Quem não conhece o Nivea Creme, em sua fatídica latinha de metal azul? Basicamente, esse é o produto mais antigo da marca e, originalmente, seria chamado de Eucerit. Foi então que o batizaram de Nivea, que significa “branco de neve”, em latim. [Quer saber mais dessa história? Vê só o post completíssimo da querida Lari, do Ranking de Cosméticos, sobre o assunto. Foi de lá que tirei essas informações!]

Mais de cem anos se passaram desde a criação do Nivea Creme, que continua a vender como água pelo mundo todo! Não posso descrever o quanto gosto do aroma desse hidratante – é o “cheirinho Nivea”, né? Um dos melhores e mais marcantes do mercado cosmético, sem dúvida.

Pois bem: o precioso conteúdo dessa latinha (a minha tem 56 gramas, mas há também a versão maior, de 97 gramas) nada mais é que um hidratante poderoso! Ele é super usado pelas europeias, que sofrem com a pela ressecada do frio. A textura é bem grossa e oleosa!

Aí vocês me perguntam: que utilidade vai ter um creme tão pesado nesse clima tropical brasileiro? Pois eu respondo… Para hidratar cotovelos e joelhos! Depois da praia, os meus ficam mais “rústicos”, digamos, assim! hahahaha É aí que entra o Nive a Creme! Recomendo o uso à noite, para a sensação pegajosa não incomodar – sim, porque a absorção é bem lenta! No inverno, vale muito passar nos pés e colocar uma meia depois (calor só de imaginar isso).

Custa baratinho e, apesar de ficar sambando na pele, vale o investimento pelo poder de hidratação. Preço médio: 10 reais!

PS: A leitora Mayara comentou que passa ele no rosto também e isso me fez lembrar as dicas da Rafa, que sofre com a pele seca! Mas ó, cuidado: usar assim, na face, só mesmo pra quem precisa!

Compartilhe

×