Receita: risoto de mandioquinha com queijo gruyere

Sabrina Olivetti POR Sabrina Olivetti
Gostou?
| Este post está dentro das categorias: Receitas
Curte aqui:

receita de risoto de mandioquinha e queijo gruyere

O vermelhinho em cima é pimenta.

Quem nos segue no Instagram (no @coisasdediva) viu que prometi no final de semana dar esta receita aqui no blog. Quem ainda não nos acompanha por lá, só digo que vale a pena, viu!

Muito tempo atrás aprendi que risoto é uma coisa fácil de fazer e pode conter qualquer ingrediente. Qualquer! Sabendo fazer a base de arroz arbóreo, você pode colocar desde o resto que está na sua geladeira, até  ingredientes finos, chiques e carésimos trazidos da Tailândia. Vai da criatividade do freguês.

Nesta receita vai mandioquinha e queijo gruyere, mas poderia ter abóbora e queijo gorgonzola, pesto e presunto parma, milho e ervilha, carne do churrasco de domingo e manjericão. Você entendeu o conceito, não é?

receita de risoto de mandioquinha e queijo gruyere

Ingredientes para 4 pessoas
1 e 1/2 xícara de arroz arbóreo (sim tem que ser arbóreo, não invente!)
1/2 cebola cortada em cubinho
1 xícara de vinho branco (pode ser um bem baratinho)
1 litro de água fervente com um cubo de caldo de galinha. Aqui coloquei também o resto da água de cozimento da mandioquinha, completando um litro com a água (pode usar  caldo de legumes ou de carne tb)

3 mandioquinhas descascadas, cortadas em cubos e pré cozidas com sal
100 g de queijo gruyere

Todo risoto é feito da mesma forma, a única diferença é em que momento você vai por seus ingredientes extras. Alguns podem ser acrescentados junto com o arroz cru, outros, que demoram menos para cozinhar, são colocados no final do preparo. Por exemplo, se for colocar camarão, é melhor colocar na panela nos últimos 5 minutos de preparo, entende?

Outra regra, o risoto demora 30 minutos para ficar pronto. Pode ser alguns minutinhos a mais ou a menos, mas nada muito além disso. E regra 3, diferente do arroz branco, o risoto precisa ser mexido o tempo todo, sem parar.

Preparo
Coloque a cebola para dourar na panela com óleo. Na sequência coloque o arroz e o vinho. Mexa até o vinho evaporar por completo. Vá colocando uma concha de cada vez do caldo quente. Coloque uma concha de caldo, mexa até evaporar tudo, coloque outra e assim por diante. Até o arroz ficar ao dente.

Como a mandioquinha já estava pré cozida, acrescentei ela ao arroz nos 5 minutos finais de preparo, sempre mexendo bem. Quanto o arroz ficou pronto. Desliguei a panela e coloquei o queijo gruyere ralado, mexendo até derreter. Como o queijo tem sal, acertei o tempero nesta etapa final de preparo. Fim.

Aqui tem uma receita de brownie de chocolate branco e aqui tem receita de cupcakes de chocolate sem trigo.

Lugares legais para fotografar a Torre Eiffel

Marina Fabri POR Marina Fabri
Gostou?
| Este post está dentro das categorias: Marina na FrançaResenha
Curte aqui:

O assunto desse post parece meio besta, mas eu juro que não é – e quem já esteve em Paris provavelmente vai concordar comigo – porque a Torre Eiffel em si não é o melhor lugar para fotografá-la (ou se fotografar com ela). A torre é muito alta, então ou você vai cortar o topo da torre ou vai tirar a foto bem debaixo, que não é o ângulo que mais favorece no mundo (#papada)…

Então resolvi listar aqui alguns lugares que são ótimos para fazer fotos (e para admirar a torre também, claro), pensando principalmente em quem visitar a cidade apenas por alguns dias e não vai ter tempo de andar por toda a região para descobrir isso sozinho. Além do que, por mais que eu adore fazer coisas não tão turísticas quando visito uma cidade, é simplesmente impossível não querer conhecer um lugar tão ícone de Paris quanto esse. São informações básicas que eu mesma gostaria de ter sabido quando vim para cá pela primeira vez, então acredito que vai ser útil para outras pessoas também. Então vamos lá:

Trocadéro

torre eiffel paris

Esse é o mais básico, mas sei que muita gente esquece (ou não se liga) de atravessar a ponte até o outro lado da torre e subir nas escadarias do Trocadéro (a pronúncia é ‘Trocaderrô). A vista é maravilhosa e rende boas fotos mas em geral está sempre bem cheio. Se estiver por ali e gostar de doces, aproveite para ir até a Carette comprar uns macarons ou um dos meus doces franceses preferidos, Paris Brest (que na Carrete se chama Paris Carette, na verdade).

Pont d’Iéna

torre eiffel paris

Fica bem perto da torre e vale a pena andar uns minutinhos até ela porque, como vocês podem ver pela imagem, é muito mais tranquila (e olha que essa foto eu fiz num domingo à tarde). Além disso, se você gosta de arte contemporânea, pode aproveitar para conhecer o Palais de Tokyo, um lugar bem legal e que, apesar de bem famoso, nunca figura nas listas dos super turísticos. O prédio é bem lindo e acho que vale a pena a conhecer.

Printemps e Galerie Lafayette

torre eiffel paris

Printemps e Galerie Lafayette são as duas lojas de departamento mais famosas em Paris – se você for até uma delas fazer compras, não deixe de subir até o terraço, a vista é linda e sei que nem todo mundo sabe que ele existe. E se não gostar de fazer compras, não tem problema, pode ir até lá só para ver a vista e conhecer a região, já que ali do ladinho fica o Palais Garnier, um dos prédios mais lindos da cidade (na minha humilde opinião).

Tour Montparnasse

torre eiffel paris

A Tour Montparnasse é um prédio comercial, mas o último andar é um terraço/observatório da cidade toda. Fica no 56o andar, ou seja, bem alto. A entrada é paga, mas acho que vale a pena.

É claro que existem mil outros lugares onde dá para fazer boas fotos, mas escolhi meus preferidos – espero que seja útil e boa viagem para quem vem para cá. :)

Ps.: Para ver os posts que estou fazendo especificamente da França, é só clicar na categoria ‘Marina na França’, lá em cima do post. E para me acompanhar, é só seguir os Instas @coisasdediva e @marinafabri.

Eudora Soul Batom Efeito Mate cor Rosa Por do Sol

Sabrina Olivetti POR Sabrina Olivetti
Gostou?
| Este post está dentro das categorias: MaquiagemResenha
Curte aqui:

batom mate Eudora

Eudora lançou em janeiro deste ano, 3 novas cores de batom opaco e duas cores de batom líquido mate, que a loira Marina deve mostrar em breve.

Hoje te mostro a cor Rosa Por do Sol, mas a marca trouxe também os tons Coral Sol do Carnaval e Vermelho Agito da Orla dentro da linha Soul Radar Rio.

batom mate Eudora

Seguindo a tendência da amostra de cor em forma de coração. :)

Alegações

Segundo a empresa, o batom proporciona cobertura uniforme e alta fixação, além de deixar os lábios macios e com efeito fosco

batom mate Eudora Sabrina Coisas de Diva

Resenha – O que achei do batom da Eudora

Dessa vez resolvi comprar só a cor que sei que vou usar, a vida não está fácil para ninguém, viu! O tom é um rosa claro, nem muito vibrante e nem muito aparecido. O batom é confortável de usar e de passar, entregando bastante cor sem ser super seco.

A aparência nos lábios é de um semi opaco, não é completamente mate, mas também não é cremoso. De modo geral, curti bastante.

Marina já mostrou outras 3 cores de batom mate da Eudora aqui, o Cabernet, o Tulip e o Viva Flower.

batom mate Eudora Ingredientes

O batom custa R$15,99 e pode ser encontrado com as revendedoras Eudora ou na loja online.

Óleo capilar de Ojon, da Phytoervas

Marina Fabri POR Marina Fabri
Gostou?
| Este post está dentro das categorias: CabelosResenha
Curte aqui:

Eu sei, eu sei, prometi nesse post aqui que ia falar do óleo capilar que “eu fiz” (não fiz realmente, só misturei os óleos hahaha), mas o coitado do óleo capilar de Ojon, da Phytoervas, já estava esperando seu post há tanto tempo (e é um produto tão bom), que resolvi mostrá-lo antes.

Óleo capilar de Ojon, o que é?

O produto é um óleo capilar brilho, força, reconstrução capilar e proteção contra processos químicos. Pode ser usado tanto nos fios úmidos quanto secos, tem textura leve (em comparação com outros óleos que já testei, achei esse mais ‘líquido’, o que para mim é algo bastante positivo, porque ele realmente não pesa nos fios) e um perfume bem suave, não sei definir exatamente do que é, mas é um pouco floral e não me incomodou.

Como eu uso

Uso de várias formas – a mais comum delas é nos cabelos úmidos, depois de lavar. Retiro o excesso de água dos cabelos e em seguida espalho algumas gotinhas no comprimento e pontas (evitando a raiz sempre) dos fios. Acho que ajuda a pentear e ainda hidrata as pontinhas. Se acho que estou com os cabelos muito secos, aplico um pouquinho também nos fios secos (nesse caso, passo bem pouquinho, para não pesar). Ou, se tenho um pouco mais de tempo, faço uma umectação aplicando bastante óleo nos fios secos antes de lavar (o tempo varia de acordo com o tempo que eu tiver disponível, por ser meia hora, uma hora…). Como eu disse aqui em cima, para mim o melhor desse produto é que ele é bem leve e ao mesmo tempo eficiente – deixa os fios macios e hidratados, mas ainda soltinhos, sem pesar. Eu gostei bastante – dentre os que usei ultimamente, um dos meus preferidos.

Aqui tem o passo a passo certinho da umectação!

Composição

Não sou grande entendedora de fórmulas, mas achei positivo o fato de esse óleo não ter parafina na composição, que é um ingrediente conhecido por dar a sensação de hidratação aos cabelos mas sem de fato hidratar. A marca também não testa em animais.

Preço e onde comprar

O frasco com 70 ml custa entre R$ 25 e R$ 30 – achei que é um produto que rende bem, então achei o preço ok. Além desse de Ojon, a marca tem outros óleos, como o Rejuvenescedor 3D (não sei o que significa mas fiquei curiosa), o Pós-progressiva e o de Macadâmia para reposição de queratina. Tem para comprar em farmácias e em perfumarias – dá para consultar os endereços ou comprar online pelo site deles.

Para quem está procurando outras alternativas, aqui tem outro óleo que a Sá testou.

 

Quer ver o conteúdo mais antigo? Navegue em posts anteriores!
Página 1 de 1.40412345