Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Mala para a neve: o que levar para o friozão

Quando fui fazer a mala para a neve fiquei com medinho de não levar roupa suficiente e passar frio, mas agora que voltei dos 6 dias fora, posso contar o que efetivamente usei. Quem sabe não te ajudo para quando tiver a oportunidade de viajar para algum lugar friozão!

Viajei no final de abril, então nos Estados Unidos, já era primavera. Para você ter uma ideia, em Denver, a cidade onde chegamos, estava com temperatura por volta dos 20 graus, bem tranquilo. Já em Vail, que é no meio das montanhas e bem alto, a temperatura oscilava entre -6ºC e 18ºC, o que complica a vida de quem não está disposto a carregar a casa inteira na mala.

Para dias fresquinhos

Nessa categoria entra a temperatura por volta de 10ºC, que não chega a ser um frio lazarento, mas também não dá para sair de braços de fora na rua. Nessa hora eu usava aquelas meias grossas, que podem ser de zilhões de fios ou aquelas forradinhas que já comentei aqui no blog. As forradas esquentam mais! Também apostava nas botas, casaquinho e casacão. Por baixo de tudo isso dá até para usar um vestido ou camiseta de manga curta porque, em todo lugar que a gente entra, o aquecedor está a mil, então sempre passamos calor com roupa demais.

Como em Curitiba é super frio, tenho alguns casacos pesados de lã, mas caso você seja muito friorenta e tenha um dinheirinho guardado, vale a pena comprar lá fora mesmo, aqueles casacos gordinhos e forrados. Melhor ainda se for impermeável. Eles não são a coisa mais linda e fashion do mundo, mas esquentam muito mais que o melhor casaco que a gente encontre por aqui.

Veja também, o que levar na mala de viagem para Curitiba.

Mala para a neve: o que levar para o friozão

A bota de cano baixo e a sapatilha são da Tutu Sapatilhas.

Abaixo de zero

Esqueça o vestido, o negócio aqui vai ser fazer camada sobre camada de coisas quentinhas. Só enfrentei essa temperatura em um dia de viagem e nele fui de bota, meia calça forradinha, leging grossa, segunda pele, blusa de lã, casaco forrado, luva e protetor para orelha. Ainda dá para apostar em cachecol e uma touquinha. Lembre, se você for passear e ficar na rua, vai enfrentar o vento gelado! Mas toda vez que entrar em um café ou numa loja, vai morrer de calor no aquecimento. O truque é ter camadas! Nesse dia passeamos pela cidade e acabou nevando, fiquei feliz de estar com o casaco impermeável, assim não me molhei nadinha e só passei frio no rosto. RISOS

Mala para a neve: o que levar para o friozão

Mala para a neve: o que levar para o friozão

A bota foi comprada na Riachuelo faz uns 6 anos atrás. A blusa de lã é da Farm e o casaco foi comprado na Columbia nos EUA.

Para esquiar

Na montanha é frio, mas a gente se movimenta bastante carregando equipamento e descendo morro abaixo. Teve umas horas que até fiquei com calor – mas lembre que já estávamos no final da temporada de neve!

O recomendado aqui é apostar na meia calça grossa ou segunda pele, calça forrada e impermeável, blusinha segunda pele e o casaco grande forrado e impermeável. Se estiver muito muito frio, vale ter um casaco leve intermediário também.

Mala para a neve: o que levar para o friozão

Com o casaco e com a segunda pele.

Não esqueça as luvas impermeáveis, pois vai por mim, a gente cai bastante e ter algo entre a pele e a neve é uma boa ideia. Se você não tiver roupa impermeável e não quiser investir nisso, não tem problema, mas toda vez que cair ou nevar, sua roupa vai molhar e pode ser que comece a sentir muito frio. Para o invernão, leve também uma touca e cachecol. Bota para esquiar, capacete e equipamentos são alugados todos juntos.

Não esqueça o óculos de sol e de passar MUITO protetor solar. A neve reflete a claridade que é uma beleza e é dois palitos para se queimar.
Para quem vai para o Atacama, aqui tem um post muito completo com dicas do que levar na viagem.

O que levei e efetivamente usei

Para ajudar, segue uma listinha do que levei e usei mesmo para a viagem de 6 dias no final de abril, começo da primavera, para Vail no Colorado nos Estados Unidos. Nesta viagem teve esqui, passeio na cidade e também jantares mais arrumadinhos, então precisei levar coisas mais bonitinhas e outras mais quentes.

– 1 bota de cano curto
– 1 bota acima do joelho (uma bota só que dê para usar com calça e vestido já é suficiente, pirei aqui!)
– 1 sapatilha
– 4 meias calças preta forradas
– 2 meias calça preta finas
– 1 vestido
– 2 macaquinhos (frescura para não repetir roupa no jantar, mas um já dava)
– 2 camisetas
– 1 legging de tecido grosso
– 1 blusa de lã quentinha
– 1 calça impermeável (comprei lá)
– 1 jaqueta pesada impermeável (comprei lá)
– 2 casacos pesados que já tinha (acho que 1 só era suficiente, pois depois que comprei a jaqueta, só usei esse para sair a noite)
– 1 par de luvas
– touca ou protetor de orelha
– cachecol
– 1 bolsa que combine com todas as roupas
– 1 mochila pequena

Não esqueça: óculos de sol, protetor solar e hidratante para corpo, lábios, rosto e tudo mais. O ar é muito seco em Vail. Se esqueci de algo, me conta nos comentários! Vamos se ajudar!

Mala para a neve: o que levar para o friozão

Esse foi o dia mais gelado da viagem e não passei frio. De manhã cedo estava -6ºC. O protetor de orelha foi comprado na Disney em outra viagem.

Preço dos casacos e calças para o friozão

Como chegamos na primavera, encontramos várias promoções de roupas de frio. Em Vail e Breckenridge não tem uma variedade imensa de lojas, por exemplo, você não encontra uma Forever 21 pertinho. Mas tem bastante loja de roupas esportivas com modelos específicos para neve. Os casacos grandes, forrados e impermeáveis custam mais ou menos US$150, mas na promoção, saiam por US$30. O mesmo com as calças forradas e impermeáveis, que custam em média US$80 e estavam por US$25 na promoção. A blusinha fina de segunda pele estava por US$10. Caso vá esquiar e precise destas roupas específicas, também dá para alugar em lojas perto da estação de esqui.

Se você viajar para uma cidade maior, vale uma passada no shopping para encontrar um casaco mais quentinho. Ele não precisa ser desses específicos para esquiar e certamente vai custar bem menos que em uma loja esportiva.

Para quem não curte posts de viagem, pode ficar tranquila que já já volto com as resenhas, só preciso me organizar por aqui. 🙂

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
13 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

E aí está o tradicionalíssimo post de compras (com dicas de lojas, claro) que faço sempre depois de viajar! Para verem as versões Roma e Estados Unidos, é só clicar nos links. O foco hoje é Dublin – vai ter de Londres também, apesar de eu só ter passado 4 dias lá (mas as compras renderam, risos).

Confesso pra vocês que quando fui pra Irlanda nem tava querendo nada em especial, muito menos pensava que tinha tanta loja lá pra ver! Mas aí né, um mês se passou e quando vi tive que comprar uma mala extra na Penneys (amor verdadeiro, amor eterno) pra colocar tudo dentro! hahahaha

Minhas compras em Dublin

E, já que comecei comentando sobre a Penneys, aí estão minhas aquisições por lá. Para quem não sabe, essa loja é a mesmíssima coisa que a famosa Primark, só que com um nome diferente – não sei por quê raios eles mudaram na Irlanda, mas ok. O importante é que dá para encontrar uma em cada esquina de Dublin, praticamente. E, sério, depois que você entra, fica difícil sair! É um poder de abdução inacreditável, minha gente! hahahaha Para ver tudo, é preciso estar com tempo livre, pois as unidades costumam ser enormes, com vários andares e todas as coisas imagináveis dentro.

compras em dublin

A seção de meias é uma coisa enlouquecedora – tem de todos os tipos, cores e tamanhos! Aproveitei os preços bem camaradas para refazer meu estoque. Afinal de contas, quando é que a gente compra 5 pares por módicos R$ 14 reais aqui no Brasil? Às vezes esse é o preço de um par.

Os destaques na foto aqui em cima, para mim, são três. Primeiro as meias calças fio 300 (!) com fleece no interior – essas foram dica da mãe da Sá, que me encomendou logo 4 (comprei uma pra mim porque não sou boba nem nada!). Aí tem também as meias de modal que são, sem brincadeira, as mais macias que já senti na vida. E, por último, as meias tipo sapatilha, perfeitas para usar com tênis de cano baixo – comprei um conjunto com 5 pretas e outro com 5 brancas.

compras em dublin

Ainda nessa vibe conforto, escolhi um pijaminha novo para usar no frio que anda fazendo por aqui. O legal é que lá na Penneys, além dos conjuntinhos, você pode escolher peças separadamente e coordenar como quiser. Esse modelo de calça, de tecido bem macio e molinho, estava disponível em várias estampas diferentes! Vi blusas de manga longa e botão de diversas cores também.

compras em dublin

Na loja, dá para encontrar artigos de decoração, utilidades para a casa, papelaria… E eu não resisti às fofuras que encontrei! Minha primeira compra foi essa garrafinha para água que me acompanhou o mês todo porque enchia em casa para não ter que comprar na rua! Também arrematei o penal (desculpa, sou curitibana, hahahaha) mais gracinha do universo, em formato de caixa de leite! Ele é da Tokidoki e usei para colocar meu ~material escolar pras aulas de inglês, por isso tá meio sujinho já.

Existem duas ruas bem bacanas para se fazer compras em Dublin: a Mary Street (que depois vira Henry Street) e a Grafton Street, ambas com passagem exclusiva para pedestres! Na primeira, há lojas como a própria Penneys, a H&M, a Aldo… Além disso, nela fica a entrada do Jervis, um shopping com Forever 21, Topshop, Stradivarius, Boots… Na Grafton, as lojas são mais chiques e caras, digamos assim.

compras em dublin

Quando fui pros Estados Unidos, não me encantei muito com as roupas da H&M não. Mas em Dublin, quando dei um pulinho lá, acabei curtindo mais coisas! Encontrei duas blusas de lã muito gostosinhas, uma mais leve e outra mais pesada, para enfrentar o frio que estava começando na cidade. Complementei com um cachecol que foi meu super companheiro também em Londres e no avião!

compras em dublin

Lembro que quando fui na Aldo, também lá nos EUA, achei tudo muito caro – e lá em Dublin é a mesma coisa, na verdade! Mas olhei essa bolsa na vitrine um dia e fiquei só naquele namoro, ainda avaliando se iria adquirir ou não. Depois de uma semana sem esquecer a bendita, fui lá e comprei! Ela é de couro sintético, então não boto muita fé de que vá durar bastante (uso a mesma bolsa todo dia, sem trocar). Mas ok, vamos ver se dessa vez eu tomo mais cuidado também.

compras em dublin

A Forever 21 já está no Brasil há um tempo, por isso não quis pirar muito nela. Entretanto, acabei achando essa pantufinha linda e comprando porque a minha de ovelha tava em seus últimos dias. Também adquiri uma fivela de laço pro cabelo e uma touca de banho de unicórnios – sim, tenho 30 anos, mas não tô nem aí (vide minhas demais compras, hahahaha).

Nos Estados Unidos tá cheio de outlets, mas na Irlanda isso não é tão comum (o que tem lá mesmo são lugares com coisas de segunda mão, para quem tem paciência de garimpar!). A única loja mais ou menos nesses moldes é a TK Maxx, presente em vários endereços pelo país – fui na do shopping Ilac.

compras em dublin

Achei o lugar bem bagunçado, mas é aquela coisa: quem curte uma barganha precisa estar disposto, não é mesmo? Consegui encontrar um perfume da Burberry cheirosíssimo por 20 euros (dica da minha amiga croata – imitei mesmo! hahahaha). Além disso, comprei um jogo de toalhinhas de mesa com âncoras e um extrator de cravos SUPER Dr. Pimple Popper!

Quando fui para Roma, minha mãe disse que entrou numa loja sensacional chamada Tiger – mas eu não tive tempo de ir! Curei a vontade lá em Dublin e fiz a festa, aliás! Cara, se existisse no Brasil pelos mesmos preços que na Europa eu estaria perdida, sério.

compras em dublin

Comprei os guardanapos mais legais do universo, uma escovinha para lavar louça (isso não é tão comum por aqui, mas considero uma mão na roda), um kit com duas bandejas para café da manhã e uns copos descartáveis onde pretendo colocar todos os meus pincéis.

compras em dublin

Além de coisas para casa com um design incrível, a Tiger tem também itens de papelaria belíssimos. Comprei cartões, clips em formato de triângulo (por que não? hahahaha) e um bloquinho de prós e contras – acreditem ou não, faço esse tipo de lista com mais frequência do que muita gente! Tive que cortá-lo pela metade porque a parte de baixo destruiu-se na mala, risos.

E os cosméticos, Thais? Bom, para começo de conversa, queria dizer que NÃO TEM SEPHORA NA IRLANDA. Isso mesmo, pessoal. E, se não tem na Irlanda, não tem em Dublin. Tive que me ~contentar com a Boots, mas confesso que achei as coisas meio caras e não vi nada de tão diferente do que a gente costuma achar por aqui (cheirei as coisas da Soap & Glory e não bateu AQUELE amor).

compras em dublin

Pra não dizer que não comprei nada nessa categoria, arrematei só coisas de que estava precisando mesmo: um desodorante cheiroso demais da Dove, um removedor de esmaltes Cutex (que promete hidratar cutículas e unhas) e um shampoo a seco da Aussie – a marca é super cara em comparação com os EUA, mas não resisti à novidade. Numa farmácia lá no Temple Bar, achei algo para minhas pernas e pés cansados das andanças pela cidade. Já no free shop de Munique, comprei a versão à prova d’água de uma das minhas máscaras favoritas de todos os tempos: Volume Effet Faux Cils, da YSL.

Tá, eu sei que o post tá ficando enorme, mas tenho uma ANEDOTA maravilhosa para contar antes de mostrar as últimas compras em Dublin. Sonhei por 3 dias seguidos que estava indo embora pro Brasil sem comprar suvenires pra mim e pra minha família. Acordava desesperada e me sentindo a pior pessoa do mundo – tipo, “como pude esquecer???”, hahahaha!

compras em dublin

A real é que nem sou tão fascinada assim por eles no geral, mas Dublin fez o favor de ~institucionalizar a venda desse tipo de artigo numa loja chamada Carrolls que, assim como a Penneys, dá pra encontrar em tudo quanto é canto. E, no fim, tem bastante coisa bonitinha, de bom gosto, por lá! Me fascinei com a linha The Black Sheep e comprei ímã de geladeira, isqueiro (com lanternina, hahahaha) e chaveiro. Também não podia ir embora sem adquirir uma pint de Guiness, né?

Ufa! Finalmente vou parar de escrever – coisa que adoro, mas é que tô há horas nesse mesmo post. COMPRA, DIABA, COMPRA! hahahahahaha É nisso mesmo que dá. Espero que tenham matado a curiosidade sobre as coisas que trouxe na mala e que possam ter nesse post um guia para uma futura viagem! Agora beijos, cheers e sláinte procês!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
19 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Cês nem venham querer me enganar porque, mesmo que a cidade não seja exatamente uma GRANDE METRÓPOLE, sei que muitas têm bastante vontade de fazer uma viagem para Curitiba! Afinal de contas, nessa época do ano o friozinho começa a surgir e, com ele, a vontade de usar casacões pesados, comer um pinhão, tomar um quentão e se tremer inteira nos parques por causa do vento gelado vem com tudo. Por isso, no post de hoje vou dar algumas dicas da mala ideal para quem está de passagem marcada para a bela capital do Paraná!

#1 As quatro estações num dia só

viagem para curitiba

É bordão de todo curitibano: “aqui faz as quatro estações num dia só” – e taí uma verdade, pelo menos em partes. Claro que não faz um calor de matar, aí chove, depois neva e as flores desabrocham no fim do dia, mas realmente a cidade nos brinda com mudanças meio loucas de temperatura. Curitiba é úmida, chuvosa e tem um vento gelado nessa época do ano (pelo menos quando o El Niño não vem dar uma de louco por aqui). Por isso, vale sempre – como em qualquer viagem – dar aquela checada básica na previsão do tempo antes de fazer a mala. E sempre com aquele pezinho atrás e alguma garantia, porque tudo pode mudar!

#2 Na dúvida? Técnica da cebola!

viagem para curitiba

Isso toda pessoa que mora aqui acaba aprendendo. Às vezes tá aquele frio lazarento (#curitibanices) de manhã, mas ao meio dia o sol dá o ar da graça e derrete a gente por dentro. Aí volta a esfriar à noite. Então, na dúvida, melhor usar a maravilhosa técnica da cebola e criar camadas. Num dia típico de outono/inverno, eu usaria, por exemplo, um calçado fechado (bota, sapatinho masculino), calça jeans (que eu acho a coisa mais versátil de todos os tempos) ou de sarja, uma blusa mais levinha de manga curta, uma blusa de lãzinha por cima, um casaco mais pesado e um cachecol. Aconteça o que acontecer, essa ideia de visual permite que eu vá construindo ou desconstruindo as camadas!

#3 Chove, chuva, chove sem parar

viagem para curitiba

Como disse, em Curitiba chove. Então não há cidadão que saia na rua sem estar preparado pra isso. Eu, por exemplo, vivo com uma sombrinha dentro do carro. Minha sugestão é: se estiverem com viagem marcada pra cá, tragam também. E, por mais chato que pareça, carreguem a bendita para tudo que é canto! Vai salvar vidas! Outra dica para evitar a chatice que é molhar os pés nas poças do petit-pavé é usar sempre calçados fechados, da forma como comentei ali em cima: botas, sapatinhos masculinos e até tênis. Galochas eu acho exagero comprar – nem eu que vivo há quase 30 anos aqui tenho, apesar de que às vezes até acho uma boa ideia porque né, chuva eterna.

#4 “As curitibanas são muito chiques!”

viagem para curitiba

Sempre acho que essas generalizações são muito relativas. De qualquer forma, talvez a ideia de que as mulheres daqui se vestem bem seja justamente por causa do clima, uma coisa assim meio cinza, meio clássica, meio europeia, hahahaha! Mas, sinceramente, acho que cada uma deve se vestir como quiser e como ficar mais confortável, sem essa preocupação demasiada em se encaixar no estilo da mulherada daqui (se é que existe de fato algum). Se usar botas e cachecóis for mesmo um sonho, uma combinação bonita e boa para o frio é saia ou vestido com meia calça grossa e um casaco quentinho por cima. Eu curto bastante usar esse tipo de roupa nos meses gelados!

Para outras dicas relacionadas à cidade, não deixem de conferir a seção Em Curitiba!

Bom, espero ter dado uma luz pra quem deseja fazer uma viagem para Curitiba! Se precisarem de mais ideias, mandem nos comentários que eu faço consultoria – dez pila! Mentira, hahahaha!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
53 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários

Mesmo depois de fazer um montão de posts sobre o Atacama, dando informações super completas sobre clima e temperaturas, ainda estamos recebendo muitos pedidos de dicas do que levar na mala. E como aqui as leitoras mandam, lá vai tudo super explicadinho!

O que levar na mala para o Atacama

Em que época do ano você vai viajar?

Essa é a primeira pergunta que você tem que se fazer. Eu fui em janeiro, então era muito calor durante o dia e fresquinho a noite. Mas durante o inverno as temperaturas mudam e em fevereiro existe o inverno altiplânico, então é melhor pesquisar antes de começar a fazer sua mala. A melhor fonte de informações é a internet. Procure por “clima no Atacama” ou “temperatura no Atacama”, certamente encontrará algum site com informações sobre o clima atual. Como eu viajei no começo do ano, só sei informar sobre esta época específica.

O que levar na mala para o Atacama

Pesquise na internet como está a temperatura por lá!

Nos mesmos sites que encontrará informações sobre o clima, você verá dados sobre as temperaturas mínimas e máximas. Anote ai que elas são importantes para você! Caso não ache o clima específico do deserto, procure pelo clima em San Pedro de Atacama. Eu encontrei até naquele aplicativo de clima que já vem no celular.

O que levar na mala para o Atacama

Qual roupa é adequada para esse clima?

Agora que você tem a informação das temperaturas, imagine ai que roupa seria adequada para usar nesse clima. Quando fui para San Pedro, em janeiro deste ano, a temperatura durante o dia ficava por volta dos 30ºC. Então levei 4 shorts e umas 6 camisetas leves que combinavam com os shorts para ficar lá durante 6 dias. Na cidade, eu usava chinelo mesmo, mas se quiser, pode levar uma sandália ou alpargata confortável.

Ao anoitecer, soube que a temperatura ficaria por volta dos 20ºC, então imaginava que seria fresquinho, mas não exatamente frio. Por isso levei uma jaqueta leve, que pudesse usar junto com os shorts e camisetas. Ela me protegeu do friozinho, do vento nos passeios e até do sol quando ele estava muito forte. A jaqueta que tenho é da Uniqlo, na cor preta, e pode ser dobrada cabendo num saquinho pequeno.

Para os passeios que acabavam no pôr do sol ou para os que eram feitos muito cedo, levava uma calça dentro da mochila para caso o frio me incomodasse. Alguns dias eu cheguei a trocar o shorts por ela, em outras vezes, não senti a necessidade. Vai de quão friorento é o freguês.

O que levar na mala para o Atacama

Lembre, você está indo para uma aventura!

Pense que fará trilhas e caminhadas no deserto, ou seja, seu calçado vai encher de terra!  Então leve um que possa usar nessas trilhas e que não tenha o solado muito liso. Você andará sobre pedras, então tome cuidado para escolher algo que não escorregue sobre elas. Tenha consciência que fará muitos passeios, andará bastante e ficará em pé por algum tempo, então priorize seu conforto.

Levei na minha mala um tênis de academia mais velhinho e em tom de cinza escuro, então estaria super confortável e não ficaria triste se ele sujasse demais. Outra sugestão é usar uma bota confortável e com solado antiderrapante.

O mesmo vale para as roupas, escolha coisas confortáveis, que possam sujar e ficar cheinhas de terra. Confesso que acabei deixando o senso de moda meio de lado e optando por coisas mais práticas, mas acredito que dá sim para unir as duas coisas, caso você queira! Nos passeios é melhor não ir de saia ou vestido, você vai sentar, pular, passar por cima de pedras e a saia não será muito prática. Caso vá para as Termas de Puritama ou para a Lagoa Cejar e planeja entrar na água, leve roupa de banho.

O que levar na mala para o Atacama

Já sabe quais passeios quer fazer? Fique de olho nas altitudes!

As agências costumam indicar as altitudes e horários dos passeios, quanto mais alto, mais frio! Para os que ficam por volta dos 4.000 m, use calça e jaqueta leve. Em janeiro tinha um ventinho gelado de manhã cedo. Ao longo do dia esquenta e você pode trocar a calça pelo shorts, mas nestes casos, dificilmente tirei a jaqueta leve.

O que levar na mala para o Atacama

Vai para os geisers? Se prepare porque lá é muito alto e o passeio começa antes do nascer do sol, ou seja, as temperaturas vão abaixo de zero. Quando estava lá, perguntamos para os guias e soubemos que a temperatura estava chegando a -5ºC de manhã cedo, então me preparei para o friozão. Coloquei meia calça, calça e bota. Camiseta, blusa de lã, casacão, cachecol e protetor de orelha. Quando o sol nasceu, a temperatura voltou a subir, e quando fomos embora do parque, tinha trocado o casacão e a blusa de lã, pela jaquetinha leve (sempre ela). Quando voltei para San Pedro corri trocar a calça e a bota porque estava quase derretendo.

 O que levar na mala para o Atacama
O que levar na mala para o Atacama

Faça calor ou frio, o sol queima bastante!

Mesmo me cuidando e passando protetor solar o tempo todo, acabei me queimando no sol. Então siga meu conselho, leve boné ou chapéu e não esqueça o óculos de sol. Durante o dia em San Pedro, eu usava um lenço fininho sobre a cabeça e colo para não passar calor, e não me queimar mais ainda.

Então resumindo, a lista de mais ou menos o que levei na minha mala para o Atacama, para ficar 6 dias, foi:
– 4 shorts
– 6 camisetas
– 2 maiôs
– 1 toalha
– 1 jaqueta leve
– 1 tênis confortável e que pudesse sujar bastante
– 1 bota para o frio
– 6 meias para usar com o tênis
– 1 chinelo
– 1 sapatilha (para voltar usando no avião)
– óculos de sol
– 1 boné
– 1 lenço para proteger do sol
– 1 cachecol para o passeio no Geiser
– 1 protetor de orelha para o passeio no Geiser
– 1 casaco pesado para o passeio no Geiser
– 1 blusa de lã para o passeio no Geiser
– 1 meia calça grossa para o passeio no Geiser
– 1 calça confortável
– Lingerie para 6 dias
– 1 mochila pequena para carregar câmera, jaqueta, água e alguns cosméticos durante o dia.

Não deixe de ver também os passeios que fizemos no Atacama:
– Dia 1: Vale da Lua e Vale da Morte
– Dia 2: Lagunas Altiplanicas
– Dia 2 (noite): Tour Astronomico
– Dia 3 (manhã): Termas de Puritama
– Dia 3 (tarde): Laguna Cejar
– Dia 4: Geisers el Tatio
– Dia 5: Salar de Tara
Informações gerais, onde ficar, o que levar e preços em San Pedro do Atacama
Cuidados com o corpo no Atacama

Não quis comprar nada específico para a viagem porque sabia que não usaria depois, por isso me virei com as roupas e calçados que já tinha em casa. Levei uma mala média, pois a blusa de lâ e o casaco pesado ocupavam muito espaço.

Espero que agora tenha ajudado de verdade e que sua mala seja um sucesso!

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
32 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários