 Whitening Kose
Eu sei, lá vem a Sabrina diferentona com essas coisas que não são vendidas no Brasil! Mas é que esse hidratante é tão bom que achei que valia a menção. Ele é bem parecido com o da Caudalie, mas não é absorvido tão rápido assim. O lado bom é que não tem cheiro algum e a embalagem é grande. Só nunca reparei se ele é mesmo clareador.
Custa em média R$35 e infelizmente não é vendido no Brasil, mas tem no eBay.

#3 Almond Hand Cream The Body Shop
Deixa a pele e as cutículas hidratadas sem ser pegajoso. O cheiro é um tanto adocicado, mas não chega a incomodar.
De R$ 26 a 46 e está a venda nas lojas da marca e no e-commerce.

#4 Hidratante Miel Mandarine L’Occitane
Demora um tanto para absorver, mas o cheiro delicinha compensa. Também gosto bastante do fator hidratação dele.
Custa R$45 e está a venda nas lojas da marca e no e-commerce.

#5 Hidratante para Mãos de Castanha Natura Ekos
Também não absorve rápido e precisa de uma certa massagem nas mãos para poder usar o computador, celular e etc, mas o aroma de castanha é um dos meus preferidos da vida. Bom para usar antes de dormir.
Custa R$ 34,20 e está a venda nas lojas da marca e no e-commerce.

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
20 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Como vocês sabem, meus 30 estão chegando – fiz o favor de alardear esse fato porque gosto de fazer aniversário! hahahaha Mas também acho que o mês que precede a data é feito para refletir. Uns o chamam de inferno astral (e é fato que algumas coisas dão meio “errado” nesse tempo, porém, para mim, é tudo questão de como a gente encara).

Então vamos dizer que, nesse vai e vem astrológico que precede o dia em que completo mais um ano de vida, eu pensei pra caramba sobre mim – e sobre todas nós. E é o resultado de muitas sessões de devaneio pessoal que hoje venho compartilhar por aqui. Sentem que lá vem história (como sempre)!

Fazer 30 anos é um daqueles marcos da vida – do mesmo jeito que nascer, completar 10 anos, depois 15, então 18. Só que a diferença é que, agora, não passa mais nenhum lampejo de voltar atrás. Minha cabeça constantemente tem me dito: “seja bem-vinda, em definitivo, ao mundo adulto!”. E isso não é ruim, mas me traz uma responsabilidade.

Não estou falando das tradicionais pressões que envolvem a chegada das três décadas, não. Com elas eu não me preocupo – ou melhor, me preocupo bem menos do que antes (e ainda há um caminho até me livrar de todas). Estou falando mesmo é sobre a necessidade que às vezes bate na gente de encontrar quem somos de fato.

Soy Yo

Evidentemente, essa não é tarefa para ser colocada como prioridade no curto prazo de um mês. Mas é como se esse mês tivesse me empurrado para refletir ainda mais. Por isso, o título do post fala sobre se expor – não apenas o que eu faço por aqui. Estou mencionando a exposição que eu e vocês inevitavelmente passamos, aquela que é obrigatória todos os dias, sem trégua, porque é isso que se chama viver.

Comecei a olhar para trás e percebi que, mais do que nunca, estou me expondo. Tenho feito coisas que há pouco tempo não me permitiria fazer – por medo, por insegurança, por preguiça. E como é gostoso ver que, na verdade, essa soltura para a vida tem feito de mim uma pessoa que se conhece um pouquinho mais.

Vou dar alguns exemplos para isso não ficar tão abstrato. No último sábado, fui a uma festa sozinha, apenas tendo uma amiga como referência. Antes, talvez, teria grudado nela e não largado nunca mais. Mas não. Me apresentei para as amigas dela, depois para as amigas de amigas e, quando vi, estava cercada de gente. As pessoas estavam me chamando pelo nome. Dancei, ri, conversei sobre as coisas mais variadas e fui embora.

Outra história, essa bem mais próxima da realidade, tem a ver com um desejo antigo: escrever. Como jornalista e blogueira, é o que faço sempre. Mas estou falando de escrever outras coisas: quero romances, quero contos, quero poemas. Lá atrás, aos sete anos, escrevia várias dessas histórias. É porque criança tem tanta pureza que não está em questão se aquilo que fez é, de fato, bom – e bom para quem, não é mesmo?

Resolvi deixar as amarras para trás e tenho estudado. Estou a uma aula de terminar um curso para escritores. Tenho lido para me aprimorar. E meus pequenos recortes da vida estão todos sendo colocados na minha página pessoal do Facebook, para todo mundo ver – as pessoas gostarem ou não tem sido menos importante do que o prazer de ter sido corajosa, de ter feito, de, afinal, ter me exposto.

Quer dizer: foram necessários 30 anos para eu perceber, agora como um veredito, que a maior graça da vida é essa coisa de dar a cara a tapa mesmo. É viajar se quer viajar; é dançar como se não estivesse ninguém olhando; é cantar mesmo que não cante bem; é testar uma receita nova; é se deixar abraçar por quem nos ama; é, enfim, se permitir.

Para mim, aconteceu assim. Talvez para algumas – ou várias – de vocês já tenha acontecido. Para outras, talvez não, e o clique que faltava está aqui, nesse texto. Não sei. Mas o que desejo para mim e para todo mundo que teve paciência de ler minhas pirações sobre a vida até o fim é só uma coisa: muita vontade de se expor. <3

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
31 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Ontem à noite, depois de um fim de semana meio desanimado, me lembrei de um texto que eu adoro, que li há vários meses num daqueles momentos em que a gente sente que era exatamente aquilo que a gente precisava, sabem? Que o destino/acaso fez com que a gente encontrasse algo (hahaha). Desde então, deixei ele nos meus favoritos e leio de vez em quando, sempre que me sinto meio triste e ele sempre me ajudou. E aí ontem, pensando nisso, decidi ‘devolver a gentileza’ ao universo e traduzi-lo aqui para vocês – vai que não é algo que alguma de vocês por aí precisava ler hoje também? 🙂

Atenção – esse texto não é meu. O original é esse aqui, eu apenas traduzi do inglês. 

“15 verdades sobre amor, autoimagem e a vida em geral:

Imagem: Shutterstock 

  1. Se estou infeliz, não é porque você está feliz. É simplesmente porque eu estou infeliz. 
  2. Às vezes, pessoas que supostamente ficariam ao seu lado para sempre vão embora. E está tudo bem. 
  3. Ninguém pode te fazer se sentir mal a respeito de você mesmo a não ser que você lhe dê essa permissão. Não dê. 
  4. Aprenda a gostar de ficar sozinho. Não é tão ruim. 
  5. Mesmo que você tenha vergonha do seu corpo, ele foi dado a você por alguém. Não odeie algo que foi dado a você sem que você precisasse se sacrificar por isso. 
  6. Você não deve sacrifícios a ninguém; o que você sacrifica na vida deve ser unicamente escolha sua. 
  7. Nunca tenha certeza absoluta da sua opinião: ouça o que os outros dizem, mas nunca altere o que você pensa completamente. 
  8. Tudo é temporário. Tristeza, felicidade, sorte, azar, beleza, feiura, riqueza, pobreza, um corpo magro, um corpo gordo, uma boa autoestima, uma má autoestima, um corte de cabelo ruim, um corte de cabelo bonito, seus sonhos, a vida. Só a morte é permanente e é a única coisa da qual podemos ter certeza. Não esqueça. 
  9. Sua vida pode mudar quando você quiser. Todo o resto são apenas desculpas. Encontre algo pelo qual você não dá desculpas. Essa é a sua paixão. 
  10. Às vezes vai parecer que você nunca consegue o que deseja e que todas as coisas boas vão para outras pessoas. Quando se sentir assim, confie em você mesmo, sempre. Algumas pessoas até podem te ajudar a se levantar quando você estiver caído, mas lembre-se que você pode cair de novo assim que elas se forem. E elas irão embora. 
  11. A sua opinião sobre alguém que você ama ou respeita pode mudar em um segundo. Esses sentimentos podem se transformar em indiferença tão rápido que vão te deixar tonto, mas é melhor assim. Aprenda a se desapegar. É assustador, mas não cortar laços que te ligam a algo inseguro é algo muito tóxico. 
  12. A tristeza é um sentimento que vai fazer de você uma pessoa mais bondosa. Não tenha medo de senti-la profundamente. A tristeza vai derreter o seu ego e às vezes pode ser a melhor coisa que pode te acontecer; mas não deixe que ela te afogue. Não deixe nunca que algo te afogue. 
  13. Ninguém importa tanto assim para você se sentir paralisado por sua perda. Deposite sua força em coisas nas quais você pode se apoiar quando estiver fraco ou quando alguém roubar algo de dentro de você. 
  14. Quando você entrar num lugar, olhe ao seu redor. Realmente olhe, com seus olhos, e não pelo visor da câmera. Não confine suas memórias num cartão SD, não tenha provas de toda e qualquer emoção que já sentiu. Se foi importante, você vai se lembrar mesmo se tiver amnésia. 
  15. Gentileza, na sua forma mais genuína, é o melhor presente que você pode dar para alguém, especialmente para um desconhecido. Gentileza é tudo na vida. Mas ser gentil não significa deixar que os outros passem por cima de você, significa deixá-los passar primeiro. Aprenda a diferença. É possível ser gentil sem ser tímido, quieto ou anulando sua própria opinião.

Em resumo, não importa muito como eu tente ‘enfeitar’ a mensagem, o que importa mesmo é o seguinte: você mesmo é o melhor que você tem. Sério. Ninguém se importa mais com você do que você mesmo. Todos podem te deixar, menos você mesmo. Todos podem te dar conselhos, mas a melhor opinião que você terá será a sua própria. E, observando o mundo e todos que eu conheço, posso garantir que até hoje não conheci ninguém que fosse insubstituível. 

Você nunca vai conhecer alguém que será como outra pessoa. Mas isso não importa. Porque são apenas rostos, eles vão mudando, vão dizer as mesmas coisas e talvez vão embora. Mas VOCÊ nunca irá embora. Você sempre vai estar aí. Ninguém mais passou pelas mesmas coisas que você. 

E, no fim das contas, são pouquíssimas as pessoas que me fariam mudar minhas opiniões, mudar quem eu sou. Mas francamente, se você fosse uma dessas pessoas, você não me pediria para mudar. A verdade é que eu também não sei muita coisa, mas isso aí é o que eu digo para mim mesmo – e acho que todos deviam pensar sobre isso também.”

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
35 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

×