Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Como vocês sabem, meus 30 estão chegando – fiz o favor de alardear esse fato porque gosto de fazer aniversário! hahahaha Mas também acho que o mês que precede a data é feito para refletir. Uns o chamam de inferno astral (e é fato que algumas coisas dão meio “errado” nesse tempo, porém, para mim, é tudo questão de como a gente encara).

Então vamos dizer que, nesse vai e vem astrológico que precede o dia em que completo mais um ano de vida, eu pensei pra caramba sobre mim – e sobre todas nós. E é o resultado de muitas sessões de devaneio pessoal que hoje venho compartilhar por aqui. Sentem que lá vem história (como sempre)!

Fazer 30 anos é um daqueles marcos da vida – do mesmo jeito que nascer, completar 10 anos, depois 15, então 18. Só que a diferença é que, agora, não passa mais nenhum lampejo de voltar atrás. Minha cabeça constantemente tem me dito: “seja bem-vinda, em definitivo, ao mundo adulto!”. E isso não é ruim, mas me traz uma responsabilidade.

Não estou falando das tradicionais pressões que envolvem a chegada das três décadas, não. Com elas eu não me preocupo – ou melhor, me preocupo bem menos do que antes (e ainda há um caminho até me livrar de todas). Estou falando mesmo é sobre a necessidade que às vezes bate na gente de encontrar quem somos de fato.

Soy Yo

Evidentemente, essa não é tarefa para ser colocada como prioridade no curto prazo de um mês. Mas é como se esse mês tivesse me empurrado para refletir ainda mais. Por isso, o título do post fala sobre se expor – não apenas o que eu faço por aqui. Estou mencionando a exposição que eu e vocês inevitavelmente passamos, aquela que é obrigatória todos os dias, sem trégua, porque é isso que se chama viver.

Comecei a olhar para trás e percebi que, mais do que nunca, estou me expondo. Tenho feito coisas que há pouco tempo não me permitiria fazer – por medo, por insegurança, por preguiça. E como é gostoso ver que, na verdade, essa soltura para a vida tem feito de mim uma pessoa que se conhece um pouquinho mais.

Vou dar alguns exemplos para isso não ficar tão abstrato. No último sábado, fui a uma festa sozinha, apenas tendo uma amiga como referência. Antes, talvez, teria grudado nela e não largado nunca mais. Mas não. Me apresentei para as amigas dela, depois para as amigas de amigas e, quando vi, estava cercada de gente. As pessoas estavam me chamando pelo nome. Dancei, ri, conversei sobre as coisas mais variadas e fui embora.

Outra história, essa bem mais próxima da realidade, tem a ver com um desejo antigo: escrever. Como jornalista e blogueira, é o que faço sempre. Mas estou falando de escrever outras coisas: quero romances, quero contos, quero poemas. Lá atrás, aos sete anos, escrevia várias dessas histórias. É porque criança tem tanta pureza que não está em questão se aquilo que fez é, de fato, bom – e bom para quem, não é mesmo?

Resolvi deixar as amarras para trás e tenho estudado. Estou a uma aula de terminar um curso para escritores. Tenho lido para me aprimorar. E meus pequenos recortes da vida estão todos sendo colocados na minha página pessoal do Facebook, para todo mundo ver – as pessoas gostarem ou não tem sido menos importante do que o prazer de ter sido corajosa, de ter feito, de, afinal, ter me exposto.

Quer dizer: foram necessários 30 anos para eu perceber, agora como um veredito, que a maior graça da vida é essa coisa de dar a cara a tapa mesmo. É viajar se quer viajar; é dançar como se não estivesse ninguém olhando; é cantar mesmo que não cante bem; é testar uma receita nova; é se deixar abraçar por quem nos ama; é, enfim, se permitir.

Para mim, aconteceu assim. Talvez para algumas – ou várias – de vocês já tenha acontecido. Para outras, talvez não, e o clique que faltava está aqui, nesse texto. Não sei. Mas o que desejo para mim e para todo mundo que teve paciência de ler minhas pirações sobre a vida até o fim é só uma coisa: muita vontade de se expor. <3

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
61 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários
Nos conte o que tem a dizer

Para usar avatar, cadastre-se com seu email em gravatar.com
O que nossas divas já nos disseram
  1. Larissa Bilar

    Thais! Que texto bacana! Tenho acompanhado aqui pelo blog mesmo essa sua nova aventura em escrever além dos posts de beleza, e seus textos têm sido muito bem vindos! São muito pertinentes! Eu quase não comento (aliás, nunca comento), mas esse texto me pegou! Fiz 30 ano passado e passei também por essa fase de questionar quem eu sou!
    Os 30 para mim estão sendo minha melhor fase! Tenho certeza que para você também será! Porque segurança é uma sensação tão maravilhosa que vai além de estética, do que os outros pensam! E os 30 nos permite essa sensação de que “agora é pra valer colega, se joga”
    Bons 30!!!
    Beijos

    • Keylla

      Trintei o ano passado. Pra mim foi um presente e um turbilhão de questionamentos, além de novos valores pessoais e nova visão de mundo.
      Jamais voltaria à ansiedade dos 20. Muito mais a leveza de ser e viver o presente dos 30. Viva intensamente essa sua fase, Thais!
      É muito lindo e enriquecedor 🙂

    • Erika/SP

      Concordo com vc Keylla, não voltaria jamais pros meus 20 e poucos anos!!! Agora aos 32, me sinto muito mais segura de si, mais tranquila e me importando menos com o que os outros pensam! 🙂
      Beijos para todas e bom feriadão!!!

    • Queridas! Ler o que vocês comentam me faz muito bem – é legal ver que estamos todas no mesmo barco! <3

  2. Keka

    Essas datas “marcantes” são boas para refletirmos mesmo.
    Quando eu fiz 30, também fiquei pensativa, e até apreensiva, na época… TIpo… Tenho 30 anos e não casei, tenho 30 anos e não tenho filho, tenho 30 anos e não fiquei “rica”.
    Enfim… A vida adulta é difícil. É mais difícil que ser adolescente rsrsrrsrsrs
    É assim… Não tenho vergonha também de ser quem eu sou, não tenho vergonha da minha idade (já tenho 36), das minhas gordurinhas, de não ter filho ainda (e as pessoas cobram cada vez mais), eu simplesmente não me importo, digo que não tenho pressa e ponto final. Me amo, amo ser “EU”!!!
    Me amo muito, e cada vez mais… E vamos rumo aos 40!!!!!

  3. Natália

    São esses posts que fazem eu amar esse blog!
    Obrigada, meninas, por cuidarem da minha beleza interior tão bem quanto cuidam da exterior.
    Beijos no coração.
    Natália.

  4. LETÍCIA SAOUSA

    oi,Thais!!
    Lindoo seu texto,parabéns.

  5. DAIANA CARPENEDO

    Esse “clique é libertador.
    Feliz de quem o atinge.

  6. Emmy Bortoleto

    Desde que comentei aqui pela primeira vez – o que não faz muito tempo, apesar de ser leitora do blog há anos -, não consigo mais ler um post, curtir a leitura e deixar de comentar.
    Estou um pouco longe dos 30 (1/4 de século me espera em novembro!), mas o que tu escreveu neste post acredito que transcende a questão da idade, tão somente.
    Toda essa reviravolta, essa vontade de transformar, de se transformar e passar a viver mais a vida como atriz/ator principal, não num constante papel de coadjuvante.
    E toda essa exposição, ao meu ver, nada mais é do que a nossa permissão em vivermos as nossas vidas, como bem entendemos, à procura dos nossos prazeres, da nossa felicidade.
    Bah. Me fez um bem danado ler este texto. A tua escrita é comovente, desperta em mim sentimentos bons, animadores em relação à vida. Nunca perca isso! <3

    • Querida! Obrigada pelo seu carinho de sempre. Continue comentando também! <3

  7. Thais! Sua maravilhosa! Terminei esse texto com os olhos cheios dágua, e por vários motivos.
    Eu sempre fui a nerdinha excluída na escola. Nunca tive muita autoconfiança, e ser zoada pelos colegas de classe não ajudava. Nessa eu acabei me metendo em situações e relacionamentos que só fizeram com que esse sentimento piorasse e, hoje, apesar de ter mudado e crescido ABSURDO, ainda me vejo muitas vezes presa naquela coisa de ‘mas o que vão pensar de mim?’, por mais subliminar que isso possa estar às vezes.
    Eu tenho um blog. É meio que uma brincadeira? Sim. Mas eu adoro. É um pedacinho super sincero da pessoa boba e palhaça que eu me tornei haha. Moro sozinha no Chile e acho que foi um jeito que encontrei de mostrar um pouco pras pessoas de tudo que estou vivendo aqui. Só que rola aquela tensão e aquelas ‘reboladas’ para evitar que a galera do trabalho descubra esse meu espaço. Por que? Não sei. Ninguém me demitiria por isso, então concluí que é simplesmente um medo idiota de as pessoas me acharem ridícula ou tirarem sarro de uma coisa que eu faço com tanto carinho. Sim, medo de me expor.
    Eu não sou de ficar comentando em nenhum lugar, mas esse seu texto me fez pensar tanta coisa que, sei lá…vim só agradecer e acabei escrevendo quase um livro dos desabafos hahaha.
    Lindona, obrigada <3. Seus textos 'reflaxivos' (rs) têm sido MARAVILHOSOS. Não pare. Please.
    E manda bala que eu tenho certeza que vai brilhar como escritora, assim como já brilha aqui com as meninas do CDD.
    Beijão :*

    • Ô, Luiza! Agradeço sua abertura em se expor (olha aí, já tá começando!). Aos pouquinhos, tudo na vida se encaixa, a gente vai se permitindo… Mas viu, não tenha medo de mostrar pro mundo quem você é não! Só pelo comentário, já adorei você. <3 Depois me passa o endereço do blog! Aliás, que tal colocar ele aqui pra gente ver? Beijo!

  8. Márcia Daniella

    É um momento muito bonito quando a gente finalmente consegue perceber que não precisa ser tão dependente da aprovação de outras pessoas. É libertador e gera um alívio tão grande. Ainda tenho minhas dificuldades, mas estou tentando ser mais leve e solta. Amei seu texto, Thais. <3

  9. Eu tô bem na msm fase que vc, faço 30 um pouquinho depois só. Mas tô numa vibe meio diferente. Talvez porque eu já tenha me exposto bastante, agora tô num movimento de me expor menos, principalmente nas redes sociais. Gosto de postar uma selfie ou outra mas não é tudo o que eu posto, porque né, não sou obrigada e porque também não quero t-o-d-o m-u-n-d-o sabendo de tudo da minha vida. Tenho cada vez mais gostado de estar com amigos, cercada de gente alto astral e tenho ficado cada vez menos paciente com gente problemática e que tem sempre uma nuvenzinha negra em cima da cabeça.

    beijos!

    • Interessante seu ponto de vista! Acho que sempre chega a hora de experimentar certas coisas – e ver no que elas dão para repetir ou não! Aí é que a gente se descobre, vê o que quer e o que não quer… 🙂

  10. Nandi

    Isso foi lindo Thais!

  11. Marília

    Chuvinha de luz pra você, Thaís! <3

  12. Tatiana

    O Nelson Rodrigues tem uma frase cujo sentido só compreendi plenamente no ano passado, quando completei trinta: “Jovens, envelheçam”.
    P’ra mim, até o momento, nada se comparou ao processo transformador do retorno de Saturno e, especialmente, do fim desse ciclo. Queria ter trintado muito antes, hahaha.
    E é muito legal saber que esse sentimento bom atinge tantas outras pessoas, mesmo quem a gente nem conhece. You go, girl! 🙂

    • Já tô te amando por citar o retorno de saturno nesse comentário! É TRANSFORMADOR O QUE ELE FAZ! E que legal essa citação do Nelson Rodrigues! <3

  13. Karina

    Oi Thais, isso é se aceitar. Aceitar sua vida, suas ideias, seus gostos. Já estou na casa dos 31 e quando fiz 30, pensei como você. Deve ser essa transição da idade.. rsrsrs

    • Interessante isso, né? Acabamos passando pelas mesmas coisas na mesma época!

  14. Ana Flavia

    Muito bom!! Também tritei esse ano rs…

    • Ana Flavia

      Trintei*

  15. Raíssa

    Thais, tenho uma amiga que está fazendo mestrado em Literatura na UFPR e que está com um projeto paralelo bem legal na área. É o blog Totem e Pagu (tem página no facebook). Esses tempos eles deram uma oficina de literatura (para escrever mesmo) de graça aí em Curitiba e a procura foi bem grande, acho provável que eles ofereçam de novo em breve. Se você se interessar por algo do tipo… 🙂

    • Nossa, Raíssa, que dica boa! Já estou procurando no Face para ficar de olho nas novidades delas. Obrigada!

  16. Michele Bdz

    Belíssimo texto Thaís!!!!!

    Acredito que fazer aniversário é um presente de alguém lá de cima nos dá, pra que possamos subir mais um degrau diante de toda essa maravilha que é viver.

    • Lindo é o que você escreveu! Até me emocionei. <3

  17. Texto delicioso de se ler, Thais! Como é bom se identificar com isso. Esse ano é o dos meus 30 também, e penso que só alteraria algumas coisinhas no seu texto e ele seria 100% o que estou passando!!! Passei por uns perrengues aos 27/28 anos, mas cara… a forma que lidei e como transformei isso na vida que levo hoje, pra mim foi o maior dos amadurecimentos. Continue fazendo dessa forma, você (e a Sabrina e a Marina também) tem um dom fantástico que é escrever com amor, com descontração e por que não levar isso mais além, como vc está fazendo? Isso é o mais incrível da internet, se expondo, vc ajuda outras pessoas,leitoras como eu, que se identificam com sua fase e ficam felizes de ver que apesar de sermos uma geração muito criticada (por familia, chefes, e afins), somos muito unidos e conectados uns aos outros.

    Tenho um blog sobre emagrecimento, perdi 25 quilos depois de um pé na bunda e de perder o emprego, uma mudança radical na minha vida, sem remédio, sem dietas radicais, quem quiser visitar é http://www.marilianaopodeparar.wordpress.com

    Tenho um blog sobre emagrecimento, perdi 25 quilos depois de um pé na bunda e de perder o emprego, uma mudança radical na minha vida, sem remédio, sem dietas radicais, quem quiser visitar é http://www.marilianaopodeparar.wordpress.com

    • Somos conectados mesmo, Marília! E percebo isso na ajuda mútua de todos os dias aqui no blog. Muito legal seu comentário! 🙂

  18. Flávia Silva Santos

    Parabéns, Thais! Temos todo o direito de sermos livres. Eu também tenho experimentando essa liberdade.

  19. Aline

    Thaiiiis! Esse curso é em Curitiba?!! Quero saber onde, como, quando!!! kkkk

    • Siiim! É no Solar do Rosário e se chama A Arte de Escrever. Fica de olho porque não deve demorar muito para abrir turma nova! O que te digo é que se trata de um curso para pessoas mais leigas, mas me deu algo muito importante: MOTIVAÇÃO! <3

  20. Thais, pelos seus posts te imaginava uma pessoa completamente diferente, até que comecei a te seguir pelo Snapchat e nossa… Você é foférrima e dá vontade de te apertar! risos

    • hahahaha, acho engraçado quando dizem que eu sou fofa! Tenho a personalidade forte, mutável, mas ao mesmo tempo tento segurar o ímpeto e ser uma pessoa que exercita a generosidade, a empatia… Enfim, essa sou eu! E obrigada pelo carinho!

  21. Nathalia

    Nossa adorei esse post, super me identifiquei ainda não cheguei aos 30, mas, to meio maluca com a proximidade.

  22. palmas de pé para este texto
    bjs

  23. Super verdade, a gente se preocupa tanto em não se expor, em não fazer determinada coisa por medo do que os outros vão pensar, e acabamos nos deixando de lado por essas bobeiras! Vamos viver, né, a gente tá aqui pra isso! =)
    http://www.simpleness.com.br

  24. sylvia aline

    também estou me aproximando dos 30 e estou sentindo o peso da idade. é difícil de explicar o que sinto até para mim mesma. gostei muito da sua reflexão

  25. Myrian

    Essa é a beleza de amadurecer!!! Bjus

  26. Laila

    Vou completar 28 em alguns meses, mas ja estou na contagem regressiva dos 30 e “sentindo as vibes” hahaha. Nunca fui de me expor nas redes, mas do meu jeito e no meu limite estou me promovendo um pouco, principalmente nas idéias (ex.: comentando nos sites que gosto). Uma que vou tentar agora é entrar no tinder durante uma viagem que tenho marcada em breve (aqui no Brasil mesmo), pois não tenho a menor coragem de fazer isso na minha cidade. Se der match e realmente a conversa fluir, sair com o cara sem compromisso, mesmo que depois eu me arrependa, como vc disse, dar a cara a tapa pra vida! Acho que vai ser um aprendizado de qualquer forma.

    • Adorei, Laila! Você está mais do que certa. Inclusive, amei que você entendeu exposição como colocar ideias para fora – sensacional! E boa sorte com os gatinhos (ou gatinhas, não sei)! <3

  27. Faltam dois anos e pouquinho pros meus trinta e já sinto que estou numa fase maravilhosa da vida, mais livre pra ser e fazer o que eu quero, acho que é o tal amadurecimento.
    http://www.issoaquiloetal.wordpress.com

  28. Tarcila

    Os trinta são maravilhosos! Bem menos encanações com bobeiras!!
    Beijos

  29. Carol

    Thais, fiz 30 há 3 anos e me sentia como vc! Uma certa ansiedade, um certo medo e uma certa vontade de ser balzaquiana! E o mais engraçado foi que depois que passou, vem aquela sensação de que nada mudou! kkkkk 😀 Lógico que me sinto mais madura e segura de mim a cada dia, mas no fundinho me sinto com 25 anos e a vida inteira pela frente! Aliás, pra mim, a melhor coisa de ter 30 é ter maturidade de 30 com o espírito dos 20 e poucos! Parabéns antecipado pra vc!

    • Obrigada pelos votos e pelo seu comentário super legal, Carol! <3

  30. Clarice

    Thais, tenho 28 anos (faço 29 em agosto) e percebo que estou tendo as mesmas percepções que você. Como gosto dessa maturidade!

  31. Jéssica

    Thaís, que momento oportuno pra ler o seu texto, espero que não tenha vindo comentar tarde demais (um dia depois da postagem já parece ser um atraso considerável na internet haha).
    Vivo esse medo de me expor exatamente agora. Fiz um blog, estou com ele pronto e apto para iniciar as postagens. Montei metas, sei o que quero abordar, o público, tudo, mas ainda n postei nada por medo. Sempre penso que está faltando algo para ficar perfeito. É isso, o medo de não gostarem aliado à minha mania de querer ser perfeita, me barram. Deveria ter vergonha de falar isso, mas não tenho. Ainda estou longe dos 30, mas quero chegar nessa idade o mais desapegada das opiniões alheias possível.
    Obrigada pelas suas palavras!
    Ah, você faz aniversário por agora não é? Eu também! Tamo juntas, colega! haha
    Um beijão!

    • Bate aqui, geminiana!

      Vou te contar uma historinha:

      No meu primeiro post para o CDD, tive o mesmo medo que você. Achava que ninguém ia gostar, que eu não sabia escrever pra um blog, essas coisas. Mas aí fui lá e fiz. E olha onde é que a gente tá hoje?

      Por isso, o que te digo é: comece. Mesmo que fale só pra sua mãe e pra poucas amigas. Vá aos poucos, mostre sua verdade! De repente, quando se der conta, vai ter muita gente que gosta e se identifica contigo.

      Ó, dou a maior força! E me passa o link do blog pra eu ver! 🙂 Um beijo grande!

  32. Gabriela R. Salomon

    Ainda tenho 25 (hehe) mas é muito bom amadurecer, ter a mente mais firme. E sobre esse processo, ainda estou trabalhando, até mesmo para postar alguma foto em qualquer rede social. Mas para muitas coisas já me libertei há um bom tempo, como o simples usar batom mais escuro em plena luz do dia. É libertador, como diz Thais 😀

  33. Fernanda Gabriela

    Lindo texto. Incrível como seus textos estão fluidos e gostosos de se identificar. Parabéns!

  34. Miriã Andrade

    Adorei seu texto, Thais! Eu tenho muito medo de me expor, mesmo chegando nos 30, hehe, ainda tenho esse probleminha, sou muito tímida, mas sei que tenho que trabalhar nisso e uma hora chego lá, Mas amei ler o seu amadurecimento, super inspirador! 😉