Coisas de Diva Coisas de Diva Coisas de Diva

Essa semana, muitas meninas me pediram aqui no blog para falar sobre o estilo de maquiagem das francesas – como o tema fez sucesso nos comentários desse post, resolvi fazer. Sei que muita gente vai ficar surpresa porque associa sempre as francesas à  “elegância”, mas é bom lembrar que se esse conceito varia de pessoa para pessoa, imaginem só o quanto não varia de país para país. As francesas são, sim, muito elegantes – mas de uma forma bem diferente das brasileiras.

A beleza das francesas

francesas

Não gosto muito de generalizar nada, mas nesse caso não tinha muita saída, ou esse texto viraria um livro, haha. A verdade é que é óbvio que existem tanto brasileiras quanto francesas que fogem a esse padrão, mas é complicado falar de cada particularidade em separado. Além disso, o que falo nesse post é pura e simplesmente resultado da minha observação e da minha vida em Paris nos últimos oito meses. Não é um guia de nada nem muito menos um estudo cietífico. Minha rotina aqui é totalmente normal, vim para cá para estudar, não circulo por semanas de moda e não uso Chanel (infelizmente, haha), ou seja, as pessoas que vejo nas ruas ou com quem convivo são pessoas comuns que estudam, trabalham, pegam metrô e saem pro ‘apéro’ (o happy hour!) mais cedo porque a cerveja é mais barata. 

francesas

A grande verdade é que uns 90% das francesas não usa maquiagem. Não é a “maquiagem leve” a qual a gente está acostumada (base, corretivo, blush, bronzer, “só duas cores de sombra neutra”, rímel, etc, etc). Elas não usam maquiagem. Simples. As francesas que separei para as imagens desse post são a mais pura imagem da francesa ‘normal’ – reparem nas fotos da Charlotte Gainsbourg, ela está arrumada para algum evento mais chique, dá para ver pelas roupas, mas nem rímel ela está usando. Elas são assim mesmo. E elas vão sair da aula/trabalho direto pra um barzinho sem aquela preocupação tão comum que temos no Brasil (“mas como vou transformar minha maquiagem diurna em uma para noite?”). No máximo vão passar um batom. Cor de boca ou um vermelho, para as mais ousadas. E é isso. Se você encontrar uma pessoa no metrô que está super maquiada, bem penteada, usando batom colorido: ou ela está nos 10% que fogem à regra ou, o mais provável, ela não é francesa. 

francesas

Na minha turma da pós, por exemplo, só tinha duas estrangeiras (eu e uma colombiana) e dentre todas as francesas, apenas uma usava e gostava de maquiagem. E mesmo assim, um dia ela me perguntou de que bases eu gostava e citei algumas, entre elas a Mat’Morphose, da L’oréal, que a gente acredito que classificaria como de cobertura média. Ela ficou chocada e disse que achava o efeito muito artificial e a cobertura muito pesada. Ou seja, mesmo as francesas que curtem maquiagem gostam de bases leves, de efeito muito natural (as que fazem mais sucesso por aqui são justamente algumas que já mostrei no blog – a Armani Maestro e a Vitalumière Aqua – e outras como a Liquid Halo, da Smashbox, que ainda vou mostrar, além da base do Tom Ford). 

francesas

Aquela maquiagem com base de alta cobertura, corretivo e pó por cima? Nunca vi aqui. E sim, a maioria delas tem peles bonitas, mas não é regra, não. E mesmo assim, obviamente ninguém é imune à olheiras, espinhas, manchas, hormônios… Mas eu, por exemplo, nunca ouvi nenhuma dizer “preciso de uma base nova porque PRECISO de mais cobertura, olha essa espinha, OLHA ESSAS SARDAS”. A maioria delas se assume como é, com seus “defeitos” e se sente bem assim. 

francesas

Elas são menos preocupadas com o perfeccionismo – enquanto brasileiras são criadas para estarem sempre muito bem arrumadas, com cabelo alisado, unhas feitas no salão toda semana, maquiagem impecável, as francesas fazem suas próprias unhas e não se importam se tem um lascadinho numa delas, prendem os cabelos de qualquer jeito e duvido que a maioria delas saiba o que é escova progressiva ou se lembre da última vez que foi ao salão. Em outra situação, uma francesa me perguntou se eu não tinha ficado surpresa com o “desleixo” delas, já que ela tem um irmão que mora no Rio e que diz que todo mundo se arruma muito até para ir à praia. 

francesas

É claro, tudo tem seu lado positivo e seu lado negativo – pra mim, mesmo antes de morar aqui, meu estilo já batia com o delas em certos aspectos e em outros sou totalmente brasileira, haha. Amo maquiagem, mas nunca fui escrava dela – saio sem sem problemas e só uso bases de cobertura bem natural, além de me chocar um pouco com os comentários quando falo aqui sobre esse tipo de base. A maioria das pessoas diz coisas como “ai, até achei o efeito bonito, mas eu PRECISO de mais cobertura”. Precisa por quê? É claro que sim, se é seu estilo ou você sente mais confiante ou confortável assim, maravilha. Mas tenho a impressão de a maioria das pessoas usa coisas só porque acha que é assim que tem que ser, sabe? Não se dá o espaço para se aceitar como é.

francesas

Quando comecei a gostar de maquiagem, achava que para sair à noite, por exemplo, eu tinha que estar super arrumada, com aquela base-máscara e olho esfumado. Depois de meia hora na festa, me olhava no espelho e não me reconhecia, odiava a sombra azul e o meio quilo de pó que tinha passado. Com o passar dos anos fui me descobrindo, descobrindo o meu próprio estilo e o que eu gosto. Hoje, vejo tutoriais de “maquiagem para o dia a dia” e penso que não faço aquilo tudo nem para um casamento hahaha. Mas é o meu estilo.

francesas

Por outro lado, uma das coisas que mais gosto na maquiagem é a possibilidade de mudar se tiver vontade – de usar glitter num dia e batom roxo no outro, só pela diversão, só porque teve vontade, só porque achou que o roxo ia ficar bonito com a saia vermelha. E isso é algo que não existe muito aqui – sim, cada um pode usar o que bem entender, mas é bastante provável que você tenha que responder umas três vezes à pergunta “por que você veio tão arrumada?” no dia que resolveu passar sombra. Além disso, abro mão de tudo, mas ME DÁ MEU RÍMEL, hahaha. 

Enfim, em resumo, francesas e brasileiras têm um estilo bastante diferente – nenhum é certo e o outro errado, nenhum é feio e o outro é bonito. A verdade é que a forma como nos arrumamos é um reflexo da forma como fomos criadas, da sociedade em que vivemos, dos valores da nossa família, da imagem dos amigos, etc. É algo complexo e difícil de explicar, mas espero ter atendido às expectativas das meninas que me pediram detalhes da maquiagem (vou fazer um de cabelos, também!) das francesas.

Ps.: Para ver os posts que estou fazendo especificamente da França, é só clicar na categoria ‘Marina na França’, lá em cima do post. E para me acompanhar, é só seguir os Instas @coisasdediva e @marinafabri.

Categorias
Compartilhe nas redes sociais
132 Comentários: Nos conte o que tem a dizer
Visualizar Comentários
Nos conte o que tem a dizer

Para usar avatar, cadastre-se com seu email em gravatar.com
O que nossas divas já nos disseram
  1. queria que cada um que acha que blog de beleza é sobre frivolidades lesse esse tratado sociológico aqui, hahaha.
    excelente post, Marina. amo tuas vibes reflexivas e acho que poderíamos ser amigas, hahahaha.
    um beijo!

  2. Tâmi

    Oi, Marina! Parabéns! Que post gostoso, leve e realista! Sinto-me como você! Tenho minhas manchinhas, espinhas às vezes, mas prefiro ostentá-las a ostentar aquela pele grossa de base e pó só porque todo mundo acha que assim fica bom! Adorei o post! Adoro vc!

  3. Acabei de descobrir com esse post, que sou bem estilo francesa…não curto nada de make no dia a dia….e ainda sou criticada por isso.

  4. Mônica

    Queria ter essa liberdade das francesas,mas como você disse,Marina,fomos criadas assim,o que não impede de mudar,se quisermos,de tentar mudar.
    Eu já comentei em seu post,que “precisava de uma cobertura de base maior”,mas isso,pq tenho algumas manchinhas que me incomodam e me sinto melhor,cobrindo-as,o que não significa,que eu seja escrava da base,o dia que estou sem paciência,saio sem ela!
    Marina,aguardo o post dos cabelos das francesas!
    Bjs.

  5. Joyce

    Acho que estou mais para francesa Mari! Eu gosto muito de maquiagem, mas eu so uso maquiagem para eventos chiques ou festas como casamento e etc. O que eu mais gosto é de maquiar os outros, sempre maquio as minhas amigas, minha irmã e mãe haha. Consigo viver de boa sem maquiagem, só sou louca por batom, batom é tudo! mesmo assim no dia-a-dia so uso um balm incolor e pronto.
    Tem muitas meninas daqui que me olham torto por não usar nada de maquiagem. Só acho triste aquelas pessoas que não conseguem sair de casa sem maquiagem.
    Tinha amigas que quando faziamos festa do pijama, elas dormiam de maquiagem, pq não queria que ninguém visse elas sem!

  6. Meriluce

    Muito interessante esse post. Realmente imaginamos a mulher francesa super elegante mas, sempre associamos isso a maquiagens super estilosas! Cada país sua cultura e seu estilo! A beleza para elas com certeza é a frase: “menos é mais”! Então pergunto Marina, como elas não gostam muito do nosso estilo, a pele é muito bem cuidada, certo? Afinal na França há dermocosmeticos como Avéne e La Roche que nós brasileiras amamos a qualidade. Você teria algum comentário ou um próximo post sobre o assunto?
    Beijinhos

  7. Marjorie

    Gostei muito do post, Marina. É bem interessante ver que, em alguns lugares, as mulheres tem costumes tão diferentes dos nossos. Nunca fui de usar muita maquiagem no dia-a-dia, mas, por muito tempo, não queria de jeito nenhum ser vista de cara lavada ou sair na rua sem, no mínimo, passar rímel+lápis preto. Hoje, felizmente, sou bem mais desapegada e, mesmo para eventos, não curto nada muito exagerado. Me sinto bem melhor com aquela maquiagem leve que está ali apenas pra divertir, com, por exemplo, uma cor de batom mais ousada, ou pra ressaltar nossa beleza natural. Que sua reflexão inspire outras mulheres a enxergar sua própria beleza e a parar de se esforçar tanto para mudar para os outros. Beijo!

  8. Caroline®

    Acabo de descobrir que sou francesa. Vou-me embora pra Paris, beijos! Hahahahahahahah
    Sério, acho sensacional pessoas que não se preocupam demais em impressionar o mundo com a aparência. Brasileiro é muito apegado a esta vaidade exacerbada. É cabelo chapado, unha feita, corpo malhado, dentes “tecla de piano”. Todo tipo de característica fora do padrão é recriminado. Muita trabalheira! Gosto de maquiagem, de vez em quando quero usar meus batons bapho, mas me deixa ao natural. Vamos relaxar!

    • Fran

      Caroline, concordo com você! Ultimamente tenho pensado muito nisso, nessa necessidade louca de esconder nossos “defeitinhos”…Tenho tido muitas espinhas, apesar de já ter 27 anos, porque estou passando por um momento muito estressante da minha vida.Ontem mesmo fui fazer compras no supermercado e já ia pegando a base pra me “corrigir” quando pensei: “Sério mesmo? Eu vou fazer compras, não vou me encher de base+corretivo+pó só pra isso! Me deixa com as minhas espinhas!” Passei um filtro solar e fui de cara limpa.
      Outra coisa que me incomoda é essa obsessão que brasileiro tem com dentição perfeita.Uso o mesmo termo que você “teclas de piano”, porque tem que ser tudo certinho, branquinho, alinhado…Tive muitas infecções na infância, tomei muitos antibióticos e, por isso, meus dentes são bem amarelados.Já fiz clareamento uma vez, á laser, custou os olhos da cara, e não achei que fez tanta diferença assim.Muitas vezes me pego triste por causa do meu sorriso, também tenho a mordida aberta e fico envergonhada, mas, poxa, os meus dentes “beginhos” contam uma história, contam que, mesmo tendo ficado bem doente, eu me curei.
      As pessoas costumam dizer: “Se arruma mais, coloca uma roupa bacana, passa uma maquiagem, aí sua auto estima vai melhorar!” E eu tenho pensado: mas que auto estima é essa que só aparece quando você está toda “corrigida”??? É uma delícia brincar, se arrumar, testar uma maquiagem ou roupa diferente, eu também gosto de fazer tudo isso…Mas eu quero uma auto estima que aflore mesmo quando eu estiver na frente do espelho, de cabelo molhado, com as minhas espinhas e os meus dentes amarelados…Porque, no fundo, essa sou eu de verdade! 😉

    • Adorei, Fran! E tô rindo muito da expressão “dentes tecla de piano” hahaha – tenho os dentes, especialmente os da frente, manchados também por conta de remédios que tomei quando era criança. Isso já me incomodou bastante e hoje em dia não vou dizer que estou 100% ok, mas me importo muito menos com isso. Acho que muitas das coisas que a gente considera “defeitos” são coisas nas quais só a gente está reparando mesmo e perde tempo de vida encanado numa bobagem.

    • Marina T

      Ei Fran!
      Achei bem legal o que vc ecreveu a respeito do verdadeiro eu, aquela imagem do espelho que conta uma história, a nossa história. Também tenho 27 anos e ainda tenho a pele acneica e principalmente por isso tenho sido escrava de bases com “uma cobertura maior” desde sempre e estou como vc: lutando fortemente contra essa ditadura da beleza perfeita.
      Chega gente!!! Vamos ser lindas ao nosso próprio modo!

  9. Mayara

    Êba, tive minha sugestão aceita! Era esse tipo de análise honesta que esperava mesmo do coisas de diva. Adorei o post.
    (:

  10. lila

    Adorei o post, Marina. Realmente esse é um assunto bem complexo. Eu acho triste essa preocupação excessiva e quase neurótica da mulher brasileira em querer estar sempre perfeitamente montada mas sei que é um reflexo de valores, de uma sociedade machista que há séculos mina a autoestima feminina e impõe esses padrões na nossa cultura. Já a sociedade francesa é baseada em valores bem distintos e menos rígidos e não a toa não existe essa imposição de perfeição nas mulheres. Eu amo essa beleza natural e despretensiosa das francesas que vem de dentro pra fora. As mulheres mais lindas pra mim são as que menos se preocupam em estarem perfeitas.

  11. andressa

    Parabéns pelo post Marina!Voce podia dedicar outro post pra falar como elas cuidam da pele e cabelo,porque pra nao usar maquiagem tem que ter uma boa “base” pra não parecer desleixada. Ah, e queria fazer uma observação, coisa minha mesmo, não sei se alguém concorda. As mexicanas, ao meu ver, são campeãs em make e cabelo, e não falo isso só pelas novelas. Uma vez fui fazer um passeio de trem em uma viagem, e ás 5 da manha, na estação, chega um grupo delas, devidamente maqueadas e penteadas, um make aparecido mesmo, não era só pra esconder a cara de sono, e o cabelo, to-das no babyliss. Enquanto o resto de nós apenas nos arrastamos da cama pra estar lá na hora. Haha! Diferença de cultura é uma coisa né! Bjs!!

    • Acho que essa questão varia muito de país para país – na Inglaterra, por exemplo, elas são obcecadas por bronzeamento artificial e se você sair andando pelas ruas pode ir contando o número de gente ‘laranja’ que encontrar, hahaha, cada lugar tem sua particularidade.

  12. Maria Lina

    Já faz um tempão que acompanho o blog e nunca comentei nada, adoro muitos posts mas nunca tive vontade de dizer algo. Hoje isso mudou, quero te parabenizar Marina por esse ‘estudo’ e acho super válido e pertinente, adorei cada palavra.

    Aliás, de uns tempos pra cá o conteúdo do blog tem ficado muito mais interessante, sempre houve um ritmo de melhorias, mas agora parece mais intenso… Vida londa ao CDD!

  13. Isis

    Marina, adorei esse post, mas essa coisa de ser escrava da beleza e da maquiagem é muito regional. Eu sou carioca e aqui usamos pouquíssima maquiagem, até pelo calor absurdo que faz aqui. Mas morei anos em Curitiba e tive um choque de realidade, chegava no trabalho as 7 da manhã e as meninas estavam maquiadas como se fossem pra uma balada ou casamento.

    • Denise

      Até mesmo dentro do Brasil, temos nossas diferenças em termos de beleza. Como sou carioca, acho maravilhoso poder sair de cabelo molhado, pouca maquiagem e, principalmente, pouca preocupação com saltos e bijouteria.
      Uma vez, noma viagem no exterior, uma paulista me parou no saguão do hotel e me perguntou como que eu tinha coragem de sair com os cabelos cacheados. Precisava ver a cara de pânico dela. No dia seguinte, tava ela lá desfilando com seus cabelos soltos, sem escova. Me imitou e foi feliz !
      bjs

  14. Vera

    Logo que cheguei na França, ficava chocada com as apresentadoras de tv… meio descabeladas, pouquissima maquiagem e roupas super basicas!! Rsrsr
    E ficava me perguntando pq as mulheres nao se arrumavam, nao escovavam os cabelos… Minha crise durou alguns meses até eu mesma de libertar e viver assim, como as francesas.

  15. Fernanda

    Adorei o post, Marina! Não sou super encanada com maquiagem, não uso todos os dias. Ainda assim fico encanada com as manchas que “ganhei” na gravidez, hj em dia cada vez mais vejo que elas são uma preocupação minha e que a maioria das pessoas nem nota ou não liga. A gente que se cobra demais! Um beijo!

  16. Cristiane

    Marina,amei o post!!! Resumindo: use o que te faz feliz! Não por acaso o lema do “Coisas de Diva” . ?beijos

  17. Lucia Marina

    Poxa Marina, me identifiquei muito com esse post! Eu passei muitos anos só com um rímel e uns dois batons. Aí tive problemas pessoais e entrei em depressão. Tava difícil, mas um dia caí no blog Makeup Atelier, e a partir dele, achei o CDD e o 2beauty. Me interessei e acabei comprando umas (muitas) coisinhas. A verdade é que esses blogs me ajudaram muito a melhorar a convivência com mim mesma. Nessa época comprei bastante maquiagem, e achava que tinha que usar tudo todo dia, hahaha. Mas o tempo passou e fui ficando com um basiquinho que estava bem longe de posts comuns de “maquiagem básica”. As vezes ficava até com um sentimento de culpa, mas eu não queria uma obrigação, já tem tanta coisa que a gente tem que fazer todo dia, eu não queria que maquiagem fosse uma delas, ou ia deixar de ser divertido, lúdico. A maquiagem me ajudou a sair do buraco e trabalhar minha autoestima, eu não poderia deixá-la se transformar num “ai, que saco”. Então desencanei mesmo, e hoje, apesar de sempre gostar de um produtinho novo, a palavra é mesmo natural. Adoro rímel e um batonzinho, mas não saio nem de corretivo todo dia. E estou muito feliz com isso! 😀

  18. Renata

    Acho que fui francesa em outra vida rsrs. Até pouquíssimo tempo atrás não conseguia usar nada além de batom e rímel transparente no dia a dia. Hoje estou com umas manchinhas e ainda sou daquele tipo muito branca que vive com a pele avermelhada, daí encontrei o BB cream da QDB que é bem leve. To amando ele!!! Mas queria aprender a fazer maquiagem bem levinha pro dia a dia… ADORARIA SE VOCÊ PUDESSE AJUDAR, MARINA! Tb vejo algumas dicas em tutorias (raras vezes pq não animo muito rs), mas acho que sempre é demais pra mim…

  19. Ercília Medeiros

    #partiuFrança
    Sim, amo batom e lápis de olho coloridos e um bom rímel, mas aprecio ainda mais a liberdade de ser eu mesma e só usar o que quero! Em fevereiro tive os eventos de minha formatura e em cada um usei uma manicure diferente porque é minha marca registrada, mas fim todas eu mesma (ninguém vai me roubar o prazer de colorir minhas unhas), assim como a make, só com as coisas que são sim minha cara. Abri exceção para o baile porque queria me dar um momento de “relax” antes da festa e que a durabilidade fosse o suficiente para as fotos, mas, mesmo assim, a make e o cabelo eram a minha cara. O profissional fez tudinho do jeito que eu queria e não tive a crise de me olhar no espelho e não me reconhecer!

  20. Juliana Gama

    Adorei o post, Marina! A gente acha que Paris é a capital da moda e que as francesas são chiques e vivem arrumadas e maquiadas, bom saber que elas curtem um estilo cara lavada.

  21. Fabiana

    Acho que seria mais feliz na França 🙂 ao menos, neste aspecto, sou bem francesa! Cobertura no rosto durante o dia só se for de protetor solar rss

  22. Camila

    Ótimo post, Marina. Me identifiquei muito com “Hoje, vejo tutoriais de “maquiagem para o dia a dia” e penso que não faço aquilo tudo nem para um casamento hahaha. Mas é o meu estilo.”

    Pois é, cada uma deve fazer da forma como se sente à vontade, mas essa perseguição por perfeição no meu ponto de vista pode levar as pessoas a consumir muito mais do que o necessário e a sentir que a aparência nunca está boa, e que sempre falta algo, gerando insatisfação e preocupações desnecessárias.

    Faça mais posts neste estilo 🙂

  23. Jacqueline

    Que texto excelente Marina, aliás, o texto e assuntos de todas vcs estão cada vez melhores!
    Acho que sou meio francesa rsrs, hoje não me forço a ser nada além do que sou, me esforço pra não seguir o que me deixe desconfortável, seja em questão de moda, maquiagem, estilo de vida…viver desse jeito mais despreocupado é muito bom!

  24. Verônica Fernandes

    Que delícia nega ! Valeu a viagem de carona sem passaporte. Diferenças culturais me fascinam. Gosto de me arrumar, mas ser mal atendida numa loja o dia que não Tava afim de caprichar ou q não deu me irrita moro numa cidade di interior onde isso é muito comum :

  25. Aryana Penno

    Oi Mari! Muito bom seu post… mas tenho que comentar um “negócio” que estou notando nos comentários e que não me agradou muito. Vejo muitas meninas falando que o estilo brasileiro, de estar super arrumada, cabelo liso, maquiagem “on point”, é para impressionar outras pessoas, se adequar ao padrão e fugir de julgamentos, principalmente masculinos. Oh galera, que triste pensar assim! É por isso que muita gente tem inveja do estilo tô nem ai das francesas.
    A gente tem que se arrumar é p gente. Se você usa smokey eyes para ir ao supermercado… qq tem? Eu mesmo amo maquiagem, amo cortar o cabelo, adoro passar creme no rosto, e não faço isso p me encaixar no padrão de ninguém! Tanto que meu cabelo é curto (alô padrão do cabelão!), castanho natural, e com um monte de fios brancos crescendo igual loucos (alô estresse!!). Minha sobrancelha não é feita, só penteada, e minha base de casamentos é o bbcream da Loreal. Mas isso porque eu me acho linda, maravilhosa e diva com meus cabelos brancos! Agora, se eu quero lascar uma base alta cobertura p ir bem ali no extra comprar bolacha… estou linda maravilhosa e diva tbm, f**a-se quem tá me olhando torto pq estou “muito maquiada”.
    Vamos desapegar do conceito do outro galera. Quem tem q se achar linda e maravilhosa é única e exclusivamente você, seja de cara limpa ou toda maquiada. E parafraseando JoutJout “Tira o batom vermelho não amiga”.

    • Pois é, Aryana! É sobre isso mesmo que falamos por aqui – sobre usar o que quer e se sentir bem, confiante, assim, seja de cara lavada ou com olhão esfumado. Mas bem sabemos que essa realidade de usar algo para impressionar alguém é bem recorrente e ninguém está imune, é por isso que batemos tanto nessa tecla e vamos continuar batendo, assim todas nós podemos discutir, pensar e falar sobre, né? 🙂

  26. Thais

    Excelente post, Marina! Estive em Londres e Paris em fevereiro e observei o mesmo. Em Paris elas são muito clean. Em Londres pegam mais pesado, gostam de sobrancelhas muito delineadas, bastante rímel no cílios… A diferença entre Londres, Paris e Rio (onde moro) é bem notável, não tem como comparar essas cidades em termos de maquiagem. Vou aguardar ansiosamente o post sobre cabelos. Posso adiantar que são bem mais criativas que o nosso cabelo solto de cada dia.

  27. Andresa alves

    Marina, excelente materia. Adoro os seus post.

  28. Andresa alves

    Marina, outro dia li um post seu sobre micropigmentacao nas sobrancelhas que vc fez. Gostaria.de saber se o pigmento das suas ja desbotaram nesses ultimos dois anos. Obg pela atencao!

    • Desbotou, sim, mas não completamente (mas já refiz o processo nesse período de dois anos).

  29. Polyana

    Esse blog ta cada dia melhor. Post excelente, Marina. Obg por atender nosso pedido. Ansiosa pelo post dos cabelos 🙂

  30. Isabele

    Olha, tb acho que sou francesa! Pq fico abismada ao ver vários passo a passo de make pro dia a dia que eu não usei nem no casamento da minha irmã, no qual fui madrinha. No dia a dia uso um pó e olhe lá, senão só protetor mesmo. tenho apenas uma base, a teint miracle, que comprei em uma viagem. Pra sair, passo apenas pó, corretivo, blush, e tenho gostado bastante de contorno, e rimel. Para casamentos, festas noturnas, uso a mesma coisa, mas adiciono delineado fininho, ou batom, ou sombra marrom. Adoro maquiagem, ver vídeos, mas uso o que gosto e o que funciona pra mim. Não gosto de make extremamente pesada e elaborada, não funciona para o meu estilo. Cabelos, a mesma coisa. meu cabelo é liso, mas logo que lavo fica um pouco cheio, mas saio assim mesmo, não tenho paciência pra ficar horas na chapinha, coisa que não uso há mais de três anos.
    Enfim, sou uma pessoa bem desencanada…. meu único ponto fraco é perfume… Amo perfume e não consigo sair sem, e sempre tem um na minha lista de desejos…
    Amei esse post, e os anteriores a este também! O coisas de diva é um blog de beleza que faz a diferença! Por isso passo por aqui todos os dias!

  31. Vanessa

    Gosto dessa coisa mais ao natural, mas cara 100% lavada não consigo. Minha sobrancelha é extremamente falha e isso me incomoda demais, então sem corrigir a sobrancelha antes não dá kkk. E sem um blush pra tirar a cara de morta tbm não dá! Isso pra mim é o necessário, uso um item ou outro a mais no dia a dia e make pesada mesmo eu não uso em nenhuma ocasião pq realmente não sei passar hahahaha (e teria preguiça de tirar td depois).A irmã de uma amiga mora em Luxemburgo e tinha me dito há um tempo que essa pressão de estar toda montada, unhas, cabelos, rosto, dentes, pés e etc, é coisa de brasileira, que não era assim na Europa e na época eu choquei. Fui pra alguns países da Europa depois e pude comprovar que é isso mesmo. Umas se arrumam mais, outras menos ou nada, mas iguais a nós elas estão longe de serem.

  32. nadia motta

    E o interessante é que todo mundo considera as francesas mulheres ‘sexy’.
    Ou seja: a história que homem ~gosta mais de mulheres mais naturais bate bem aqui.
    A real é que a gente é tão bombardeado de informação sobre como deve ser, que isso entra na nossa cabeça de uma forma muito forte. Eu tenho poucas manchas na pele e não dispenso a base todos os dias, mas pensando bem ela é quase que desnecessária. Acho que ainda somos escravas de um ideal de perfeição tão inalcançável que deixamos de aproveitar todo o nosso potencial para nos preocuparmos demais com bobagens. Não que uma mulher bem arrumada necessariamente não tenha potencial, mas nós realmente gastamos tempo, dinheiro e energia demais para ficarmos sempre bonitas. A troco de que, né?

  33. Ana

    Bem real este post.
    Não só na França, mas a maioria das europeias tem essa característica em comum. Na Alemanha, Holanda, Bélgica há isso mesmo. Conheço meninas que nem em festas se dão ao trabalho de pôr um batom. Nos países nórdicos da Europa isto é muito típico, pois a maquiagem delas é só o filtro solar mesmo nos poucos meses de verão. Haha e acho marcante a maneira dos alemães são super reticentes. Já as espanholas e as portuguesas são mais parecidas com as latinas, não sei se tem a ver com o clima mediterrânico do local.
    Enfim as espanholas pegam pesado na maquiagem e na roupa, e são bem mais acessíveis e simpáticas que as demais europeias. Mas regra geral eles odeiam estrangeiros por excesso de turismo e o problema da xenofobia e racismo é bem marcante em França por exemplo e afins, enquanto a brasileirada adora tudo que é gringo.

    Em suma há algo bem legal em alguns países da Europa, sobretudo nas grandes cidades: as pessoas se vestem de qualquer jeito e ninguém ta se lixando pra isso. Esssa liberdade de sair como quer sem ninguém notar é indescritível e eu adoro isto. Diferente do Brasil, que as pessoas são bem vistas pela aparência das roupas, acessórios. Essa é a cultura do nosso país enfim.
    Adoro diversidade culturais. Nós brasileiros gostamos de olhar e ser notadas, já as europeias nem por isso. Ninguém tem olhar guloso quando ver um homem bonito por exemplo, (tbm há tantos ne? hehe)
    Bom, experiência de quem vive viajando e morando de um lado para o outro por causa do trabalho, marido e filhos há mais de 10 anos. Mas eu sou brasileira e gosto de me maquiar, embora não use base nem pó, nem rimel. Meu ritual de beleza pro trabalho,
    dia a dia é hidratante, filtro solar, contorno das sobrancelhas (são mt ralinhas) e lip balm com cor da maybeline
    Pois tenho pele fria que nunca bronzeia. Agora os cabelos gosto de ter sempre lindos presos ou soltos e não dispenso um salto, afinal sou brasileira e tenho orgulho da minha pátria, só não tenho orgulho da má qualidade de vida, segurança, saúde, educação, corrupção e etc. Agora não fugindo do post…E viva as diferenças culturais ne Marina?

  34. caren da silva

    Meu cabelo natural é crespo, lindo, e super cheio! Mas há 2 anos resolvi mudar porque quis e fiz progressiva, hoje não é liso nem crespo. Tem ondas grandes e eu amo ele assim.
    Mas me sentia mal de usar no escritório onde eu trabalhava. Até que vim parar aqui em Portugal por conta de um intercambio e descobri que aqui, elas usam o cabelo ao natural, do tipo nem pentear hahaha Sabe, achei muito lindo isso. Sabe, não tem liso escorrido nem cacheado definido, até me parece desleixo as vezes, pois realmente algumas nem penteiam o cabelo, mas no geral estou amando e usando meu cabelo como é.

  35. Amei mto ler isso aí… Poxa, já conheci uma francesa e ela era exatamente assim: muito natural. Acho q isso revela uma beleza diferente.. Maic chic de um jeito que eu não sei explicar. Incríveis!!! Parece que essa sua relação com a make foi escrita por mim. Grau de identificação “irmã gêmea mental”. Rsrs Adoro maquiagem, mas sem ser escrava. Adoro mesmo é me divertir passando a coisa toda e não de me “esconder” em pós e cremes. 🙂

  36. Martha

    Mariiii vou me embora para França, urgente!!!! kkkkkk encontrei definitivamente meu lugar no mundo. Smp fui apaixonada pela França, mas jamais imaginei que fosse me apaixonar mais ainda depois desse post.. achei incrivel o modo como vc explanou sobre o assunto, sem causar discordia geral nem desconforto kkkkk parabéns 🙂 Amo maquiagem, mas n consigo fazer disso uma etapa crucial pro meu dia.. n gosto de me sentir aprisionada, não que as meninas que usam estejam kkkkk só acho que devemos sim, usar aquilo que gostamos, no mais e no menos, do jeito que nos sentimos melhor.. e viver a leveza e encanto sem precisar gastar horas no embelezamento kkkk eh otimo!!!! Amei o post. Esperando o dos penteados 🙂

  37. Priscila

    Chocada que a grande maioria não usa maquiagem. Todo mundo que visitou Paris me disse que as mulheres se arrumam pra caramba pra sair, que no metrô é o maior desfile de moda, etc…provavelmente eram apenas as impressões de turistas (igual os turistas que vem pra SP e acham que tem macaco pela rua).

  38. Marília

    Na minha percepção brasileiros são assim pela sua forte direta ou indireta influência indígena.
    Índios se pintavam pra fazer parte da tribo e tal e isso fica nos nossos DNAs haha

    Enfim apenas mais uma perspectiva.

    Mas batons, estes fazem parte dr qlqr que seja o lugar do mundo. É símbolo de sedução colorir os lábios. Até para os primatas.

  39. Isabela

    Muito legal esse post. Nada contra quem usa muita maquiagem, mas no dia a dia eu não uso mais e é libertador! Também sempre fiz luzes e agora estou deixando meu cabelo crescer com a cor natural! Estive reparando, toda vez que vejo uma mulher com os cabelos pintados ou com luzes e depois vejo outra com os cabelos naturais, acho os naturais infinitamente mais bonitos! Além de toda essa minha mudança, ainda estou fazendo outra, que é praticar o minimalismo. Possuo poucos itens de beleza. Com óleos vegetais é possível hidratar rosto, corpo, cabelos e lábios com o mesmo produto, sem desperdício. Maquiagem também, tenho só uma bolsinha pequena, com 1 item de cada, nada de primer, iluminador, acho que algumas invenções do mundo cosmético é total desnecessária, só serve pra encher ainda mais o mundo de lixo. Acho que ninguém precisa de muito pra ser feliz e bonita. Se as mulheres criam essa necessidade pra se sentirem melhor, é porque algo esta errado com elas. Essa é minha opinião, espero não ser ofendida por isso. Enfim, ja acompanhei muitos blogs de moda e maquiagem, onde a maioria deles incentiva o consumismo de produtos de beleza desenfreadamente. Ainda acompanho o CDD por posts como esse, e principalmente por posts seus, que fogem do lugar comum. Além do mais, vamos salvar o planeta do nosso lixo, vamos comprar menos e conscientemente!

    • Maria Carolina

      Menina, gostei do seu comentário quanto ao minimalismo (não sabia que era essa a palavra)! Tb tenho refletido bastante sobre essa coisa de ter menos coisas, ter só aquilo que eu realmente vou usar, coisas que realmente vão durar mais tempo e que eu realmente gosto.
      Eu até curto algumas novidades cosméticas, admito. Mas não “precisamos” comprar vááários produtos com a mesma finalidade, várias bolsas, vários batons no mesmo tom, várias bijus… Não é nada bom pro bol$o e não é nada bom pra natureza.
      Curti sua sugestão dos óleos, vou procurar!

    • Isabela

      Obrigada Maria Carolina! Desde que comecei a praticar o minimalismo, me sinto cada dia mais humana, em paz com o meio ambiente e especial.. Antes tinha ate pastinhas no meu notebook de coisas que eu queria comprar, novidades de cosméticos, roupas, celulares etc. Hoje em dia, me desapeguei de muita coisa, e só compro algo se realmente preciso, o que é raro. E ainda uso cosméticos mais naturais tbm, e eles geralmente são multifuncionais, por isso não preciso de muita coisa sabe? Existem cremes pra cada parte do corpo: pro rosto, área dos olhos, cotovelos, pés, mãos, pernas.. hahaha não precisa! Eu uso óleo de coco ou alguma manteiga vegetal e é ótimo! Meu lixo é muito menor que há tempos atrás e eu sou muito mais feliz sabendo que não preciso de cada coisa que sai no mercado. Enfim, espero que vc leia e goste do assunto.. =)

    • Maria Carolina

      Vou testar! Valeu, Isabela! 😉

  40. Mari

    Estive na França esse ano e percebi a mesma coisa!
    Uma coisa que até o meu irmão notou é que você consegue identificar de longe quem é turista brasileira pelo excesso de “produção”, tanto na maquiagem quanto nas roupas.

    Em casa minha mãe nunca usou maquiagem, no máximo um batom, então cresci assim.
    Quando fazia maquiagem em salão para algum evento importante saia me sentindo um palhaço. Hj só pago salão pra cortar o cabelo! 🙂

  41. thuani martins

    Sempre tive dúvidas do meu espirito não brasileiro. Depois deste post eu tive certeza, eu não tenho nada de espirito brasileiro!!! Odeio ficar passando maquiagem e sempre ficava me julgando por não ser tão vaidosa, hoje em dia, eu não estou nem ai. Não vou ficar me arrumando, para ter maaaaais admiradores. Amei o post Mari!!

  42. Erika

    Marina, parabéns pelo post incrível! Foi o melhor que já li, aqui. Acho que independente de referências culturais, o gostar de si mesma é algo extremamente pessoal, que vamos desenvolvendo conforme amadurecemos. Esse tipo de reflexão é importante para que passemos a pensar fora da caixinha imposta pela sociedade, seja ela qual for. É uma troca de experiências, de conhecimento, de pontos de vista, sem imposição ( “deixe a sobrancelha cheia”, “perca peso”, “agrade o seu homem” etc.), que faz repensar como gostamos de nós mesmas. Obrigada por compartilhar! Beijo!

  43. clara

    Ainda tem o fato de que as européias, em geral, dão prioridade a comprar cosméticos de cuidado com a pele do que maquiagem. Pois é, essa pele bonita delas não é só genética não, elas cuidam mesmo (mas sem compulsão!). Aliás, o Brasil é um dos poucos países do mundo em que o investimento em maquiagem é maior que em tratamentos faciais! Pensem nisso…
    Enfim, mais pura verdade esta ‘nóia’ brasileira de estar sempre arrumada, chega a ser cansativo ver as mesmas pessoas todos os dias super produzidas, a impressão que eu tenho é que elas não vivem a vida real, parecem bonecas de plástico que não se conhecem direito. É claro que isso é uma opção de cada uma, mas aconselho todas a saírem por uns três dias com a cara limpa e descobrirem como é libertador!kkk

  44. Carol

    ADOREI! Uma coisa que concordo 100% foi o que vc disse sobre os tutoriais de maquiagem pro dia-a-dia que a gente vê por aqui! Muitas vezes um processo mais complicado e demorado que o que eu faço em dias de festa! Hahaha

    Eu amo maquiagem, sempre amei, mas não consigo entrar nessa paranóia. Pra trabalhar e estudar um corretivo beeeeem leve nas olheiras (e olha que as danadas são bem aparecidinhas) batom ( nisso eu brinco mesmo, batom roxo ou nude a qualquer hora ou ocasião hahaha) e um rímel que às vezes até esqueço. Pra festas já passo uma base média, uma sombra marronzinha escura ou pretinha, rímel e de novo o tal do batom. já me sinto tão arrumada! Claro que isso sou eu e não tem nada de errado em fazer as coisas mais elaboradas, mas acho que se não fosse a louca dos batons, passava batida em Paris! Hahaha

  45. Maria Carolina

    ADOREI O POST! E as francesas tb não curtem brincos, hein? Nenhuma delas sequer tem buraquinho na orelha(nas fotos)!
    Eu tb não curto usar base no dia a dia. Só uso filtro solar e, no máximo, um filtro tonalizante da Adcos. Para festas tb prefiro bases mais leves.
    MAS… eu viciei no rímel e na sombra pra preencher as sombrancelhas, não tem jeito! Sou adepta da frase que ouvi da Ivete Sangalo: “Não existe mulher triste, existe mulher sem cílios”! hahaha!
    Ah, e se eu sair sem brinco, me sinto pelada!
    No mais, concordo com as francesas, menos é mais!

  46. Dany Dyva

    Marina, me adota? hahhahahaha

  47. Cynthia de Souza

    Adorei o post! Tenho 41 anos e desde os vinte e poucos os cabelos brancos dão o ar da graça. Pinto porque gosto, mas não me sinto na “obrigação” de pintar assim que o primeiro branco se torna visível. É engraçado como isto “ofende” as pessoas, principalmente as mulheres. Como boa antropóloga que sou relativizo e sigo minha vida pintando o meu cabelo quando tenho vontade, paciência e tempo.

    • Amei, Cynthia! Que legal ter uma antropóloga por aqui 🙂

  48. Day

    Use o que te faz feliz! Adoro maquiagem, sou mais “montada” mesmo, e feliz do jeito que sou. Creio que seja uma coisa mais latina mesmo, espanholas e italianas são mais “peruas”, e quem dirá que as italianas são mais ou menos interessantes que as francesas? Cada uma bela e interessante à sua maneira.
    Tive a oportunidade de fazer um pequeno curso em Paris e tive impressões semelhantes às tuas, Marina. Mas o que mais me chamou a atenção, além da praticamente ausência de maquiagem e do relativo desapego em aspectos como unhas com esmalte lascado, cabelo meio podrinho… Foi o respeito e carinho com objetos, principalmente acessórios e vestuário, mais antigos e usados. Arrisco a dizer que isso é parte do segredo do charme das francesas. Porque um sapato com bico desgastado, um casacão de lã com a gola puída, não tem mais serventia? Aqui no Brasil se praticamente não tiver a etiqueta de preço acusando a “juventude” da peça em questão, não vai para a rua, e isso em todas as classes sociais. Affff, acho isso tão emergente (no mau sentido). Coisa linda uma peça antiga, de boa qualidade, que viveu parte da sua história…
    Bem, já tenho 41 anos, creio que fuja bastante da faixa etária média que visita o blog, mas acompanho vocês com muito gosto, gatinhas! Apenas para mencionar que felizmente, talvez por ser mais velha, já não me preocupo tanto de fato com a opinião alheia. Mas a pressão da sociedade realmente é poderosa. Sou médica, e como já mencionei, “montada por opção”. Mas se algum dia estou com preguiça e capricho menos na produção, colegas, pacientes, funcionários… Todos perguntam o que houve, se estou triste… Chega a ser engraçado! Um tempo atrás atendi um menininho de TRÊS anos e, ao entrar no consultório, o fofo me olhou e perguntou: “Dra, você esqueceu de pentear o cabelo?” Hehehe achei engraçadinho na hora, mas não deixa de ser triste pensar que um menininho de três anos já tem padrões esteticos e culturais tão rigidos… Nessa hora realmente invejo os europeus, que parecem aceitar a diversidade com mais naturalidade. Desde, é claro, que não compitam com seus empregos…
    Bom meninas, já divaguei demais. Adoro o blog , parabéns pelo lindo trabalho de vocês, e seja mais naturalistas, montadas, Drag queen, que cada uma seja feliz a sua maneira e em paz na sua identidade. Beijooooos

    • Adorei seu comentário, Day, também notei essa relação delas com roupas e sapatos – era até algo que estava pretendendo falar num post sobre o estilo delas! Apareça mais por aqui, um beijo 🙂

  49. Thays

    Gente eu acho que sou francesa.. ou pelo menos adoraria ser!!

  50. Que máximo! Adorei saber disso, adoro o cinema francês e sempre notei a naturalidade mas não imaginava que no dia a dia também era assim. Honestamente acho bem mais bacana, claro que eu adoro maquiagem, mas a gente tem que se amar de cara lavada também! É pra deixar a gente pensando.

  51. Michele Bdz

    Que delícia. .. adorei esse jeito linda de ser….
    Elas são mesmo lindas na essência. ..
    Até consigo adotar essa vibe… mas sem abrir mão do bb cream e do rimel…rs

  52. Renata

    Super natural!! Adorei!!

  53. Márcia Daniella

    Bacana isso de não se prender à necessidade imperiosa da produção com maquiagem. Simplificar a beleza a torna mais harmônica mesmo 😀

  54. Fernanda

    Hum, deve ser por isso que meus amigos que moraram na França dizem que pareço francesa! Rsrs
    Não curto mesmo essa mania de brasileiro de falar: nossa, que feia(o), olha esse cabelo, essa tatuagem, etc. Quando me falam esse tipo de coisa, finjo que não To ouvindo ou falo que gostei. Pro meu marido, mando logo um “é o estilo da pessoa, ela não tá te perguntando se achou bonito ou não”.
    Por falar em marido, aqui em São Paulo já me disseram que eu deveria me arrumar mais porque “aqui não é o Rio”, “que suas sobrancelhas e cílios são muito clarinhos” e que eu ia perder o marido em sp se não mudasse. Eu disse que, peloamor, tava na piscina e não ia me maquiar e que ele estaria me fazendo um favor se terminasse comigo por isso.

  55. bruna

    Surgiu uma dúvida.. Elas são cheirosas e perfumadas? Já q os melhores perfumes são de lá…

    • Ana

      Conheço gente de lá que anda com depilação vencida. Ah. Não têm mania de perfume não, pelo menos os contatos que tive
      tive Não se restringe a maquiagem. A pele limpa
      delas tem a ver com o clima que por ter sol só 4 meses por ano hibernam e geralmente usam só um hidratante pra pele não repuxar quando o clima arrefece. Eu conheço amigos que tem nojo delas, mas pra toda regra há excessoes e França, Europa é muito grande para isolar só a parte que conhecemos ou convivemos.

    • Cuidado com esses termos, Ana. Se depilar ou não é uma escolha de cada um – e você só tem essa escolha sobre os seus próprios pelos, então vamos deixar as colegas (sejam de país forem) terem as escolhas delas também? Além disso, sendo mais prática: você acha mesmo que ninguém no Brasil anda com a “depilação vencida”, como diz você mesma?

    • Elena

      Desculpe-me, Ana, mas teu comentário pareceu-me uma tentativa de inferiorizar a beleza das francesas. Não as julgo melhores ou mais bonitas que nós, já que o comportamento é uma mera questão cultural e os padrões de beleza constroem-se por socialmente com o passar do tempo. Cuidado ao usar termos como “depilação com validade vencida” e “amigos que têm nojo delas”. Nojo por quê? Nossos pelos não são nojentos, são úteis, caso contrário, a evoução já teria os extinguido; não há absolutamente problema algum em não se depilar, isso varia de mulher para mulher. Se você concorda com o lema “use o que te faz feliz”, há de convir que o que faz muitas felizes é não se depilar, estar ao natural: sem maquiagem, sem perfume e sem submeter seus corpos à depilação.
      Novamente, peço desculpas. Todavia, a maneira como escreveu teu comentário nos remete a uma ideia de falta de higiene, como se fosse diminuir o lado bom (existe lado ruim em estar ao seu natural?) de agir como a maior parte das francesas.

  56. Carol

    Oi Marina, tudo bem? Adoro a categoria “marina na frança”. Eu estudo francês aqui em Curitiba e não tenho achado opões legais de livros para quem está começando. Aqueles clássicos simplificados e o “Petit Nicolas” não me prenderam. Quando li “Comer, rezar e amar em inglês” tive uma experiência boa porque não era muito difícil e era uma história atual, um livro que leria mesmo sem ser para estudar o idioma. Acompanho o blog, portando imagino que você esteja ocupada com seus estudos, mas gostaria de te pedir sugestões de autores franceses. Obrigada beijos 😉

  57. Carine

    Marina, parabéns!! Seu texto foi tão verdadeiro que deu voz para tantos comentários igualmente autênticos. CDD cada vez melhor.

  58. Fui criada totalmente sem usar maquiagem, ninguém da família usa, aí, olhando blogs pela internet comecei a me interessar. Adoro me maquiar, adoro me sentir diferente e brincar com os produtos, mas em nenhum momento me sinto escrava da maquiagem. Tem dias que acordo inspirada e uso sombra pro trabalho, outros tenho preguiça e passo só protetor solar. Acho legal a possibilidade da maquiagem, mas acho terrível a necessidade.
    http://www.issoaquiloetal.wordpress.com

  59. Laura

    Marina, simplesmente amo teus posts, já disse aqui que te acho o máximo!

    Infelizmente, a maioria das pessoas não tolera bem a diversidade, uma amostra disso está nos comentários… Achar que quem gosta de maquiagem é escrava ou “tem algo errado” é um exemplo disso.

    Acho isso tudo muito interessante. Na Coreia, não usar maquiagem no trabalho pode ser considerado falta de educação. É cultural.

  60. Mariana S. S. Mendes

    Oi Marina! Adorei o seu post aliás, adoro quando você posta as coisas de Paris. Minha irmã morou em Paris por 6 anos e fui visitá-la duas vezes. Criei um carinho especial pela cidade e me lembro uma vez que fui a um barzinho com um amigo e estava rolando uma festa de formatura. As meninas estavam de vestido, bem normais, bem diferente das nossas formaturas e me lembro de uma delas ter me perguntado lá dentro porque eu não estava vestida com roupas de gala (eu estava de calça jeans e tenis hahaha). Achei engraçado por elas considerarem vestidos normais para nós como roupas de gala e também o fato de elas terem reparado na maneira como eu estava vestida, já que sempre tive essa impressão de elas se vestirem bem desse jeito que vc descreveu! =)
    beijos

  61. Stella

    Adorei o post, Marina! Acho que sou francesa então! 😛
    Não sou de usar maquiagem e um filtro solar me basta pro dia-a-dia. Acho importante se aceitar do jeito que é – até porque penso que cada ‘imperfeição’ te faz especial e única. Pra mim, a beleza reside aí. O que não significa que não gosto de maquiagem – assim como você, aprendi a usar (e amar) batons coloridos e super curto um bom rímel. Enfim, rs. Não sou de comentar posts mas esse me fez sorrir 🙂

  62. Ines Ferreirs

    Elegância é o jeito de andar , falar. É o modo como uma pessoa trata a outra. Vem de dentro pra fora. Maquiagem , roupa bonita e trato no cabelo ajudam? Ok! Mas não é tudo. Adorei o post. Parabéns Marina! Que venham outros temas para reflexão .

  63. Alba

    Só para esclarecer uma coisinha: nós, cariocas, não andamos “montadas” para piscina/praia! Quem faz isso é turista, geralmente de SP, do interior, que já cansei de ver em blogs diversos, dizendo, inclusive, pasmem!, que não conseguem ir à academia de ginástica sem base/corretivo/rímel/batom cor de boca! Na boa, quem se preocupa com tamanha bobagem, se vai suar em bicas e sair sujando tudo? Ah, ainda há as “experts” que ainda indicam produtos à prova d’água, então, s’il te plaît, deixem as afirmações absolutas sobre as cariocas fora disso!
    Aqui no Rio, nem filtro solar se usa, e maquiagem completa mesmo, só para quem trabalha em algo que lhes obrigue a tanto!
    E isso é tão verdade, que muitos programas de beleza na tv costumam fazer essa referência às cariocas, ora como elogio, ora como crítica, chamando-nos de desleixadas e praianas.
    No mais, sou pela leveza e creio que o importante é sentir-se bem! Quando estou na onda da arrumação, me arrumo; quando estou de férias, como agora, honro minha carioquice e saio por aí como se estivesse no Rio, mesmo que seja na Europa, na Ásia, onde for!
    Bjs,

    • Alba, não quis ofender as cariocas e, como eu disse lá em cima, é impossível não generalizar um pouco num texto como esse. Mas, no caso do que eu disse do post, ele não estava fazendo uma comparação entre as cariocas e o restante do Brasil, e sim uma comparação entre as francesas e as brasileiras que ele conhece – e essas últimas, no caso, PRA ELE, estão sempre muito arrumadas.

    • marina gramacho

      Ela nao aceita que fale das cariocas, mas ela pode falar das paulistas e paulistanas? Você deve conhecer aqui muito bem, para falar uma babaquice dessa, que alguém se monta para ir para academia ou piscina e praia… kkkk me poupe querida! Quem vê pensa que o RIO DE JANEIRO é uma parte isolada do Brasil…

  64. Flavia bassi

    Que post delicioso, Marina! 🙂

    Minha pele favorita é a sem base, sem corretivo, só com hidratante. E amo batom e rimel, mas não todo dia.
    A verdade é que enfrentei (enfrento, ainda, de certa forma) um problema de acne grave. Nenhum tratamento com dermatologista funcionava. Aré que alguns ajustes na minha rotina (atividade física e alimentação adequada) têm ajudado a pele a se recuperar. Durante esses dois anos críticos, usei base na região da acne (queixo e ao redor dos lábios). Foi providencial, mas fiquei dependente dela. Se vinha alguém em casa, passava a base antes de atender; se ia comer um lanche aqui perto, idem. Era base até pra ficar em casa, qdo hospedava amigos.

    Mas sempre quis voltar a ter cara lavada. E parei de me cobrar. Passei a sair de cara lavada, numa boa, e no fim nem houve tanta diferença (base nenhuma cobria minha acne cística, só dusfarçava um pouco o vermelho).
    Agora a acne tem dado uma trégua. Há quase um mês não nasce um monstro. Estou sempre exibindo minhas manchas. 🙂

  65. moniq

    Há uns anos era bem dificil ver meninas no dia-a-dia maquiadas no Brasil, parece que virou um tipo de modismo depois desse boom de blogs. Atualmente vejo meninas bem novinhas que vão para escola toda montada, acho que os responsáveis por isso é a mídia, pois na internet esse assunto é muito difundido. E claro, a criação que permite.

  66. Erica olivot

    Estranho ler este post… Faz 8 anos q moro em Paris e n tenho a mesma visao q voce. Acho q a maioria das francesas usam maquiagem leves e estao sempre c delineador p perto. Claro q no meio estudante n é igual. Mas jà passei dessa fase. Talvez seja a nossa diferenca de idade, tenho 35 anos e as pessoas q frequento usam make mesmo q leves.
    Interessante teu ponto de vista.
    Bj grande

    • Pois é, infelizmente, como eu disse, é impossível abordar cada particularidade num post 😉

  67. Pollyana

    Eu tive a mesma sensação quando fui pra Paris! Sempre fui interessada por moda e maquiagem…. Achei que as pessoas lá seriam muito divas e todas montadas o tempo todo… O que vi nos poucos dias que fiquei lá foi o oposto! Ninguém montado, ninguém super produzido. Uma elegância natural e um estilo simples e duradouro. Achei um máximo olhar os sapatos e bolsas.. Achei que chanel era de rodo por aí e no fundo não! Mas ao contrário de nós, que a cada mês compramos uma bolsa diferente pq tá na moda e ficamos lotando nossos guarda roupas com roupas das fast fashion, lá dá de ver que as peças e bolsas são de boa qualidade e muito usadas. São estilos muito diferentes.. E o meu combina muito mais com as francesas!

  68. Ju Abreu

    Como diz o velho ditado ” melhor prevenir que remediar”. Parece que as francesas se preocupam mais em cuidar da pele (seja com cremes ou alimentação) que investir em make pra esconder o que realmente são.
    Viva as francesas!!! Temos que aprender mesmo com elas!!

    • Sylvia Aline

      com a pele linda que elas tem, deve ser isso mesmo

  69. Tatiane Gallo

    Tive as mesmas impressoes qdo estive em paris agora em marco. Parabens, Excelente post, Entretando, confesso, na minha opiniao: acho as mulheres brasileiras mais cuidadas (vaidosas no bom sentindo). Achei as francesas relaxadas. Aqui, da mais podre q mais rica sempre tivemos o cuidado com a beleza. E isso vai de um creme de mao, um batom, uma roupa passada, etc. Vi muitos saloes e alguns oferecendo tecnicas de belza “a brasileira”… Da pra notar q somos exportadoras de beleza la.

    • Magda

      Não tem nada a ver com “beleza” – o que os alguns salões daqui oferecem é o alisamento do cabelo (lissage brésilien). Mais nada.

  70. Alba

    Obrigada por sua atenção, Marina! Sei que você não fez menção alguma sobre as cariocas, acredite, entendi o teor de seu texto, coisa que a moça mal-educada que escreveu logo abaixo do meu não foi capaz de alcançar, mas, tudo bem, não me ofende!
    O que importa mesmo é a pessoa ser feliz, ainda que seja do interior de SP, leve três dias para chegar à praia mais próxima, e ainda tenha de ir arrumada para lá! Deve ser pela enorme distância, que as leva a crer que seja preciso chegar arrumada, afinal, é praticamente um evento!
    Sobre ser o Rio destacado do restante do país, bem, quem faz essa cisão, outra vez, são os apresentadores de beleza e moda da tv, que frequentemente colocam SP como “cidade urbana”, o que é pleonasmo, já que cidade é urbe em latim!, e se referem ao Rio como se fosse algo fora dessa definição, sendo que somos a segunda maior cidade do Brasil em população!
    Merci beaucoup por sua atenção, chérie!
    Bjs,

    • Renata

      A moça do comentário anterior era mal educada? E essa sua ironia sobre a distância da praia do interior, sobre ser um evento pra elas, qual a necessidade disso?! fácil falar dos outros né, olhar pra gente é que é difícil.

  71. Tayanne

    Achei interessantíssimo o post e a admiro muito sua maneira de observação, respeito e personalidade, fico triste por ver tantas pessoas ainda atrasadas e presas a certos estereótipos, e mais triste ainda por aquelas que se ofendem quando na verdade deveriam aproveitar o momento e fazer uma reflexão, rever seus conceitos e respeitar as diferenças e culturas ou qualquer outra coisa, não é preciso entendimento, mas respeito já é um começo, que bom que ainda existam pessoas como você Marina, que tem a capacidade de absorver e passar para nós informação de qualidade. Dificilmente comento, mas achei esse post bem bacana mesmo, continue assim <3

  72. Amanda Estevam

    Marina, melhor post ever, me identifiquei DEMAIS.
    Sempre me senti bastante deslocada nesse aspecto, e é inevitável julgar um pouco nesse sentido. Eu valorizo mais uma cultura que incentive o empoderamento feminino, um pouco menos de aparência e mais essência. Mas claro, essa é a minha opinião e não condeno quem faz diferente. Use o que te faz feliz, certo?
    Justamente por esse motivo, ultimamente tenho procurado bastante referências francesas nos sites, pinterest e pouco acho. Que tal você fazer mais posts nesse sentido? É muito difícil achar referências sobre esse estilo de vida mais “desencanado”, minimalismo, e, de novo julgando, percebo que esse movimento está crescendo muito, quanto maior o nível de escolaridade.
    O Coisas de Diva é meu blog favorito, e não porque compro a maioria de coisas que vocês colocam, mas vocês me ajudam a fazer escolhas mais conscientes na hora da compra, coisas que realmente vou usar.
    Percebo que o que se tornou realmente “chic” é menos afetação, mais gentileza, mais pé no chão, humildade. E é muito legal quando o nosso jeito de vestir/maquiar, se mostrar ao mundo, reflete isso.
    Eu, particularmente, tenho meu ponto fraco: apesar dos 25 anos, tenho acne e isso me deixa um pouco mal. Mas como a acne na maioria das vezes quando tenta ser corrigida, ou fica a pele muito pesada, ou fica ~cagado~ mesmo, to desencando aos poucos. A auto aceitação é bastante complicada, mas vi que não é mais ou menos base que define isso, é sim como me sinto em relação a mim. Estou trabalhando bastante isso…rs
    Acho que o Brasil é um país muito novo em relação à beleza, no sentido de que antigamente o acesso era muito complicado, poucas pessoas podiam comprar. Agora a tendência é haver uma reflexão, e acho que o estilo “natural” tem muito espaço. Quando descobri a maquiagem, queria usar tudo. Agora, vejo que há os momentos certos, e tento não apontar nem julgar quem faz diferente, e gostaria que algumas blogueiras me “representassem” também.
    Parabéns pelo post!

  73. Rafaela

    Adorei o post!!! Fico feliz por você dividir uma percepção tao apurada da nossa relação com a beleza. Importante! As vezes acho que as mulheres brasileiras acabam “sofrendo” de vaidade sabe? muitas vezes a gente percebe o quanto todas essas regras bobas cansam as meninas e elas continuam lá exaustas de ter que fazer as unhas toda semana e ir no salão retocar progressiva e etc etc…
    Tanta coisa pra falar que daria um livro mesmo!! =)

    um beijo

  74. Quando eu morei ai a única coisa que eu me perguntava era ” por que senhor aqui tem tanta maquiagem para vender se elas não usam e nós brasileiras que amamos não tem a metade dessa variedade?!” Hehehe e realmente umas não penteiam nem os cabelos e os dentes tudo pobres! Blé!

  75. Quando eu morei ai a única coisa que eu me perguntava era ” por que senhor aqui tem tanta maquiagem para vender se elas não usam e nós brasileiras que amamos não tem a metade dessa variedade?!” Hehehe e realmente u

  76. Quando eu morei ai a única coisa que eu me perguntava era ” por que senhor aqui tem tanta maquiagem para vender se elas não usam e nós brasileiras que amamos não tem a metade dessa variedade?!” Hehehe e realmente umas não penteiam nem os cabelos e os dentes tudo pobres! Blé!

    • Sylvia Aline

      dentes podres? elas cuidam tanto da pele e esquecem os dentes? credo

    • Existe gente que não cuida dos dentes em todo lugar do planeta, vamos maneirar no preconceito e julgamentos.

  77. Mari

    Esse post é ótimo! Gera muita reflexão…
    Sabe que me impressiono todo vez que leio alguma mulher (ou mesmo adolescente) falando que sair sem maquiagem é estar “sem dignidade” ou “uso porque não quero ASSUSTAR as pessoas com minha cara”… ??!!

  78. Marina G.

    Não sei se é impressão, mas me parece que essa imposição de sair de casa sempre de maquiagem feita (e quando digo maquiagem, leia-se base + corretivo + pó + etc etc etc) é algo mais recente. Quando eu era adolescente (há uns 15, 20 anos atrás), nem pensava em ir para a escola maquiada! No máximo passava uma manteiga de cacau ou um brilho labial de moranguinho da Avon! E quando tinha uma festa, passava só rímel e lápis, além de um gloss. Hoje vejo meninas bem novinhas já super maquiadas para ir no colégio de manhã cedo!
    Eu só fui usar mais maquiagem depois de formada, quando passei a trabalhar em um ambiente mais formal. E até hoje, só uso base muito eventualmente. No dia a dia, uso filtro solar e hidratante ou, no máximo, ou BB Cream quando estou mais inspirada ou tenho algum evento, embora goste de usar um corretivo, blushzinho e máscara e lápis nos olhos. Esses dias até me surpreendi quando uma estagiária me perguntou que base uso no dia a dia (ela queria comprar igual), pois raramente uso base.

  79. Juliana

    Oi Marina! Tive a oportunidade de passar 2 meses em Nancy, aí na França, durante meu mestrado. Tenho a pele clara e com sardas e menina, ao final de 2 meses aí minha pele estava lindíssima. O motivo foi a falta de sol, fiquei aí durante o inverno e minha pele deu uma clareada nítida. Acredito que o clima com pouca incidência solar daí também seja um grande aliado da beleza da pele das francesas. Beijão.

  80. Claudia

    Não uso base e nem sombra pq não gosto, mas cuido super da minha pele e não saio de casa sem primer e pó matificante. Uso delineador, rímel, blush e batom quase todo dia pq adoro ver meu rosto desse jeito, mas no dia que dá o siricotico de sair de casa só com um lip balm, protetor solar e nada mais, faço mesmo. Acho mais divertido o jeito brasileiro, hein? Não usar nada é super legal, mas ficar fazendo pergunta inconveniente quando vê alguém mais arrumadinha achei total fail. Aqui em Curitiba a gente pode ver o outro com uma fantasia de odalisca no meio da rua que ninguém fala nada 😀

  81. Veronica

    Muito legais tuas observações! Miriam Goldenberg fez vários estudos sobre essa vaidade da mulher brasileira, comparando com a mulher alemã, por exemplo (que, segundo um amigo que esteve lá, se veste no escuro), e escreveu artigos muito interessantes, recomendo. Ajuda a se libertar e a pensar fora da caixa.

  82. Nayane

    Nasci pra morar na frança !!! Super me identifiquei com as francesas !!! Amei

  83. Hum, então deve ser por isso que a City-Pharma tá sempre mais lotada de estrangeiros do que franceses rs
    Eu acho que esse desleixado pero no mucho (mais natural) é que dá graça à coisa toda, sou super a favor!
    E não sou a única que olha tutoriais de maquaigem diária e pensa que nunca fez isso nem pra própria formatura heh
    Ótimo texto, Marina. Adorei que vc mescla a sua experiência (o que vc vê por aí) com a sua opinião e com os pré conceitos que nós leitoras temos quanto ao tema, parabéns!

  84. Heloisa Carvalho

    Que ótima sua observação de uma cultura diferente! Eu gosto de usar maquiagem, passo todos os dias. Às vezes acho que estou descontando meus dias na adolescência em que me olhava e não gostava do que via (pele oleosa, acne e muito bullying…). Hoje, mesmo ainda tendo acne e pele oleosa, não sofro com isso! Uso maquiagem por que gosto mesmo, tanto que no meu trabalho devo ser a única! Mesmo assim não sou encanada, quando não estou a fim não passo nada… E me acho linda e radiante com ou sem maquiagem. O que eu acho feio mesmo é quem fica reparando se a pessoa tá muito ou pouco maquiada, se é perua ou desleixada… Nunca devemos esquecer do lema do CDD!

  85. Miriã Andrade

    Muito bom o seu post, Marina! Acho as francesas super elegantes, mesmo tão básicas e naturais as vezes! 😉

  86. Márcia Damasceno

    Oi Marina!
    Uma amiga me mandou esse post seu porque achou que tinha haver com meu trabalho e o q eu acredito.
    Criei recentemente uma nova página no facebook e canal no youtube, Maquiagem Não é Tudo, que tem realmente uma abordagem semelhante.
    Achei muito bacana sua forma de falar suas opiniões e de colocar as observações.
    Fui a Paris pela primeira vez recentemente e observei isso também.
    Achei que a beleza, além de física de muuuuitas delas, vem principalmente da postura e do jeito de levar a vida.
    Beijo e parabéns!
    *sua visita na minha página será muito bem-vinda 🙂

    • Oi, Márcia! Adorei, mas você esqueceu de deixar o link! hahaha beijo

  87. Ana Paula

    Engraçado, tenho 40 anos e as garotas da minha geração, na faculdade por exemplo, não usavam maquiagem aqui em São Paulo…no máximo lápis/rimel ou batom. Só para sair a noite uma sombra e outras coisas, mas variava muito de pessoa pra pessoa. No trabalho, dependia um pouco da área em que a pessoa trabalhava. Era bem parecido com o que você está falando sobre as francesas. Começei a usar mais maquiagem rotineiramente a partir dos 35 para ficar mais “arrumadinha” e adulta. Acho que a coisa de se maquiar mais mesmo quando se é mais jovem é mais recente e tem ligação com o fato de que temos mais acesso e informação sobre os produtos, daí mais curiosidade de testar e usar.

    • Mara

      Concordo em gênero número e grau com você Ana Paula! Também estou chegando aos 40 e de uns 4 anos pra cá que comecei a me interessar mais pelo assunto de make. E no meu colégio e faculdade ninguém ia maquiada não, no máximo batom mesmo.
      E agora eu também me arrumo mais porque não tenho mais a pele de adolescente, tenho manchinhas, às vezes olheiras e sinto que sair sem nada me deixa mais abatida mesmo. Então adotei a make leve (bb cream, blush, batom e lápis) pro dia a dia.

  88. Verônica

    Amei o post. E admiro muito as francesas por serem um exemplo de estilo e ao mesmo tempo serem tão fieis ao seus looks naturais! 🙂

  89. Jessica

    Engraçado que depois desse post notei que tinha mudado há um tempo meu comportamento quanto a maquiagem, justamente devido a comentários quando de cara lavada: vc esta doente? Estava chorando?
    Notei que pelo fato de sempre me maquiar de modo discreto ( pelo menos eu achava) eu ficava mascarada e niguem me reconhecia sem ela. Passei cuidar melhor da pele e a usar pó apenas quando a ficava oleosa na zona T, usar apenas filtro solar com uma gotinha de base só para homogenizar a cor e não para cobrir nada e o mínimo de corretivo nas olheiras que permanecem, porém atenuadas, blush pêssego e rimel, aquela make: nasci assim.
    Hoje escuto como “vc esta bonita” “como sua pele esta boa”

  90. Jessica

    Maquiagem tem que realçar o que temos de belo, e lógico disfarçar alguma coisinha que não gostamos. Devemos acreditar mais quando nosso namorado diz que somos mais belas ao natural ( mesmo com uns truques ?)

  91. Cintya Fuzimoto

    PARABÉNS pelo post !acima de tudo temos que amar o que nos melhora e amar a nós mesmo, isso é fundamental ! Parabéns mesmo, com certeza fez muitas mulheres refletirem !

  92. Eluana Gomes

    Adorei! E só parei pra ler agora porque vi o post de cabelo!
    Eu me sinto bem em acordar e passar protetor solar, um corretivo, lápis, rímel e batom antes de sair pra rua. Mas essa sou eu, eu preciso desse ritual para me preparar para o meu dia, porque eu gosto disso, porque eu gosto de combinar (ou descombinar!) a cor do meu batom com o que estou vestindo. Mas respeito quem não use, e também quem precise de uma super base e um blush mega pigmentado para se sentir bem!

  93. Sylvia Aline

    as francesas são lindas. uma beleza diferente das brasileiras, que também são lindas. cada uma com sua particularidade

  94. Géraldine Silva

    Gostei muito deste “post”. Somos realmente mais descontraidas no que concerne a maquilhagem, cabelos, roupa… less is more. Mas também lhe digo que o fascínio pela diferença é mútuo. Adoro quando conheço uma Brasileira: todas lindíssimas, bem cuidadas e muito alegres 🙂

  95. Flávia Mesquita

    Me identifiquei demais!! Tenho visto meninas com tanta maquiagem que ficam parecendo velhas! Horrível! Adoro o estilo das francesas, elas se aceitam, a auto estima delas é surpreendente! Por aqui, continuamos a cultuar corpos “perfeitos”, peles esticadas demais e paralisadas demais…infelizmente

  96. Gabriela Ronchi Salomon

    Nasci para viver na França!! Kkkkk
    Enfim, eu mesma não gosto de ficar usando base, corretivo e etc todos os dias, só um rímel e batom cor de boca e protetor solar hehehe
    Vejo muitas adolescentes usando bases de cobertura pesada para ir na aula! Pra quê?
    E outra, a pele natural é bem mais legal, a gente se sente mais livre.
    Obs: aconteceu uma vez que uma menina me perguntou se eu estava usando sombra, falei que não. Isso por conta das minhas olheiras e nem por isso saio usando kilos de corretivo.
    Ótimo post 🙂

  97. Carina

    Que post maravilhoso!!

  98. Amei o post, Marina! Aliás, amo o Coisas de Diva, sou assídua por aqui e até falei sobre esse e outros 3 blogs que gosto no meu TCC. hehe
    Adoraria não precisar usar maquiagem ao sair de casa, mas minha pele oleosa me obriga, sem os produtos todos que utilizo, estou com a pele banhada em óleo em menos de 1 hora. Me sinto terrível sem make, e não é que eu não me aceite, é que a maquiagem realmente me eleva a autoestima, pois valoriza o que tenho de bom e disfarça o que não curto em mim. É isso que fazemos com as roupas que usamos, ao escolher aquela que acentua nossos pontos fortes e ameniza aquilo que queremos ocultar. Obviamente, não tenho o menor problema em aparecer de cara limpa, mas como uso maquiagem todos os dias em que saio de casa, é assim que me reconheço no espelho. Se isso é errado, não sei, mas foi assim que me tornei mais feliz comigo mesma, porque antes sofria muito por não entender nada do assunto e nem ter produtos adequados para a minha pele.

  99. Priscilla

    Adorei o post assim como amo o site. Ficou faltando a atriz Eva Green. Ela também é uma francesa belissima!!

  100. Izabel

    Marina, que leveza que dá ler os seus posts! Paris é magica, faz um bem às pessoas que passam por aí e conseguem compreender esse clima incrível da cidade!
    É bom saber que tem mais gente que compartilha dessa visão de querer se aceitar do jeito que é. Ou pelo menos tentar fazer isso com frequência, hehe! Afinal, como qualquer mulher mu do afora, temos os dias em que a vaidade grita e temos aquelas crises de achar o cabelo indomável, a pele estranha, o guarda roupa sem roupa nenhuma…
    Mas, de um modo geral, vejo que as parisienses transmitem muita confiança e serenidade no modo de ser. É muito bom poder levar isso para além da estética, para além do que mostramos.
    Sempre tento ver com outros olhos os seus posts, vendo como posso passar isso para o lado de dentro.
    Como a nossa cultura brasileira é bem diferente, fazer isso, se aceitar com as imperfeições, para mim, começou como um exercício, racional. Como academia, aquela repetição que leva ao resultado. Até que fica natural pensar assim. Ter aquele dia que a gente se sente confortável com a própria pele, pois somos mais que só a pele.

  101. Ariane

    Eu sou francesa de alma (e no nome também haha). Já me perguntaram, inclusive, se eu era de lá, porque tenho o mesmo jeito e estilo das francesas, no cabelo e, no jeito de me vestir e na maquiagem (ou ausência dela). Curto maquiagem, mas no dia a dia, o máximo que eu uso (hoje, porque antes não usava nada) é filtro solar, um bb cream e batom. Quando saio de noite que eu passo algumas coisinhas mais, mas de forma bem natural sempre. Meu cabelo não tem tintura e o corte é mais repicado. Enfim, amo esse estilo.

  102. Fabiane

    Marina,

    Para os próximos posts ficarem melhores, que tal acrescentar fotos de francesas “reais”, situações “reais”, pessoas na rua mesmo (deixe a vergonha de lado e saia fotografando por aí, peça permissão para tirar fotos das pessoas) ia ficar S-H-O-W!!!

    Bj :*

  103. Branca

    Nossa… já fui várias vezes a Paris e vi exatamente ao contrário… nunca vi uma parisiense sem maquiagem!!!
    Lá elas não usam sombras, mas base, blush, rimel e delineador e um batonzinho ou gloss, elas JAMAIS dispensam!
    Fiquei bem surpresa com esse post.
    Usam a make natural, mas jamais saem sem make… estranho…

  104. amanda

    Eu tenho a impressão que as mulheres francesas gostam de preservar essa carinha de criança, com suas franjas e pele impecáveis. Particularmente, adoro o estilo delas, o que serve de inspiração para mim. Nunca fui de usar maquiagem, nem de sair ‘montada’ demais, mas acredito que cada pessoa se encaixa em um estilo. As brasileiras tem esse ar deslumbrante, caprichado, extravagante, que não curto muito, mas é o estilo que prevalece aqui, e respeito. Enfim, amei o post e amo todas as francesas em destaque nele <3