Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Bom, como nos últimos dias assisti três filmes franceses muito bons, achei que era hora de um novo post sobre o assunto. Até porque dois deles ainda estão nos cinemas (um deles estreia essa semana, aliás). Então pegue sua baguete, seu vinho, e vamos lá:

Três filmes franceses para assistir já!

Uma família de dois (Demain tout commence)

filmes franceses

Esse é o único que já saiu dos cinemas. É a história de um homem que é o maior festeiro, não quer saber de nada e nem é muito responsável. Ele trabalha com passeios turísticos em uma praia – até que um dia uma moça com quem ele tinha se relacionado no passado chega até o iate onde ele estava e simplesmente deixa com ele a filhinha bebê dos dois. Que ele não sabia que tinha, claro. Como a mãe desaparece, ele acaba tendo que aceitar que vai criar a filha sozinho.

E minha gente, que fofura que é esse filme. A atriz que faz a filha, Gloria Colston (que, aliás, também se chama Gloria na história), é linda, talentosa, irresistível. E bom, se alguém resiste ao charme do Omar Sy, honestamente, boa pessoa não é. Ele é o charme e o carisma em pessoa. Aliás, já indiquei outros dois filmes com ele aqui no blog no passado, Intocáveis e Samba.

Monsieur et madame Adelman

filmes franceses

Esse ainda está nos cinemas, assisti nesse final de semana. É a história de amor de um casal que se conhece na Paris dos anos 1970. Ele, um escritor em início de carreira, ela, uma estudante de letras. Eles ficam juntos por mais de 40 anos e o filme mostra a história deles – mas não ache que é uma comédia romântica típica, não. É um filme cheio de sutilezas, crises de casal, problemas, momentos bonitos, lembranças boas, lembranças ruins e… Um final bem surpreendente.

Bônus: os atores principais, Doria Tilier e Nicolas Bedos, que interpretam Sarah e Victor, pra mim são o resumo do estilo francês. As roupas, cabelos, óculos, tudo, tudo – se você se interessa pelo estilo e charme franceses, como eu, vai amar.

Os meninos que enganavam nazistas (Un sac de billes)

filmes franceses

Como vocês podem imaginar pelo título, é uma história sobre a época da Segunda Guerra. Na Paris ocupada dos anos 1940, a família Joffo vive se separando e se reencontrando, tentando despistar os nazistas e sofrendo apenas por serem quem são. Os dois filhos mais jovens da família, Jo e Maurice, acabam sempre tendo que fugir juntos. É um filme que mostra a história pela ótica dos dois, mais inocente e até bem humorada.

É bom preparar os lencinhos. Até porque é uma história baseada em fatos reais – poucas coisas me fazem soluçar mais no cinema do que filmes baseados em histórias reais. Esse estreia essa semana!

E aí, quem se interessou por algum? Ou tem mais filmes franceses para indicar?

Bisous!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
14 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Eu sei que vocês adoram quando a gente indica filmes por aqui (inclusive, deem só uma olhada em todos os posts relacionados a esse tema que já fizemos)! É por isso que voltei para falar de um tipo que nem todo mundo gosta, mas eu adoro. E não é terror, porque esse gênero eu detesto! hahahaha

Sabem aqueles longas de difícil digestão, digamos assim? Mas não pelas imagens fortes – tô falando daqueles que nos fazem pensar por horas, dias e até semanas depois que assistimos (e, consequentemente, inclinam a gente a filosofar pesado sozinhas ou com alguém). Então! Pra quem é do tempo das locadoras de vídeo, são aqueles que ficavam numa estante intitulada Arte – sem muita explicação mesmo, porque esse é o lance, a subjetividade na interpretação.

Não sou nenhuma grande entendida de cinema, então essa minha seleção compreende filmes dos mais variados – desde alguns mais conhecidos do grande público até aqueles independentes, que ouço poucas pessoas indicando ou comentando a respeito. E aviso: talvez vocês odeiem, talvez vocês amem – e essa para mim é a graça, aqueles insights que a gente tira de algum longa recém-assistido (mesmo que pra isso a gente ferre com a nossa cabeça de tanto pensar, hahahaha).

Ok, chega de enrolação e vamos lá!

5 filmes para quem gosta de filosofar depois de assistir!

Fahrenheit 451 é um filme de 1966 baseado no livro de mesmo nome escrito por Ray Bradbury. Tem alguns anos que o vi pela primeira vez e me lembro de ter adorado cada segundo. Não quero dar muitos spoilers para quem nunca ouviu falar, mas pelo trecho acima é possível ter uma ideia. Como soa viver numa sociedade em que os livros são itens proibidos e os bombeiros cuidam para que sejam todos incendiados sem questionamento algum das pessoas comuns?

Fahrenheit 451

Direção: François Truffaut

Ano: 1966

Não tem na Netflix, busquem maneiras alternativas!

A Grande Beleza levou nada menos que um Oscar e um Globo de Ouro na categoria Melhor Filme Estrangeiro em 2014. Também pudera: o longa, que tem como personagem principal um sexagenário escritor que passa a questionar sua forma superficial de viver, é sensacional. A fotografia espetacular e o fato de a história se passar em Roma (<3) são só a cereja do bolo para os questionamentos acerca do próprio sentido da vida, tão fundamentais sobretudo com o envelhecer.

A Grande Beleza

Direção: Paolo Sorrentino

Ano: 2013

Onde encontrar: Netflix

O Teorema Zero é extremamente ame ou odeie. Tem gente que pira por semanas no que viu ali. Tem gente que fica louca da vida depois de assistir. Eu curti – e já vi várias vezes porque mostro pra todo mundo. Bom, pensem bem: pelo menos tem o Christoph Waltz, que é um p*t* ator, interpretando um expert em tecnologia bastante antissocial e pouco inserido na sociedade superficialista em que vive. Ele é desafiado, sem saber, a provar que o sentido da vida é que ela não tem sentido. Intrigante!

O Teorema Zero

Direção: Terry Gilliam

Ano: 2013

Não tem na Netflix, busquem maneiras alternativas!

O Congresso Futurista pode ser considerado um dos filmes mais loucos que eu já vi. Mas para mim é também um dos melhores. Metalinguagem sempre foi algo que me encantou – e o longa trabalha isso de maneira impecável. Vejam, é um filme sobre cinema. A atriz Robin Wright interpreta ela própria. Uma história que muda completamente em seu decorrer (da atuação real para a animação) sem perder a identidade. Para quem gosta de cinema enquanto manifestação humana, um prato cheio.

O Congresso Futurista

Direção: Ari Folman

Ano: 2013

Onde encontrar: Netflix

O Sétimo Selo é denso, já vou logo avisando! A começar pela língua usada, o sueco. Também há o fato de ser preto e branco. E falar sobre morte. Para quem pensa em assistir, indico que reserve sua melhor empolgação, porque cada diálogo é um tiro – dos bem doídos (aqui em cima tem um pequeno exemplo). A história, passada na Idade Média, mostra o trato de um cavaleiro com a morte: uma pausa para um jogo de xadrez em busca de sua própria redenção antes que a fatalidade aconteça.

O Sétimo Selo

Diretor: Ingmar Bergman

Ano: 1957

Não tem na Netflix, busquem maneiras alternativas!

Ufa! E, sim, eu tenho uma queda fortíssima por filmes que abordem coisas como o sentido da vida ou que se passam em sociedades paralelas, hahahaha! E, lembrando: esses são longas que eu gostei e que jogaram uma bomba no meu cérebro, mas não me responsabilizo caso detestem, ok?

Agora, um pedido para as cinéfilas de plantão: baseadas nesse estilo, o que teriam de bacana para me indicar? Contem nos comentários!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
14 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Se tem uma coisa que eu adoro é assistir a filmes baseados em fatos reais (seja contados antes em algum livro ou inéditos pro cinema)! E como andei vendo 2 desse tipo recentemente, resolvi fazer uma listinha de 5 – extensível para mais sempre! – dos que me emocionaram. Aproveita que hoje é domingo, pega a pipoca e dá aquela choradinha gostosa também!

filmes baseados em fatos reais

Intocáveis (2011)

Não confunda esse com “Os Intocáveis” (1987), aquele filme do Brian de Palma que traz Robert De Niro como Al Capone, um gângster que existiu de verdade também. Esse longa é ótimo, mas não é o caso aqui! Tô falando apenas de “Intocáveis” (2011), um filme francês que conta a história de amizade entre um cara da periferia de Paris – hilário, por sinal – com um tetraplégico milionário. O filme é muito sensível e bonito – chorei feito criancinha assistindo! Vi que está disponível no Telecine Play, dentro do NET Now, que é o que tenho aqui em casa, e também no Netflix.

Lion: Uma Jornada para Casa (2016)

Vamos falar de um filme que me fez chorar nível hard! Não tinha visto “Lion” (2016) quando estreou nos cinemas, então corrigi esse terrível erro dias atrás. Que longa mais lindo, sério! Ele conta a história verdadeira de um menino que se perdeu da família ainda pequeno e é adotado por pais australianos. Depois de anos vivendo bem, ele se dá conta de que precisa reencontrar suas origens. Menção honrosa para o ator mirim que interpreta Saroo quando criança – meu Deus, que criaturinha mais FOFA! <3 O filme está disponível para locação no NET Now por R$ 5,90 e tem ~DE GRÁTIS~ (pra assinantes, claro) no Netflix.

Na Natureza Selvagem (2007)

Esse é um favorito dos aquarianos! hahahaha Brincadeiras à parte, “Na Natureza Selvagem” (2007) é excelente para nos fazer lembrar do nosso lugar de privilégio no mundo – e olhar com mais empatia para tudo e todos que nos cercam. Christopher McCandless decide abandonar a zona de conforto e desaparecer pelos Estados Unidos em busca de quem é em essência. Depois de muitos encontros e aventuras, adota um novo nome: Alexander Supertramp. O filme é muito bonito e, para alguns (como eu), traz revelações importantes sobre a própria vida. Disponível no Netflix.

12 Anos de Escravidão (2013)

Me dói só de imaginar a época da escravidão tanto aqui quanto fora do Brasil. Agora pense em assistir a um filme baseado em fatos reais em que uma pessoa negra, já livre, é capturada e vendida como escrava – e assim permanece por 12 anos! Esse longa é extremamente tocante e muito difícil de assistir. Tem cenas bastante realistas, de cortar o coração. Mas, como o título mesmo sugere, há uma redenção ao fim. Prepare a cabeça (e o lencinho) para esse se quiser assistir! “12 Anos de Escravidão” (2013) está no Netflix e no Telecine Play.

O Discurso do Rei (2010)

Nossa, me lembro de ter assistido a esse filme no cinema e ficado muito emocionada (ao fim, devo dizer). Ele trata da história de um rei inglês – George VI – que enfrentou, de verdade, problemas sérios de gagueira, o que o impedia de falar em público. Depois de um tratamento de choque com um especialista – que rende momentos bem engraçados, inclusive – ele precisa encarar seu primeiro desafio: posicionar o reino em relação à guerra iminente. Colin Firth está perfeito nesse longa, PERFEITO! “O Discurso do Rei” (2010) é mais chatinho de encontrar, mas a nossa leitora Amanda disse que entra esse mês no Netflix, olha que beleza (valeu, guria!). <3

E então, gostou das indicações? Qual dos filmes baseados em fatos reais é seu favorito de todos os tempos?

Aproveita esse domingo cultural e rola a tela para baixo porque a Marina indica num post 5 autoras mulheres que ela adora ler!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
29 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Se planejando para descansar neste fim de semana? Então dá uma olhadinha nesses filmes de suspense, que estão disponíveis na Netflix, e que prendem nossa atenção por todos os segundos. Alguns deles são super antigões, mas todos super bons. Espero que você não tenha visto ainda!

Aproveita que vai ver filme e prepara a pipoca. Neste post você encontra 8 receitas sensacionais de pipoca doce.

Filme de suspense: Ilha do Medo

Filme de 2010, dirigido por Martin Scorsese e protagonizado por Leonardo DiCaprio e Mark Ruffalo (meu eterno mozão). A sinopse é a seguinte: “Edward Daniels (Leonardo DiCaprio) investiga o desaparecimento de um paciente no Shutter Island Ashecliffe Hospital, em Boston. No local, ele descobre que os médicos realizam experiências radicais com os pacientes, envolvendo métodos ilegais e antiéticos. Teddy tenta buscar mais informações, mas enfrenta a resistência dos médicos em lhe fornecer os arquivos que possam permitir que o caso seja aberto. Quando um furacão deixa a ilha sem comunicação, diversos prisioneiros conseguem escapar e tornam a situação ainda mais perigosa e aventureira”

Na Netflix: 7 filmes de suspense para ficar grudado na cadeira

Amnésia

Esse é um dos meus filmes preferidos da vida pela forma como ele é contado, é sensacional e no começo dá um nó no cérebro da gente. Sinopse: “Leonard Shelby é um homem que sofre de um tipo de amnésia que não permite que ele adquira novas memórias. Os eventos são separados em duas narrativas: uma em cores, e a outra em preto e branco. As sequências em preto e branco são apresentados em ordem cronológica, mostrando Leonard conversando com um desconhecido pelo telefone em um quarto de motel. A investigação de Leonard é mostrada nas sequências em cores, que são apresentadas em ordem reversa. No momento que cada sequência começa, o público não sabe os eventos precedentes, do mesmo modo que Leonard, deixando o espectador com a sensação de confusão. No fim do filme as duas narrativas convergem e nós entendemos a investigação e os eventos que levaram a morte de Teddy.”

Na Netflix: 7 filmes de suspense para ficar grudado na cadeira

Copycat

Em São Francisco vive Helen Hudson (Sigourney Weaver), que é uma psiquiatra criminal especialista no comportamento de serial killers mas sofre de agorafobia desde que foi atacada por um deles. Juntamente com a inspetora de polícia M.J. Monahan (Holly Hunter), ela luta contra o tempo para pegar um serial killer que é discípulo do seu agressor e copia todos os passos de criminosos do passado. O filme é de 1995.

Na Netflix: 7 filmes de suspense para ficar grudado na cadeira

Os suspeitos

Keller Dover (Hugh Jackman) leva uma vida feliz ao lado da esposa Grace (Maria Bello) e os filhos Ralph (Dylan Minnette) e Anna (Erin Gerasimovich). Um dia, a família visita a casa de Franklin (Terrence Howard) e Nancy Birch (Viola Davis), seus grandes amigos. Sem que eles percebam, a pequena Anna e Joy (Kyla Drew Simmons), filha dos Birch, desaparecem. Desesperadas, as famílias apelam à polícia e logo o caso cai nas mãos do detetive Loki (Jake Gyllenhaal). Não demora muito para que ele prenda Alex (Paul Dano), que fica apenas 48 horas preso devido à ausência de provas contra ele. Alex na verdade tem o QI de uma criança de 10 anos e, por isso, a polícia não acredita que ele esteja envolvido com o desaparecimento. Entretanto, Keller está convicto de que ele tem culpa no cartório e resolve sequestrá-lo para arrancar a verdade dele, custe o que custar.

Na Netflix: 7 filmes de suspense para ficar grudado na cadeira

Hush

A autora Maddie Toung (Kate Siegel) vive uma vida isolada desde que perdeu sua audição quando era adolescente, vivendo em um mundo de total silêncio. Porém, quando um rosto mascarado de um assassino psicótico aparece em sua janela, Maddie precisa ir além dos seus limites físicos e mentais para conseguir sobreviver. O filme tem algumas falhas, mas não nego que é um daqueles suspenses que deixam a gente sem fôlego.

Na Netflix: 7 filmes de suspense para ficar grudado na cadeira

À procura

Matthew (Ryan Reynolds) estava dirigindo seu carro e parou para fazer uma rápida compra, deixando a filha de nove anos, Cass (Peyton Kennedy/Alexia Fast), no banco de trás. Ao retornar, ela havia desaparecido sem deixar pistas. Os policiais Nicole (Rosario Dawson) e Jeffrey (Scott Speedman) assumiram o caso, mas nada descobriram. A primeira pista sobre a garota apenas surge seis anos depois, quando os policiais estão investigando uma grande rede de pedofilia.

Na Netflix: 7 filmes de suspense para ficar grudado na cadeira

Se você gosta de séries, veja 10 ótimas indicações aqui.

Filme de suspense: Dormindo com o Inimigo

Completando o time dos filmes antigos, este é de 1991! Em um casamento que já dura quatro anos Sara (Julia Roberts) e Martin (Patrick Bergin) personalizam o par perfeito, mas na realidade o marido espanca regularmente sua mulher. Para escapar desta tortura diária, Sara simula sua própria morte e foge para outra cidade, a fim de recomeçar sua vida com uma nova identidade. Após algum tempo ela se apaixona, mas seu marido descobre indícios de que ela pode estar viva e decide encontrá-la de qualquer maneira.

Na Netflix: 7 filmes de suspense para ficar grudado na cadeira

Se tiver mais alguma dica para nos dar, fala aqui nos comentários!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
17 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários