Imagine que você tenha coceiras e inchaço nos olhos cada vez que usa um dos seus cosméticos mais adorados. Triste, não? Pois saiba que isso é bem comum em pessoas alérgicas.

Uma das maiores reclamações que vejo aqui no blog é de mulheres com alergia a esmalte. O mais comum é a alergia aos componentes tolueno e formaldeído que estão presentes em sua fórmula, mas algumas meninas tem alergia a outros componentes, como a mica. Nos Estados Unidos os dois primeiros são proibidos mas aqui no Brasil ainda esão presentes na maioria das marcas. As reações são diferentes para cada pessoa, mas segundo a Dra. Adriana Schmidt, alergista e professora colaboradora da Disciplina de Alergia da PUC – PR no Hospital Universitário Cajurú, a reação mais comum é a “dermatite de contato”, uma reação inflamatória na pele que pode ocorrer nas cutículas, e também nas pálpebras por causa do contato do esmalte com a pele fina e sensível dessas regiões.

Esmaltes nacionais sem formaldeído e tolueno

Minha amigona Paula contou que nela surgiram manchas vermelhas no rosto e as cutículas ficavam inchadas e coçando. Depois de ir ao dermatologista descobriu que era alergia à esmaltes. Já a Yrit do blog Tudo sobre Esmaltes contou que as cutículas dela começaram a ficar sensíveis, criando “casquinhas” todas as vezes que ela fazia as unhas. Com o tempo, as reações foram piorando, tendo coceira ao redor das unhas, além de inchar as pálpebras superiores.

Se você tem alguma reação parecida com essas toda vez que usa esmalte, melhor correr para um dermatologista. A Dra. Adriana falou que existem testes de contato com uma bateria padrão e outra especifica para cosméticos para saber se você é alérgica ou não.

Algumas marcas nacionais com linhas especiais sem formaldeído e tolueno

Agora se já estiver em crise, é melhor seguir as indicações do seu médico alergista ou dermatologista. Geralmente ele pede para você parar de usar esmalte e indica algum creme antiinflamatório e antialérgicos.

Mas calma que nem tudo está perdido, a Dra. Adriana contou que para muitos pacientes os esmaltes antialérgicos dão bons resultados. Eles são feitos sem os componentes que podem causar reações alérgicas. A Colorama, Argento e Ludurana já fabricam esmaltes livres desses itens. Já Risqué, Impala e Speciallitá tem linhas especiais (e bem mais caras que a linha normal) sem tolueno e formaldéido. A única reclamação é a falta de variedade de cores, segundo a Yrit “As cores ainda se limitam a vermelhos, marrons, branquinhos e rosinhas. Hoje em dia, se quero algo diferente, recorro aos importados americanos, pois nos EUA essas substâncias são proibidas.”

Importados (que encontramos no Brasil) sem formaldeído e tolueno

Algumas pessoas me falaram que os fabricantes nacionais teriam que retirar o tolueno, formaldeído e o DBP dos esmaltes até o ano que vem, mas segundo a assessoria da Anvisa não existe conhecimento por parte deles dessa proibição. A resolução que regulamenta a quantidade máxima de formaldeído nos esmaltes é a RDC162.

Para quem quiser saber mais, a Dra. Adriana Schmidt (CRM 12975) tem consultório em Curitiba e também tem um site com mais informações.

Se quiser contar sua experiência  sobre o assunto aqui nos comentários, fique a vontade. A Angel do Muito rímel pouco batom também é alérgica e sempre dá dicas lá no blog dela e no blog Pedaço Rosa também tem informações.

Atualização:
A Bruna avisou nos comentários que a Alergoshop tem uma cobertura com acabamento fosco para as alérgicas.

Nas Tags:

Compartilhe

×